Conecte com a gente

E-farsas – Desvendando fake news desde 2002!

E-farsas – Desvendando fake news desde 2002!

Curta, Compartilhe: Quando a morte está apenas a um clique de distância

E-farsas

Curta, Compartilhe: Quando a morte está apenas a um clique de distância

Curta, Compartilhe: Quando a morte está apenas a um clique de distância

O vídeo de um homem espancando uma criança reacendeu um debate importante nas redes sociais: a validade do compartilhamento de fotos e vídeos.

É realmente válido compartilhar, de forma indiscriminada, esse tipo de vídeo? O compartilhamento por populares é realmente eficaz? Será que isso ajuda ou pessoas inocentes podem morrer durante esse processo? É o que vamos tentar entender agora, aqui, no E-Farsas!

Compartilhe, Compartilhe, Compartilhe

A todo momento somos de alguma forma sugestionados a compartilhar algo de nossas vidas com outras pessoas. As redes sociais sempre partiram desse princípio. A necessidade de socializar, de conectar pessoas, não importando a distância que estejam umas das outras, e de encontrar pessoas com os mesmos interesses que os nossos. Um meio extremamente rápido e moderno para o que naturalmente o homem faria de alguma outra forma.

A todo momento somos de alguma forma sugestionados a compartilhar algo de nossas vidas com outras pessoas.

É assim desde os primórdios com a formação de grupos sociais e o compartilhamento de pensamentos e histórias através de desenhos, livros ou da própria fala.

Os próprios meios de comunicação mais tradicionais, assim como a TV, já incentivaram esse compartilhamento, de forma genérica, no passado. Alguém se lembra quando o SBT lançou a campanha “#Compartilhe”, em 2013? A campanha dizia que não bastava transmitir, era necessário compartilhar para multiplicar.

Um Temido Mecanismo de Denúncia

No entanto, esse compartilhamento deixou de ser algo natural há algum tempo. Passou a ser um negócio rentável. Quantos “influenciadores digitais”, por exemplo, não pedem para que você compartilhe seus vídeos com amigos ou em suas próprias redes sociais? Quantos não dão declarações, publicam fotos, vídeos ou realizam ações consideradas controversas apenas por saber que serão amplamente compartilhados? Apenas para “chamar a atenção” ou assim o fazem por ser serem patrocinados por alguma marca que jamais seriam clientes?

Com o tempo a absoluta maioria dos sites também passou a sofrer adaptações para que qualquer pessoa compartilhasse facilmente o conteúdo gerado por eles. Sequer importa a qualidade do conteúdo. Sequer importa que seja ou não verdade. O importante é compartilhar, gerar acessos, cliques, influência, rentabilidade. Gostando ou não, é assim que o mundo atual funciona.

O importante é compartilhar, gerar acessos, cliques, influência, rentabilidade. Gostando ou não, é assim que o mundo atual funciona.

Fortunas e Mais Fortunas

Não obstante, ao reunir pessoas, desde pequenos grupos até grandes manadas de seguidores influenciados por determinados tipos de conteúdo, o compartilhamento também passou atuar como um mecanismo de propagação de denúncia. Um mecanismo tão temido que empresas passaram a gastar fortunas monitorando as redes sociais para impedir que uma denúncia fosse compartilhada por milhares de pessoas, alcançasse grupos, páginas e sites especializados. Tudo para impedir que um texto, uma foto ou um vídeo se transformasse numa crise institucional.

Como consequência disso, por exemplo, surgiram sites onde consumidores passaram a expor publicamente seus problemas. Compartilhar passou a ser importante para que outras pessoas soubessem o que aconteceu, e que também poderia acontecer com elas. Aparentemente, uma prática saudável considerando a desproporcionalidade de forças entre clientes e empresas. Ao utilizar tais sites, tanto cliente quanto empresa têm uma chance de resolver um determinado impasse de forma mais transparente. Todos, de certa forma, parecem ganhar.

Ao utilizar tais sites, tanto cliente quanto empresa têm uma chance de resolver um determinado impasse de forma mais transparente. Todos, de certa forma, parecem ganhar.

Parece Bom, Mas…

Em contrapartida, as empresas também passaram a gastar fortunas para que resenhas sobre seus produtos fossem disseminadas e compartilhadas entre potenciais clientes. Muitas vezes nem mesmo importa que o produto seja bom, visto que ele irá aparentar ser maravilhoso na mão daquele “jovem”, que você tanto adora acompanhar. A relação entre cliente e empresa que parecia ser igualitária, se tornou novamente desproporcional, porque dependendo do conteúdo que você acessar irá se deparar com uma “verdade” diferente. Afinal de contas, todos lhe prometem dizer a verdade, não é mesmo? Contudo, será que todos realmente dizem a verdade? Em quem confiar?

Enfim, tudo isso soa ser uma evolução natural da tecnologia. Muitos ainda acreditam que as pessoas e empresas irão encontrar naturalmente uma maneira de agir e se comportar nas redes sociais.

Pessoas vs Pessoas

Entretanto, algo diferente surgiu. Pessoas começaram a denunciar publicamente, algumas vezes de maneira irracional, outras pessoas. Elas passaram a gravar vídeos de terceiros, sem a autorização dos mesmos, a capturar a tela de celulares com trechos de conversas, a gravar áudios e a divulgar fotos de supostos criminosos. Passaram a expor tudo isso em suas redes sociais como se tivessem uma razão soberana sobre o material divulgado. E, estranhamente, sem que notássemos, isso virou perigosamente o “novo normal”.

Para essas pessoas sempre há um pretexto moral para aquilo que fazem. Quando são questionadas, geralmente dizem: “Se não compartilhasse, talvez o criminoso não fosse capturado“, “Se não compartilhasse, talvez a polícia nem ficasse sabendo“, “Se não compartilhasse, o crime ficaria impune“, “É importante compartilhar, para que as pessoas sejam estimuladas a denunciar tais pessoas“.

Para essas pessoas sempre há um pretexto moral para aquilo que fazem.

Por outro lado, é difícil culpar somente as pessoas, de forma genérica, quando diariamente surgem escândalos na esfera política, no mundo das “celebridades”, na imprensa e nas redes sociais. Um universo de vazamentos, intrigas, fofocas, de pessoas vigiando constantemente outras pessoas, não em busca de suas virtudes, mas de suas falhas ou fraquezas.

O exemplo sempre deve vir de cima, mas, infelizmente, atualmente não temos bons exemplos em nossa sociedade com força suficiente para mudar esse “novo normal”.

Sentenças de Morte: Pessoas Acima da Lei dos Homens e da Lei Divina

Talvez por cansaço ou sensação de impunidade, as pessoas passaram a agir como investigadores de polícia. Da noite para o dia, homens e mulheres comuns passaram a ser especialistas em imagens, peritos em manipulação digital de vídeos, entre outras áreas. Todos acreditam que são capazes de resolver um determinado mistério.

Em nosso próprio grupo, no Facebook, cansamos de ver pessoas alegando trabalhar com fotografia, por exemplo, mas que são incapazes de analisar corretamente uma foto. E, quando a verdade surge, ninguém comenta absolutamente nada. Os erros simplesmente são varridos para debaixo do tapete, e somente aquilo que agrada a mente dos mais incautos acaba sendo visto como virtude ou perícia. De vez em quando, até mesmo agências internacionais e renomadas de verificação de fatos erram e de forma grosseira.

Contudo, por mais incrível que pareça, isso é o de menos, uma vez que as pessoas passaram a agir como se fossem juízes. E, digo mais, atuando como se fossem deuses em meros receptáculos feitos de carne e um punhado de ossos. Quando você pergunta a essas pessoas, se elas denunciaram um determinado caso as autoridades competentes, geralmente elas dizem que não fizeram absolutamente nada, exceto compartilhar publicamente, para qualquer pessoa ler, no Facebook, por exemplo.

O celular virou uma arma de fogo capaz de matar sem disparar um único tiro.

A Morte Sem um Único Disparo

Algumas pessoas, ironicamente, relatam medo (algo que ignoram atrás da tela de um computador ou celular), outras acreditam que denunciar não surtiria efeito, e têm aquelas que pensam que as autoridades podem até ser coniventes com determinada situação.

Embora em alguns casos isso até possa ser verdadeiro e, portanto, o compartilhamento passe a ser compreensível (o que não significa que seja necessariamente correto), em outros as pessoas, mesmo sem consciência disso, arbitram uma sentença de morte para aqueles que elas consideram como “impuros”.

O celular virou uma arma de fogo capaz de matar sem disparar um único tiro.

Fabiane Maria de Jesus, 2014

Fabiane andava tranquilamente na rua, com uma bíblia na mão, no dia 3 de maio de 2014. Ela era uma dona de casa, casada, mãe de dois filhos. Tinha apenas 33 anos. Sem entender o porquê, ela começou a ser agredida, amarrada, arrastada e violentamente espancada até a morte num bairro da cidade de Guarujá/SP. Deixaram o corpo dela num mangue e a Polícia Militar, por acreditar que ela já estava morta, chegou a isolar o local. Fabiane ainda estava viva, agonizando e provavelmente pensando o porquê de ter sido espancada. Posteriormente socorrida, veio a óbito dois dias após o linchamento.

Essa mãe não sabia que estava circulando um boato sobre uma suposta mulher, que estaria sequestrando crianças e praticando magia negra no bairro onde ela morava. Uma página no Facebook, que costumava postar boatos da região, divulgou um retrato falado dessa suposta mulher e disse que, sendo ou não um boato, as pessoas deveriam ficar alertas. A publicação teve mais de 50 mil compartilhamentos.

Na ânsia de fazer justiça com as próprias mãos, populares confundiram o rosto que viram nas redes sociais com o de Fabiane. O restante vocês podem imaginar. O que vocês não podem imaginar é que, segundo relatos (lembrando que relatos são evidências anedóticas), mulheres grávidas e até mesmo crianças teriam participado da horda de linchamento. Sim, crianças teriam espancado uma mãe, inocente.

O porteiro Jaílson das Neves, marido de Fabiane Maria de Jesus, e as filhas do casal. Confundida com um retrato falado de 2012, feito no Rio de Janeiro, a dona de casa foi massacrada em praça pública por dezenas de pessoas.

O Retrato Falado Era Antigo e se Referia a um Outro Caso Ocorrido em Outro Estado

De acordo com o inquérito, o retrato falado atribuído a Fabiane havia sido feito por policiais do Rio de Janeiro, da 21ª DP (Bonsucesso), em agosto de 2012. Na ocasião, uma mulher foi acusada de tentar roubar um bebê do colo da mãe numa rua de Ramos, na Zona Norte da cidade. Resumindo? A denúncia sobre uma sequestradora era falsa e o retrato falado sequer tinha sido feito no Guarujá. Para piorar a situação, três anos após a morte de Fabiane, somente cinco pessoas foram identificadas e condenadas.

Se você compartilhou isso naquela época, você colaborou para a morte de Fabiane. O que você diria para o marido e os dois filhos dela?

A Epidemia de Linchamentos na Índia, 2018

Em meados de 2018, boatos espalhados pelo aplicativo WhatsApp sobre traficantes de crianças deflagraram uma onda de linchamentos na Índia. Para vocês terem uma ideia, uma moradora de rua, inocente, chegou a ser agredida e morta por cerca de 100 pessoas. Infelizmente, ela não estava sozinha na triste estatística gerada pela disseminação de notícias falsas. Oficialmente foram 18 mortes – pessoas que morreram devido a boatos. Contudo, esse número pode ter sido bem maior se considerarmos a quantidade de casos divulgados pela imprensa local.

A polícia indiana chegou a pedir que a população ignorasse tais mensagens e, posteriormente, o próprio WhatsApp anunciou que iria limitar o número de vezes que as mensagens podiam ser compartilhadas através do aplicativo, especialmente na Índia.

Não se deixem levar pelas mensagens falsas ou pelos boatos nas redes sociais, e não ataquem ninguém com base em suspeitas“, pediu a polícia estadual de Gujarat em um comunicado.

A polícia indiana chegou a pedir que a população ignorasse tais mensagens.

Não é Algo Novo

O “fenômeno” dos boatos não é algo novo na Índia, mas acelerou e se disseminou com a democratização da Internet e com o uso em massa de aplicativos de troca de mensagens instantâneas, assim como o WhatsApp.

Esse problema, no entanto, sempre foi tido como complexo para ser resolvido da noite para o dia. Isso porque a maioria das pessoas não confia na Justiça, e nem mesmo nas autoridades policiais. Muitas vezes com razão, é claro. Então, é até “compreensível” que elas tentem resolver e impedir por elas mesmas que um determinado crime aconteça ou que continue acontecendo. As redes sociais e os aplicativos de troca instantânea de mensagens apenas amplificaram o poder que os boatos sempre tiveram.

Ana Lúcia Cardoso da Silva, 2019

Em julho deste ano, uma mulher chamada Ana Lúcia Cardoso da Silva, 47 anos, dona de casa e mãe de dois filhos, morreu após receber um boato de que poderia haver um massacre na escola onde um dos filhos estudava, no Litoral Sul do Espírito Santo. Ela passou mal e teve um infarto. Ana Lúcia tinha problema de hipertensão, obesidade e diabetes.

Segundo a estudante do curso de técnica de enfermagem, Fernanda Aparecida Casale, que era sobrinha de Ana Lúcia, a comunidade local começou a receber informações do boato, que logo se espalhou entre as mães de alunos da Escola Estadual Coronel Gomes de Oliveira. Na imagem compartilhada, um dos trechos informava que haveria um atentado na escola. O objetivo seria destruir o prédio, mas que se alunos comparecessem, “iria ter sangue”.

Ana Lúcia tinha problema de hipertensão, obesidade e diabetes.

Entre em contato com o E-farsas

(11) 96075-5663 - t.me/efarsas

Ela estava bem, fazendo caminhadas todos os dias de manhã. Ela estava no posto e uma mãe comentou sobre a notícia do ataque que foi se espalhando. Uma vizinha começou a passar mal, ela chegou e tudo aconteceu. Parecia bem, mas do nada caiu e logo veio a óbito“, contou Fernanda Casale.

Houve Alguma Coisa?

Não houve nenhum atentado ou massacre. Não houve comoção ou manifestação popular por essa mãe. Ninguém, diga-se de passagem, foi punido.

Se você inventou ou compartilhou isso naquela época, você colaborou direta ou indiretamente para a morte de Ana Lúcia. O que você diria para os seus familiares? Daria apenas um tapinha nas costas e um pedido de desculpas?

Bangladesh, 2019

Também em julho deste ano, oito pessoas foram linchadas até a morte em Bangladesh em razão de boatos. Segundo as informações que se espalharam pelo Facebook, as vítimas estariam sequestrando crianças para realizar sacrifícios humanos como oferenda para a construção de uma ponte.

Javed Patwary, chefe da Polícia Nacional de Bangladesh, prometeu que os crimes seriam investigados.

Delegacias em todo o país foram ordenadas a agir contra as informações falsas. Pelo menos 25 contas do YouTube, 60 páginas do Facebook e 10 sites foram fechados.

Ainda segundo o AFP, os linchamentos são frequentes em Bangladesh, mas essa onda foi particularmente brutal. Entre as vítimas, havia uma mãe solteira de dois filhos, Taslima Begum, que foi espancada até a morte em frente a uma escola de Daca por um grupo que suspeitava que ela fosse uma sequestradora de crianças. Em outro caso, um homem surdo foi linchado nos arredores da capital no mesmo dia que visitava sua filha.

Quando o Dano Gerado por um Boato Pode ser Pior que a Morte

Imagine que você esteja andando na rua, alguém tire uma foto sua e, de maneira displicente, simplesmente compartilhe num grupo o(a) acusando de ser uma sequestradora, um estuprador, ladra ou até mesmo de ser aquela pessoa que você viu num vídeo qualquer espancando uma criança ou um cachorro que, ironicamente, você ajudou a compartilhar. Imaginou?

Você nem sabe que isso aconteceu, mas, de repente, você começa a receber inúmeras mensagens ameaçadoras no seu perfil no Facebook, de pessoas que você nem mesmo conhece. Recebe ligações de pessoas querendo matar você. Então, você percebe que divulgaram seu endereço, telefone, e rapidamente surgem pessoas dispostas a cometer as mais diversas atrocidades, inclusive incendiar sua casa sem pensar que familiares igualmente inocentes possam estar dentro dela. Imaginou?

E, sabe o que acontece depois disso? Caso não te matem, você passa a viver com medo, passa a usar medicamentos de uso controlado, perde o prazer de viver, de sair de casa e se torna refém de pessoas que não fazem ideia de quem você realmente seja. Você até tenta mudar de cidade, mas, do nada, alguém olha estranho para você. E, aí, tudo se torna caótico novamente.

Boatos tornam pessoas refém daquelas que elas nem mesmo conhecem.

“Isso Jamais Aconteceria Comigo”

Contudo, isso não vai acontecer com você, vai? É uma pessoa correta, estudiosa, religiosa, sempre faz e prega o bem, ajuda as pessoas mais humildes e sempre tem um sorriso e um abraço para oferecer a quem precisa. Isso “só deve acontecer com quem merece”, não é mesmo?

Então, nos responda as seguintes perguntas:

Sinceramente, precisaria viver numa realidade totalmente paralela para dizer que essas pessoas são apenas “baixas” ou meros “efeitos colaterais”.

Então, o Que Devemos Fazer ao Recebermos Aleatoriamente uma Foto ou Vídeo de Denúncia em Nossas Redes Sociais?

SE ESTIVEREM DIANTE DE UMA SITUAÇÃO CLARA, de que um crime esteja sendo cometido, as pessoas deveriam, primeiramente, enviar o material para as autoridades policiais. Quanto mais pessoas fizerem uma denúncia, maior a chance da polícia entender que algo de muito grave e alarmante está acontecendo. Você também pode entrar em contato com a delegacia do seu bairro ou região.

Agora, se por alguma razão você não confia na polícia, envie o material para um veículo de imprensa ou site/agência de verificação de fatos. Alguém irá se deparar com a sua denúncia e irá investigar o caso. Isso tudo pode demorar um pouco, mas o material será devidamente analisado e apurado para que o caso seja comprovado ou não.

Caso Ainda Assim Você se Sinta Incumbido numa Estranha Missão Divina…

Caso você perigosamente acredite na primeira pessoa que aparece na sua frente, e ignore tudo o que acabamos de dizer, deixe EXPLÍCITO e ABSOLUTAMENTE CLARO em seu compartilhamento que, caso alguém se depare com a pessoa que aparece na foto ou no vídeo, esse alguém deve CHAMAR A POLÍCIA.

Jamais incentive, colabore, sugira ou então deixe em aberto para que terceiros ajam por conta própria. Isso coloca vidas em risco de forma desnecessária e, inocentes, por imperícia, podem sair feridos caso uma abordagem seja mal-feita.

Por imperícia inocentes podem sair feridos caso uma abordagem seja mal-feita.

Caso Contrário…

SE NÃO ESTIVEREM DIANTE DE UMA SITUAÇÃO CLARA, de que um crime esteja sendo cometido, ou seja, se a foto ou vídeo não mostrar nenhum crime sendo explicitamente cometido, mas apenas uma ou mais pessoas SUSPEITAS de fazer algo, EVITE COMPARTILHAR nas suas redes sociais, ainda que você se sinta numa estranha missão divina.

Alguns Procedimentos Bem Simples

Siga alguns procedimentos que podem ajudá-lo(a) nesse sentido:

  • Sempre peça mais informações para a pessoa que disseminou o material. Normalmente, quem dissemina boatos não tem muito o que dizer e nem mesmo certeza sobre aquilo que está divulgando. Desconfie quando um caso não for bem detalhado. Peça por outros vídeos ou fotos ou até mesmo faça uma busca reversa por imagens nos mecanismos de busca (Google, Bing, Yandex etc..);
  • Veja se o que está sendo veiculado realmente faz sentido. Pare e olhe se material divulgado corrobora com a alegação ou se um determinado local realmente pertence ao seu bairro ou cidade;
  • Pergunte a amigos se eles já receberam a foto ou vídeo em questão sem compartilhá-lo. Ouça a opinião deles, e se eles sabem mais informações sobre o caso;
  • Veja se algum veículo de imprensa ou sites/agências de verificação de fatos já fizeram alguma matéria sobre a foto ou o vídeo. Caso não tenham feito, envie o material para ser analisado e devidamente apurado;
  • Faça uma denúncia, ainda que anônima, diretamente para as autoridades policiais e incentive outras pessoas a fazerem o mesmo;
  • Não incentive ou sugira que pessoas procurem ou abordem terceiros e, muito menos, façam uma suposta justiça com as próprias mãos.

E Como Fazer uma Denúncia?

Sempre que você tomar conhecimento de algum delito ou tiver suspeita de que um crime está prestes a acontecer, você pode realizar uma denúncia anônima ligando para o Disque Denúncia do seu Estado. Na maioria dos casos, o número da central de atendimento é 181, mas pode variar dependendo da região do Brasil em que você se encontre. Você pode consultá-lo nas Secretarias de Segurança Pública, de forma presencial ou pela internet.

A central do Disque Denuncia está preparada para receber ligações de qualquer parte do Estado, e sobre qualquer tipo de delito: tráfico de drogas, violência contra a mulher ou idoso, maus-tratos de menores, furtos, roubos, crimes ambientais, corrupção etc.. Quem denuncia não precisa se identificar, mas é importante saber que, quanto mais informação fornecer sobre o potencial delito e seus possíveis possíveis autores ou vítimas, mais fácil será o trabalho de inteligência das polícias Civil e Militar.

Sempre que você tomar conhecimento de algum delito ou tiver suspeita de que um crime está prestes a acontecer, você pode realizar uma denúncia anônima ligando para o Disque Denúncia do seu Estado.

Quando uma denúncia é feita através de 181 é gerado um protocolo, que será repassado para a Polícia Militar, Civil ou aos Bombeiros (dependendo do teor do relato), para posterior comprovação e investigação.

O número NÃO É INDICADO PARA SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA, já que, nesses casos, não há envio imediato de efetivo ou viatura. Para casos assim, você deve continuar recorrendo ao 190 (Polícia Militar), 193 (Bombeiros) ou 197 (Polícia Civil).

Crie Coragem

Portanto, se você é corajoso(a) para compartilhar, seja corajoso(a) para ligar e efetivamente cumprir seu papel como cidadão. Alternativamente, veja se as polícias do seu Estado possuem algum mecanismo de denúncia anônima pela internet. O processo costuma ser rápido e muito seguro.

Criar Boatos é Crime?

Em linhas gerais, grosso modo, mentir não é crime. Contudo, escrever mentiras sobre outras pessoas, por exemplo, sim.

Tudo o que você disser que se traduzir em um dano moral a alguém ou ainda aquilo que, porventura, gerar algum prejuízo a alguém e acabar resultando em vantagem para quem profere esse comentário pode implicar em uma situação que encontra enquadramento na esfera criminal“, disse Demétrius Gonzaga de Oliveira, delegado-titular do Núcleo de Combate aos Cibercrimes da Polícia Civil do Paraná, para uma reportagem publicada pelo Portal G1, em 2017.

O Que Diz o Código Penal Brasileiro?

No Código Penal brasileiro, essas implicações legais ligadas a boatos se enquadram nos chamados crimes de honra:

  • Calúnia: Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime. Pena: detenção de seis meses a dois anos e multa.
  • Difamação: Difamar alguém, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação. Pena: detenção de três meses a um ano e multa.
  • Injúria: Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro. Pena: detenção de um a seis meses e multa.

Se eu disser que João é um ladrão e ele não é, estou cometendo o crime de calúnia. Se eu disser que João é um vagabundo e não faz nada da vida, estou difamando. Quando digo que João é um médico ruim, um profissional incompetente, é injúria“, alegou Pablo Cerdeira, professor da FGV Direito Rio, para essa mesma reportagem.

Os três crimes têm penas semelhantes, mas Cerdeira destacou que toda detenção menor que 4 anos é convertida em cesta básica e outros serviços.

Tudo gera consequências, se não na esfera criminal, muitas vezes na esfera cível. Tem situações que você não encontra respaldo como crime, mas, pelo fato de ter usado indevidamente o nome ou a imagem de outra pessoa, acaba encontrando repercussão na esfera cível. Gera uma indenização que pode chegar a R$ 35 mil“, disse Demétrius Gonzaga de Oliveira.

Ah, Mas e os Retratos Falados? E as Imagens de Câmeras de Segurança? E os Programas de TV que Divulgam Essas Coisas?

Quando uma foto ou vídeo é veiculado na TV, em princípio, isso foi previamente apurado. Erros acontecem, mas, geralmente, há algum nível de confiabilidade. Existe um jornalista responsável por investigar aquela foto ou vídeo. Testemunhas são ouvidas e, geralmente, têm seus depoimentos oficializados numa delegacia de polícia.

Existe todo um procedimento investigativo que busca fazer a denúncia e, ao mesmo tempo, preservar vidas. Pessoas serão responsabilizadas se a denúncia for feita de maneira incorreta e se inocentes foram indevidamente expostos. Aliás, a própria TV geralmente abre espaço para que uma pessoa se defenda das acusações que lhe são imputadas.

O objetivo de expor um caso num programa policial, por exemplo, é efetivamente deter ou prender alguém para auxiliar na investigação de um caso, não para matar o indivíduo.

Podemos Dizer o Mesmo das Redes Sociais?

Agora, tudo isso acontece, pelo menos de forma mínima, nas redes sociais? É óbvio que não. O objetivo de expor um caso num programa policial, por exemplo, é efetivamente deter ou prender alguém para auxiliar na investigação de um caso, não matar o indivíduo. E, muito menos, fazer justiça com as próprias mãos.

Quando um caso é compartilhado de forma desenfreada nas redes sociais, infelizmente a maioria dos comentários não são de pessoas querendo que um indivíduo seja preso, mas que ele seja morto. Não há aviso, recomendação ou qualquer tipo de apuração PROFISSIONAL do material divulgado. Na absoluta maioria das vezes, sequer há o aval das polícias Militar ou Civil, para que um determinado material seja divulgado. Isso porque uma divulgação em excesso PODE ATRAPALHAR AS INVESTIGAÇÕES e FACILITAR A FUGA de EVENTUAIS CRIMINOSOS.

Portanto, uma coisa é divulgar material liberado pelas polícias Civil e Militar, assim como retratos falados, imagens de câmeras de segurança ou então material devidamente apurado pela imprensa/sites/agências de verificação de fatos. Outra completamente diferente é compartilhar algo sem nenhum tipo de apuração, ou melhor, “apurado somente ao bel-prazer dos justiceiros das redes sociais”.

Para Concluir

Não estamos querendo demonizar o ato de compartilhar fotos e vídeos. Isso porque há todo um lado benéfico, quando o compartilhamento tem o expresso intuito de encontrar um ente querido desaparecido, um animal de estimação ou até mesmo um bem de valor pessoal inestimável. Compartilhamentos também ajudam a salvar vidas, quando o estoque de sangue de um banco ou hospital está baixo, quando uma entidade beneficente precisa de doações ou quando alguém precisa da ajuda coletiva para conseguir realizar uma operação ou tratamento (isso quando não há nenhuma espécie de golpe envolvido).

Esse artigo tem como objetivo primordial mostrar que compartilhamentos de denúncias aleatórias, sem qualquer análise, apuração e comprovação, podem matar pessoas inocentes ou então impactar radicalmente e negativamente, suas vidas. Será que alguém realmente considera que os casos que apontamos são apenas pontuais? São tão somente sacrifícios necessários para livrar a Terra dos “impuros”? Esse é realmente o preço que muitos estão dispostos a pagar? Vidas em troca de outras vidas? Se ainda assim você acreditar nisso, não perca seu tempo em nos responder. Ligue ou mande um email para os familiares das vítimas dos boatos que listamos ao longo do artigo. Explique para seus filhos, porque suas mães tiveram que morrer.

A Palavra é Cautela

É necessário ter paciência e aguardar a apuração de uma foto ou vídeo relacionado a uma determinada denúncia. Não dá mais para sair compartilhando enlouquecidamente para que linchamentos covardes ocorram, e que reputações sejam assassinadas. Tenham sempre muita cautela ao utilizar suas redes sociais para disseminar tais conteúdos. Entendemos que muitas pessoas assim o fazem com a intenção legítima de querer alertar outras pessoas, mas vamos cobrar e deixar essa tarefa para quem, de fato, tem experiência e competência para assim fazê-lo. Da nossa parte, jamais esconderemos ou encobriremos absolutamente nada. Não temos prazer em apontar o dedo para aqueles que mentem, apenas decepção.

Portanto, não pense duas vezes antes compartilhar algo desse tipo. Pense mil. O mundo está mudando e a forma de matar também. Antes era a lâmina de uma faca, uma corda ou o cano de uma arma de fogo. Hoje em dia pode ser a seta de um mouse ou um toque na tela de um celular. E não importa se dedo é da mão direita ou esquerda, nada é mais democrático do que a morte.

Continue lendo
12 Comentários

12 Comments

  1. Daniel

    26 de setembro de 2019 em 16:15

    Excelente!
    Já não se pode mais pensar essas fake news como algo inofensivo.
    Vidas já se perderam e ainda podem se perder, sem falar no assassinato de reputações.

    • Marco Faustino

      27 de setembro de 2019 em 7:48

      Olá, Daniel! Ficamos felizes por acompanhar o nosso trabalho! Vamos em frente! 😀

  2. Troy Mcclure

    26 de setembro de 2019 em 16:48

    Ótimo texto, muito bem aprofundado sobre o assunto.

  3. Maria

    26 de setembro de 2019 em 16:52

    @Marco Faustino , EXCELENTE e BRILHANTE matéria! 🙂 Como vários já disseram aqui, você é uma ADIÇÃO VALIOSÍSSIMA para o E-Farsas e quando você escreve suas matérias é como um LUZ/FAROL para nos fazer refletir e/ou nos orientar nesse MAR DE IGNORÂNCIA E ESCURIDÃO que impera na Internet e Redes Sociais. PARABÉNS! 🙂

    • Marco Faustino

      27 de setembro de 2019 em 7:47

      Olá, Maria! Agradeço, como sempre, pelas palavras de carinho e incentivo! 😀

  4. Lucho

    27 de setembro de 2019 em 10:56

    Sobre esse negócio de compartilhar para denunciar eu sempre me lembro do débil mental que encontrou uma página na Internet com conteúdo pedófilo e, ao invés de denunciar diretamente a quem é de direito, ficou compartilhando para as celebridades do Twitter (sic, sic, sic e muito mais sic).

    Resultado: O próprio débil mental acabou tendo a sua conta denunciada por propagar conteúdo com pedofilia.

  5. Clell

    27 de setembro de 2019 em 11:37

    adorei o artigo e tem meu respeito, por isso ajuda muito, ah uma dica: coloca o resumo com texto curto para pessoas que não lê tudo ou seja mlnl: muito longo não leio é uma sigla para avisar que o texto curto e resumido.

    enfim espero que ajude e parar com idiotas que ficam compartilhando sendo impudentes, o texto é de alta qualidade, o texto é muito bem elaborada!

    • Maria

      27 de setembro de 2019 em 15:35

      @Clell , ele faz isso, basta ler a CONCLUSÃO, só tem um ”probleminha”: você pode perder alguns detalhes relevantes e interessantes e tem coisas que realmente não dá para resumir. Além do mais, sempre aparece alguém aqui reclamando que o E-Farsas se ”esqueceu” de ou que poderia ter mencionado também uma determinada coisa. Logo, é melhor pecar por excesso do que por falta e deixar o pessoal com mais dúvidas ainda. 😉

      • Clell

        27 de setembro de 2019 em 18:07

        entendo valeu pela explicação, tá certa!

  6. Andréa

    30 de setembro de 2019 em 13:53

    Excelente matéria Marco Faustino!!! Até compartilhei com alguns dos meus contatos, principalmente com aqueles que mais me enviam fake news, mesmo sabendo que não vão dar a menor importância, pois eles já estão viciados nisso, é como uma doença, são psicopatas os que criam e são sádicos os que compartilham, por mais que eu combata, enviando fontes e sites confiáveis como o e-farsas, eles preferem os boatos, chegam a dizer que elas é que são mentirosas, já dei exemplos como o caso da Fabiane Maria de Jesus, falo que chequem antes de postar, que denunciem se preciso for, mas nada disso adianta, como já disse, estão viciados. Estou sempre fazendo a minha parte, que é de combater as fakes news, esperando que algum dia, alguém preste atenção, abraços cordiais!

    • Marco Faustino

      1 de outubro de 2019 em 7:53

      Ficamos felizes que tenha gostado, Andréa! Exatamente, sempre faça a sua parte. É justamente assim que penso, quando me dou ao trabalho de elaborar um texto maior, mais completo e para ser lido com um pouco mais de calma. Se eu conseguir fazer com que uma única pessoa leia, entenda e passe a agir de outra maneira, mas mantendo seu dever como cidadão, então a publicação terá atingido seu objetivo. Essa única pessoa pode se tornar um agente transformador, incentive outras pessoas, e assim por diante 🙂

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Populares

Ajude a Manter o E-farsas!

Categorias

Parceiros

Voltando a Circular

Publicidade

Apoio técnico!

Topo