25.9 C
São Paulo
sábado, janeiro 28, 2023

A hora marcada no relógio destruído prova que vândalos infiltrados entraram no Palácio do Planalto antes das 13h30? 

- Publicidade -

É verdade que a hora marcada no relógio do francês Balthazar Martinot no momento de sua destruição no Palácio do Planalto denuncia que os vândalos infiltrados já estavam no Palácio do Planalto antes das 13h30?

A constatação surgiu nas redes sociais no final da primeira quinzena de janeiro de 2023 e afirma que o relógio destruído durante depredação na Praça dos Três Poderes, ocorrida no dia 08 de janeiro de 2023, mostrava o horário das 13h30 no momento do crime, provando que o vândalo teria chegado antes dos demais manifestantes – que chegaram por volta as 3 da tarde.

Em algumas versões, a hora alegada seria 12h30, uma hora ainda mais cedo.

Com isso (e com o fato do homem que aparece nos vídeos das câmeras de segurança ser um dos poucos vândalos a usar camisa diferente da já tradicional e “patriota” verde e amarela da Seleção), publicações sugerem que o homem seria um agente infiltrado na manifestação.

Será que isso é verdade? O mostrador do relógio estava exibindo a hora correta no momento que foi destruído? 

Texto de uma das versões compartilhadas no Facebook: “Ninguém das manifestações vestia a camisa com Bolsonaro. O relógio marcava 13h30 e a manifestação chegou a praça dos 3 poderes depois das 15hs!! Tem algo errado que não está certo!!!” (foto: Reprodução/Facebook)

Verdade ou mentira?

É verdade que o relógio marcava 12h30 quando foi destruído pelo vândalo, mas a hora mostrada no aparelho não era a correta, pois o relógio já está parado há anos!

Como mostra essa reportagem do programa Fantástico, da Rede Globo, as câmeras de segurança do Palácio do Planalto mostram a hora exata que um homem joga o relógio do francês Balthazar Martinot no chão: 15h33:

(foto: Reprodução/G1/Globo Play)

Relógio estava parado há pelo menos 10 anos, diz Secom

A Secretaria de Comunicação da Presidência da República disse em nota que o relógio de Balthazar Martinot está parado há pelo menos 10 anos:

“Por essa razão, não há como levar em consideração o horário marcado por ele nas imagens internas do Palácio do Planalto no dia 8 de janeiro. A Secom esclarece ainda que no segundo mandato do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi realizada a tentativa de manutenção do relógio, sem sucesso, por se tratar de um objeto histórico e de difícil reparação”, diz a nota. 

Impossível restauração

- Publicidade -

Infelizmente, é pouco provável que o relógio que foi destruído no dia 8 de janeiro de 2023 possa ser restaurado. A ministra da Cultura, Margareth Menezes afirmou que a obra de arte pode ter sofrido danos irreparáveis e sua restauração provavelmente não será possível. Feita no século XVII por Balthazar Martinot, a peça foi dada de presente pelo rei francês para Dom João VI e ele trouxe o relógio para o Brasil. 

O aparelho, que passou por uma restauração em 2012, estava guardado em um galpão por décadas e é um dos dois únicos exemplares restantes do francês Balthazar Martinot. O valor da obra de arte é inestimável!

Em 2012, o mesmo relógio aparece em matérias da época, exibindo o horário das 12h40:

Conclusão

Não é verdade que o relógio destruído durante ações criminosas de manifestantes em Brasília provou que o crime ocorreu antes das 15 horas! O relógio havia sido restaurado em 2012, mas os restauradores não conseguiram fazê-lo funcionar!  

- Publicidade -
Gilmar Lopes
Gilmar Henrique Lopes é Analista de Sistemas. Trabalha com PHP e banco de dados Oracle e é especializado em criação de ferramentas para Intranet. Em 2002, criou o E-farsas.com (o mais antigo site de fact checking do país!) que tenta desvendar os boatos que circulam pela Web. Gilmar também tem um espaço semanal dentro do programa “Olá, Curiosos!” no YouTube e co-apresenta o Fake em Nóis ao lado do biólogo Pirulla!

Últimas Atualizações

- Publicidade -

Ajude a Manter o E-farsas

- Publicidade -

Checagens Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui