O arroz brasileiro está contaminado por vírus e bactérias?

Share Button

Será verdade que várias marcas de arroz estão contaminadas por vírus e bactérias e que o Governo e Ministério da Saúde estão escondendo isso da população?

O alerta surgiu nas redes sociais – sobretudo, no WhatsApp – no começo da segunda quinzena de outubro de 2016 e chama a atenção dos consumidores do arroz das marcas Carreteiro, Máximo, Ouro e Tio João para o perigo de uma infecção!

Segundo o texto, o Governo brasileiro estaria escondendo a informação de que estudantes universitários teriam contaminado propositalmente as plantações de arroz com vírus e bactérias que, se ingeridos, causam infecção no estômago podendo levar a morte.

Será que isso é verdade?

Perigo no arroz dos brasileiros! Será verdade? (foto: Reprodução/Facebook)

Perigo no arroz dos brasileiros! Será verdade? (foto: Reprodução/Facebook)

Verdade ou farsa?  

Como todo bom boato eletrônico que se preza, esse possui todas as características de uma e-farsa:

  • Trata de um assunto que chama a atenção do leitor;
  • Possui um tom alarmista e conspiratório;
  • Usa o nome de pessoas com cargos importantes e de instituições de renome;
  • É vago e não cita fontes;
  • Não é datado;
  • Pede para ser repassado para o maior numero de pessoas;

Analisando trechos do alerta que se espalhou através do WhatsApp, logo na primeira linha temos:    

O governo brasileiro está escondendo uma informação da população.

Texto típico desse tipo de boato: A ideia de que há uma informação importante e que o “governo” está escondendo da população!

Se essa informação está sendo mantida em sigilo, como é que essa pessoa sabe disso? O autor do alerta não diz…

A seguir:

A nova safra de arroz referente a colheita do mês de Outubro foi infectada com vírus e bactérias por estudantes universitários em visitas nas plantações. Esses vírus e bactérias causam infecção no estômago podendo levar a morte. O Ministério da Saúde não tem dinheiro para tirar a bacteria dessa safra de arroz.

Envie suas dúvidas e sugestões de pauta através do nosso WhatsApp pelo número (11) 96075-5663!

Quando os estudantes universitários visitaram essas plantações? Onde foram essas visitas? Quais são essas bactérias e vírus?

Igualmente, o autor do texto também não explica.

No portal do Ministério da Saúde não há nenhuma nota a respeito de arroz contaminado (Ah, é! o Governo está escondendo isso da população muito bem, pois não há nenhuma menção a isso em nenhum jornal!).

Logo no meio do “alerta” temos:

REPASSEM para o maior número de pessoas, não deixe que elas comam arroz das marcas Carreteiro, Máximo, Ouro e Tio João pelos próximos meses. Vamos nos prevenir e denunciar. Parem de comer arroz!

Como todo bom boato alarmista, esse também pede para ser repassado ao maior número de pessoas.

E pra finalizar:

O médico Carlos Gouveia, CRM 32.234 tem mais informações a respeito no 0800-770-7900.

Uma busca pelo CRM 32.234 nos mostra 3 médicos: um de Minas Gerais, uma do rio Grande do Sul e outro de São Paulo. Nenhum deles se chama Carlos Gouveia!

Uma busca pelo nome do médico nos retorna vários médicos, mas nenhum com o CRM informado no boato.

Além disso, o número de telefone citado no boato é do SAC da empresa Top Therm, que nada tem a ver com contaminação de arroz!

Conclusão

Não há nenhuma contaminação no arroz brasileiro! Esse é um dos muitos textos alarmistas que se espalham pelo Whatsapp. Na dúvida, sempre pesquise antes de repassar esses boatos!  

Share Button
Conspirações, Correntes, Falso, Morte, Saúde
, , , , , , , , , ,
  • Se saiu no facebosta, é mentira.

    Ops!! Foi no zapzap. No fim das contas, é quase que o mesmo.

    E o pessoal fica puto quando bloqueiam o zapzap pois não teriam como passar notícias tão importantes como essa? Realmente é muito revoltante ficar sem zapzap.

    • Arthur

      Cara, você é o mesmo que comenta no blog dos Aviões e Músicas? Todo lugar que eu vou na internet eu te vejo kkkkk

      • Também apareço por lá.

        Não muito, mas estou lá.

        • Jane suave

          parece ser boot

          • Eu™

            Bota? Bota é o que vc vai levar no oco do seu reto, sua analfabeta.

  • Cloverfield

    Mas, se mesmo que estivessem contaminados, o processo de fervura e cozimento nao ia matar os “micobrios” ?

  • Fernanda

    “A inguinorança é que astravanca o pogresso” – como diria Odorico Paraguaçu. Só não sei se rio ou sento e choro.

  • Adalto Augusto de Oliveira

    O Fone suposto e da Toptherm

    http://www.toptherm.com.br/
    Televendas: 0800 770 7900

    • Gilmar Lopes

      Falei isso no artigo!

  • Dsvina sakalsuskas

    Se fosse verdade o arroz pra ser consumido tem que cozinhar daí não fica nem uma bactéria

  • Nelia

    Como não sei se é mentira ou não não vou comprar essas marcas de arroz que dizem está contaminado .

    • Douglas

      É MENTIRA!!! VOCÊ NÃO LEU O TEXTO?!
      MEU DEUS DO CÉU!!!

    • Vladimir

      Parabens! Temos uma espertona aqui! Porra, Nelia. O texto nem é grande. Custa ler?

  • maza1

    Tem uma do mesmo naipe dessa Só que sobre o feijão ter que ser lavado com vinagre

  • Renato

    O que não está CONTAMINADO nesse país? 😣

  • Roberto

    Lembram do feijão que tinha larvas? É o mesmo boato.

  • Cláudia Fragale

    Tudo mentira, pessoal igual ao comentário do feijão que tinha larvas.Pessoal porque só essas marcas não todas .Tudo invenção do povo falta do que fazer.

  • ALDER RIBEIRO BARBOSA

    Nem percoenu tempo lendo essas coisas. Só se tiver um site confiável

  • Gente, o caso é que falaram dessas marcas de arroz é exatamente para vender as que estão contaminadas. Uma espécie de marketing de vendas como acordo dos outros fabricantes. Sacou

    • Eu™

      E quais são suas evidências para corroborar tal afirmação?

  • Paulo

    É preciso cuidado máximo, mas mesmo assim este tipo de situação acontece! Mas ver o que aconteceu com as carnes recentemente. Um já muita teoria sobre alguns lobbies das sociedades, mas não quero entrar por esse ambiente de desconfiante e medos. Não podemos viver assustados. Por isso vale uma alimentação variadas, em fornecedores e produtos. Fica a dica