22.9 C
São Paulo
quarta-feira, junho 29, 2022

Vídeos de decapitação no Facebook: Liberados ou proibidos?

- Publicidade -

É verdade que o Facebook liberou a publicação de vídeos de decapitação pelos usuários dessa rede social? Descubra aqui!

Em abril de 2013, um vídeo que mostrava uma mulher sendo decapitada apareceu no Facebook e foi compartilhada milhares de vezes. O crime aconteceu no México e, como os comentários dos membros da rede social estavam condenando o ato, o Facebook optou por deixar o vídeo no ar.

Ao não banir essas postagens, a direção do Facebook sofreu inúmeras críticas por parte de usuários que não concordavam com aquele tipo de vídeo em suas timelines. Muita gente também ficou em dúvida sobre qual seria, então, a posição oficial do Facebook. Afinal, fotos de mulheres com os seios de fora, tentando conscientizar a população sobre o câncer de mama ou amamentando seus filhos são deletadas pelos moderadores do FB, enquanto que vídeos de mulheres perdendo a cabeça são liberados…

Vídeo de uma mulher sendo decapitada iniciou uma discussão sobre o que pode ser publicado na rede social! (foto: Reprodução/Facebook)
Vídeo de uma mulher sendo decapitada iniciou uma discussão sobre o que pode ser publicado na rede social! (foto: Reprodução/Facebook)

 

A pergunta que fica no ar é:

Vídeos de decapitação são permitidos ou não no Facebook?

Em sua defesa, a rede social criada por Mark Zuckerberg soltou, em abril de 2013, uma nota afirmando que:

“As pessoas estão compartilhando este vídeo para condená-lo. Da mesma forma como programas jornalísticos na televisão usam imagens inquietantes mostrando atrocidades, as pessoas podem compartilhar vídeos inquietantes no Facebook com o objetivo de aumentar o conhecimento sobre ações ou causas. Embora o vídeo seja chocante, nossa postura está fundamentada na preservação dos direitos das pessoas de descrever, representar e comentar sobre o mundo em que vivem”.

No entanto, após tanta polêmica, em maio do mesmo ano o Facebook introduziu uma proibição temporária sobre esse tipo de vídeo sob a alegação de que eles podem causar danos psicológicos a longo prazo para quem os assiste!

A proibição durou até outubro de 2013, quando o Facebook alterou (novamente) a sua política de uso e “liberou geral” a postagem de vídeos de decapitação, desde que quem os publicarem esteja condenando o ato e que seja avisado na publicação que as cenas são fortes.

A liberação durou apenas 24 horas

No dia 22 de outubro, apenas 24 horas após a liberação de vídeos de decapitação em sua rede social, a direção do Facebook volta atrás (em meio a inúmeros pedidos) e proíbe novamente postagens dessa natureza!

- Publicidade -

Em nota à imprensa, o Facebook afirmou que as pessoas podem publicar o que quiserem, desde que não violem a política de uso da empresa (bem confusa, por sinal) que, dentre outros pontos, condena aqueles que celebram a violência.

E fotos de amamentação?

A polêmica causada pela proibição de postagem de fotos de mulheres amamentando também obrigou o Facebook a rever as suas políticas de uso. A partir de 2013, fotos de mamães dando de mamar às suas crias com os seios à mostra estão liberadas no Facebook!

Reprodução do aviso do Facebook liberando a publicação de fotos de mamães amamentando seus filhos!
Reprodução do aviso do Facebook liberando a publicação de fotos de mamães amamentando seus filhos!

 

Conclusão

Vídeos de decapitação estão proibidos no Facebook (pelo menos, por enquanto).

 

- Publicidade -
Gilmar Lopes
Gilmar Henrique Lopes é Analista de Sistemas. Trabalha com PHP e banco de dados Oracle e é especializado em criação de ferramentas para Intranet. Em 2002, criou o E-farsas.com (o mais antigo site de fact checking do país!) que tenta desvendar os boatos que circulam pela Web. Gilmar também tem um espaço semanal dentro do programa “Olá, Curiosos!” no YouTube e co-apresenta o Fake em Nóis ao lado do biólogo Pirulla!

Últimas Atualizações

- Publicidade -

Ajude a Manter o E-farsas

- Publicidade -

Checagens Relacionadas

5 COMENTÁRIOS

  1. Na verdade são situações diferentes, decapitação e amamentação.
    Quando expomos demais, repetidamente, uma situação ela se banaliza. Perde a graça ou o impacto.
    Se ver uma mulher com seios de fora amamentando causa furores sexuais em tarados de ocasião, a visualização disso cotidianamente tende por diminuir esse transtorno. Amamentar é bom e saudável tanto para o bebê quanto para a mãe e isso deve ser estimulado pelo exemplo e pela exposição.
    Já a exposição de atos violentos, não, pela mesma razão: banaliza a violência. Se ao se assistir a uma pessoa sendo executada causa impacto, a repetição acaba por diminuir a surpresa e o horror a isso. O resultado é que as pessoas acabam por não se importar mais com a generalização da violência e o seu impedimento torna-se pífio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui