21.3 C
São Paulo
quarta-feira, maio 25, 2022

Mulher matou o namorado por ele ter gozado muito rápido! Será verdade?

- Publicidade -

Será verdadeira ou falsa a notícia afirmando que uma mulher de 34 anos matou o seu parceiro a facadas por causa de um problema de ejaculação precoce?

A notícia surgiu em diversos sites e blogs na primeira semana de junho de 2018 e rapidamente se espalhou também nas redes sociais. De acordo com o texto, o crime teria acontecido na cidade de Sete Lagoas, onde uma mineira de 34 anos de idade teria sido presa após matar o seu namorado a facadas em um ataque de fúria. A mulher, de acordo com a reportagem, teria dito aos policiais que perdeu o controle após o homem não se segurar e ejacular antes da hora, durante o sexo.

O namorado, de 27 anos, sofria de ejaculação precoce e teria sido atendido pelo serviço de emergência, mas não resistiu às facadas e acabou morrendo…

Será que essa notícia é verdadeira ou falsa?

Mulher teria matado o namorado por ele ter “chegado lá” muito rápido! Será verdade? (foto: Reprodução/Facebook)

Verdade ou mentira?

Se você acompanha as nossas pesquisas aqui no E-farsas, já sabe que essa história possui várias características de um boato virtual:

  • Não é datada
  • Não cita nomes
  • Não revela as fontes
  • Trata de um assunto que chama a atenção do leitor
  • Surgiu em sites conhecidos por disseminar notícias falsas

Em primeiro lugar, não encontramos em nenhum jornal local da cidade mineira de Sete Lagoas notícias sobre esse crime. Apenas sites especializados em inventar fake news publicaram a respeito.

Além disso, não há o nome de nenhum dos envolvidos no caso. Em algumas versões, apenas o primeiro nome da suposta assassina é mencionado (Renária). O nome do delegado que estaria cuidando do caso, por exemplo, ninguém sabe.

A foto usada na fake news

Todos os sites e blogs que publicaram essa história usaram como foto a imagem de uma jovem de cabelos claros e vestindo um vestido vermelho, sendo presa pela polícia. Acontece que essa fotografia nada tem a ver com uma “assassina de ejaculador precoce” que teria sido presa em Minas Gerais: Primeiro, porque o escudo da Polícia Civil de Minas Gerais é diferente do brasão que aparece na foto (que é do Ceará):

- Publicidade -

A mulher da foto também não se chama Renária. Na verdade, seu nome é Francisca Amanda Rodrigues Alves e ela foi presa em 2017. Segundo a delegada Dra Ana Paula Scott – que cuidou do caso na época –  a mulher presa sob a acusação de ter assassinado um homem no Ceará, além de – de acordo com a delegada – também ser chefe do tráfico de drogas em Crateús (CE),  trabalhando a mando do marido que estava preso.

Origens

No começo de junho de 2018, o site Mídia Imparcial publicou essa fake news e, mesmo sem dar nenhuma prova e/ou citar nenhuma fonte, conseguiu que a sua historinha fosse republicada por outros sites, como o AGG News, por exemplo.

Para você ter uma ideia, o Mídia Imparcial é o mesmo site que inventou a notícia falsa afirmando que o Governo Federal teria criado um auxílio de R$ 954 para gays e travestis, além de várias outras que já desmentimos aqui no E-farsas!

Conclusão

A notícia afirmando que uma mineira teria sido presa após matar o namorado por causa do seu problema de ejaculação precoce é falsa!

- Publicidade -
Gilmar Lopes
Gilmar Henrique Lopes é Analista de Sistemas. Trabalha com PHP e banco de dados Oracle e é especializado em criação de ferramentas para Intranet. Em 2002, criou o E-farsas.com (o mais antigo site de fact checking do país!) que tenta desvendar os boatos que circulam pela Web. Gilmar também tem um espaço semanal dentro do programa “Olá, Curiosos!” no YouTube e co-apresenta o Fake em Nóis ao lado do biólogo Pirulla!

Últimas Atualizações

- Publicidade -

Ajude a Manter o E-farsas

Checagens Relacionadas

6 COMENTÁRIOS

  1. Sou de Sete Lagoas e nem estava sabendo desse boato. Mas sei que não irá demorar pra ele se espalhar pelas redes sociais aqui e o pessoal começar a falar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui