Conecte com a gente

E-farsas – Desvendando fake news desde 2002!

E-farsas – Desvendando fake news desde 2002!

Descoberta arqueológica desafia a teoria da evolução! Será?

Animais

Descoberta arqueológica desafia a teoria da evolução! Será?

Notícia afirma que um cientista teria descoberto tecidos moles em fósseis de dinossauro, provando que a Terra seria  bem mais nova do que se pensava! Será verdade?

Na primeira quinzena de agosto de 2014, o anúncio de uma descoberta arqueológica colocaria em risco tudo o que se afirmava até então com relação à Teoria da Evolução. De acordo com um texto que se espalhou em diversos sites e blogs, o cientista cristão Mark Armitage foi demitido da Universidade Estadual da Califórnia (EUA) por questionar a idade dos dinossauros!

Durante uma escavação no Estado de Montana, Armitage teria encontrado um chifre de Tricerátopo e, ao analisar o fóssil com um microscópio, teria encontrado tecidos moles na amostra.

Com essa descoberta, o cientista – que é criacionista – concluiu que os dinossauros possuem  apenas milhares de anos e não 60 milhões de anos como os darwinistas acreditam.

Além disso, a notícia também relata outro achado igualmente polêmico e controverso no meio científico, o esqueleto de uma criança de 8.000 anos que pode ter partes do cérebro fossilizadas.

O estudo publicado por Mark Armitage comprovaria, então, que o planeta Terra tem poucos milhares de anos, conforme narrado na Bíblia e isso teria feito com que a Universidade o demitisse imediatamente!

Mais detalhes dessa notícia podem ser lidas no site Gospel Prime.

Será que essa descoberta é real? Será que isso é verdadeiro ou falso?

Presença de tecidos moles em fósseis coloca toda a teoria da evolução em cheque! Verdadeiro ou falso? (Foto: Reprodução / G. Reitan / Museu de História Cultural da Universidade de Oslo)

Presença de tecidos moles em fósseis coloca toda a teoria da evolução em cheque! Verdadeiro ou falso? (Foto: Reprodução / G. Reitan / Museu de História Cultural da Universidade de Oslo)

 

Verdadeiro ou falso?

A notícia é bastante interessante e, com certeza, atrai muitos leitores (que, aliás, é o que todo site deseja: muitas visitas). No entanto, precisamos separar aqui o que é real do que é pura suposição.

Conforme reportado por diversos jornais no mundo todo, Armitage briga na justiça por uma compensação por ter sido demitido, segundo ele, somente pelo fato de ser cristão. Só que essa é a versão dele. Se procurarmos ouvir o outro lado, veremos que a história não é bem essa.

Jeff Noblitt, porta-voz da Universidade, disse à rede FoxNews que a Universidade está investigando todas as alegações sobre a queixa, mas que Armitage trabalhou como “temporário” na instituição e que seu contrato como operador de microscópio simplesmente não foi renovado.

No blog Observation Deck podemos ler alguns pontos interessantes a respeito do processo movido pelo cientista e entender porque ele tem poucas chances de ganhar essa ação.

As pesquisas feitas por Mark Armitage foram publicadas em julho de 2013, mas suas crenças atrapalharam sua visão de cientista, que tinha que usar do método científico para validar suas hipóteses.

A partir de tecidos moles encontrados em um chifre fossilizado, Armitage teceu toda uma série de argumentos não comprováveis para afirmar que os dinossauros conviveram com os humanos na mesma época.

Entre em contato com o E-farsas

(11) 96075-5663 - t.me/efarsas

Além disso, Mark Armitage chegou a conclusão de que a Terra possui tal idade apenas para se ajustar ao seu pensamento, para coincidir com sua tese, pois não há nenhuma indicação precisa da idade da Terra na Bíblia.

Como bem observado na página Fatos Descontruídos (não confundir com a “Fatos Desconhecidos”):

“[…] o método científico consiste em analisar as evidências para depois chegar a uma conclusão. Fazer o caminho inverso (ter uma conclusão e tentar encaixar as evidências para corroborá-la) é uma atitude anticientífica. E foi exatamente isso o que o suposto cientista Mark Armitage fez. Ele tem uma conclusão baseada na fé (o planeta Terra possui apenas poucos milênios e não bilhares de anos) e usou as evidências (“tecido mole” encontrado em um chifre de Triceratops) para, desesperadamente, tentar ajustá-las à sua conclusão.”

A idade “bíblica” da Terra

Um dos documentos mais conhecidos a respeito da datação do nascimento da Terra tendo como base trechos da Bíblia foi publicado em 1650 pelo Arcebispo James Ussher.

Segundo Ussher, a Bíblia afirma que nosso planeta teria aproximadamente 6.000 anos desde a sua criação, de acordo com as seguintes passagens:

  • Da criação do planeta até o dilúvio (com Noé) – 1656 anos
  • Do dilúvio até o nascimento de Abraão – 292 anos
  • De Abraão até a fuga do Egito – 503 anos
  • Do êxodo até a construção do templo – 481 anos
  • Do templo até o cativeiro – 414 anos
  • Do cativeiro até ao nascimento de Cristo – 614 anos
  • Do nascimento de Cristo até os tempos do Arcebispo Ussher – 1650 anos

Até aí, o Arcebispo calculou que Terra tinha 5610 anos. Até 2014, mais 364 anos, calcula-se que (de acordo com as dicas escritas na Bíblia) a Terra possua apenas 5974 anos.

Portanto, essa constatação já cairia em contradição com outros dados publicados na mesma notícia espalhada por aí. Segundo o que foi noticiado, “pouco tempo antes” dessa descoberta, outro grupo de cientistas teriam encontrado um crânio fossilizado de 8.000 anos de uma criança.

Se a Terra tem apenas 6.000 anos como Armitage afirma (na verdade, ele afirma que nosso planeta é bem mais jovem que isso!), como podem ter encontrado fósseis de 8.000 anos?

Outros casos

Essa não foi a primeira vez que tecidos desse tipo foram encontrados em fósseis de milhões de anos. Em 2005, restos de pele e cartilagem foram encontrados preservados sobre ossos de um tiranossauro de 68 milhões de anos de idade, mas pesquisadores deram uma explicação física para isso: a presença de ferro dentro do corpo do animal teria preservado o tecido da fossilização. A pesquisa é de 2007, segundo informou a rede CBSNews.

O rei do dinossauros viveu há mais de 65 milhões de anos na Terra! (foto; Reprodução/Alexander Kellner)

O rei do dinossauros viveu há mais de 68 milhões de anos na Terra! (foto: Reprodução/Alexander Kellner)

 

A idade (comprovada) da Terra

De acordo com o Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo, a idade da Terra foi calculada pelo método absoluto e, através de inúmeros estudos e testes, os cientistas concluíram que nosso planeta exista há 4,56 bilhões de anos. A Geocronologia, ciência que estuda o tempo através da idade das rochas, explica também que meteoritos que caíram aqui na Terra em diferentes períodos possuem quase a mesma idade, provando que nosso sistema solar parece ter nascido na mesma época.

Conclusão

Mark Amirtage descobriu, de fato, um chifre fossilizado que apresentava pedaços de tecido mole, mas isso já foi encontrado por outros cientistas em outras amostras de fósseis e a explicação para isso é a presença de ferro no fóssil, que ajudou a preservar a cartilagem do animal.

Há inúmeros outros estudos sérios comprovando que a Terra possui mais de 4 bilhões de anos e que a evolução existiu (e continua existindo).

O cientista está processando a Universidade onde trabalhava, alegando que foi demitido por causa da sua religião, no entanto, a instituição alega que seu trabalho era temporário e que não houve renovação de contrato.

Continue lendo
78 Comentários

78 Comments

  1. Watashinomori

    27 de agosto de 2014 em 1:06

    Só corrigindo rapidinho. Isso não é arqueologia, que trata principalmente de coisas relacionadas ao homem e suas sociedades, mas sim paleontologia que trata dessas questões mais… hm… digamos, mais velhas. Sabe dinossauros e coisas que têm estado mortas a tempo suficiente para fossilizar.. o que é até problemático para questão trazida, já que o tempo mínimo aproximado para fossilização é de 10 mil anos, em condições propícias… logo se o criacionismo estivesse correto o senhor estagiário vacilão não teria um fóssil para conduzir esse estudo.
    Vários fósseis, principalmente em posse de colecionadores, possuem tecidos moles preservados (eu sabia o local onde esses tipos de fósseis eram achados facilmente, mas agora o nome me escapou, era uma região pantanosa e são achados principalmente fósseis de mamíferos). Entretanto por serem particulares são raros aqueles que chegam a serem estudados. Eu lembro de um de um “macaco” que era transitório entre os lêmures e os macacos (sério hoje tá terrível pra lembrar de terminologias básicas), um elo de ligação que evidencia a evolução, que era tão bem preservado o fóssil que o cientista brincou dizendo que podia dizer o que ela tinha comido pelo conteúdo estomacal. Esse fóssil em particular foi comprado do colecionador por uma universidade para se estudar a evolução dessas espécies. Tem um documentário que eu vi no Discovery sobre isso.

    • Lucas Claudino

      5 de dezembro de 2015 em 17:11

      Amigo, fóssil não demora nada para ser feito, porque você não faz seu próprio teste em casa? Compra um peixe qualquer no açougue, e o enterre, deixe o enterrado durante uma semana até um mês. Se o peixe realmente demoraria anos para se fossilizar, então depois de um tempo, desenterre-o e faz um peixe cozido (Se sobrar algo do peixe). Vocês Darwinistas são tão mentes fechadas que acreditam no que lhe obrigam a acreditar.

      • Sérgio Murilo

        25 de junho de 2016 em 11:21

        Amigo, há diferença entre restos mortais e fósseis, esses restos do peixe não são fósseis, um osso fossilizado não é mais nem considerado osso ele praticamente vira uma pedra o cálcio dos ossos é substituído durante a fossilização, aprenda e pesquise antes de falar coisas que você não tem conhecimento.

      • raphael

        30 de junho de 2016 em 10:52

        Nossa cara, que delirio forte esse confundir decomposição com fossilização…estude antes, pra depois falar…negar ciencia dessa forma paranoica ai só te torna um hipocrita, pq, vc esta questionando justamente num computador, que funciona olhe só, atraves da ciencia !!!! nao foi feito com barro nao, ok?

        • Pensador

          10 de julho de 2017 em 9:08

          Realmente, essa sua ultima frase esta correta. O “computador” foi criado por alguém inteligente. Ele não veio a existir por obra do acaso.

      • Antonio Carlos de Carvalho

        25 de janeiro de 2017 em 14:17

        Apanhou de todos, hein, bobão?

        • Jaldomir

          2 de agosto de 2017 em 8:10

          “Bobão”? Eu nunca diria isso desse tal Lucas Claudino. Ele é “bobão”, é um retardado mesmo.

  2. Richard Newton

    27 de agosto de 2014 em 1:55

    Então o que temos aí : Um fanático religioso que tenta ao máximo defender a sua tese em prol da Bíblia, porém, se contradiz com a própria Bíblia afirmando que o planeta existe a um tempo, sendo que ela (ou o arcebispo) dizem que tem menos tempo do que ele especula. Ou seja, ele não sabe o que fala. Sou Físico Teórico, formado na Universidade de São Paulo (USP) em 2005, e com meus quase 9 anos de carreira posso afirmar que a idade da Terra é entre 4,50 e 4,60 bilhões de anos, não é o que nós cientistas achamos, nós dedicamos nossa vida toda a isso. Inclusive, fiz Pós em Astronomia para ter mais certeza do que acredito ser verdade, já que praticamente toda a Ciência tem como base absoluta a Astronomia.

    • Luis Fernado

      29 de agosto de 2014 em 23:12

      Realmente em uma aula de Introdução à Astrofísica dá-se para ter uma ideia de que a Terra não possui apenas milhares de anos, é querer forçar demais, e além do mais, a Bíblia só é suficiente para e afirmar a idade da humanidade (para quem crer nela é claro), sobre a idade da Terra, nada é mencionado, e não há como ter nenhuma base.

    • Marcos

      31 de outubro de 2014 em 22:29

      E daí se tu é astrofisico da USP? Tem quimhew milhões de astrofísicos formados nos EUA e Europa que conseguem provar, através de cálculos, que a Terra não tem bilhões de anos, e sim milhares de anos

      Já vc só fala e prova a tua teoria……. usando a ignorância. há hahahah tipico de darwinista e seu mundo fantasioso de repteis alados e homens vindo de matéria inanimada.

      Estou esperando tu provar teu argumento para eu contra argumentar com argumentos de astrofisicos criacionistas do MIT.

      rsrsrs

      • Silvio

        2 de novembro de 2014 em 15:39

        Entâo prova o que vc diz, quais são esses cientistas? Quais são esses estudos? Onde e quando forma publicados esses estudos?

      • Sérgio Murilo

        25 de junho de 2016 em 11:25

        Achava que “homens vindo de matéria inanimada” era da bíblia não do darwinismo.

      • raphael

        30 de junho de 2016 em 11:00

        O ”’darwinismo”’ que vem de um mundo fantasioso, né? é, verdade, é a ciência que tem um livro antigo escrito por meia duzia de homens que dizem ter tido revelação divina de uma verdade inquestionável (pq eles disseram que é inquestionável) sobre Deuses, anjos, demônios, seres que controlam cada minuto de nossa vida, que viemos do barro, etc etc etc…realmente, parece uma versão muito plausível da realidade hein HAHAHAHA

        • Claudia

          24 de dezembro de 2016 em 13:55

          Barro, pó…sim quando morremos voltamos ao pó….até a ciência comprova isso…e nós também, basta observar uma laranja, por exemplo, ela primeiro apodrece, depois vira pó simplesmente incrível como a Palavra de Deus. Volta ao pó, assim como um dia veio do pó pelas mãos do Pai Criador.

        • eu

          11 de maio de 2018 em 4:09

          barro nao, pó. porque aquilo que vemos nao é feito do que vemos. somos feitos de atomos.

    • moacyr

      31 de agosto de 2016 em 11:56

      ok me fala uma forma cientifica experimental que VOCÊ fez para chegar a essa conclusão? tanto da idade da terra, tanto da “TEORIA” da evolução. você sabe o que é uma TEORIA né.

      • moacyr

        31 de agosto de 2016 em 12:01

        para quem não sabe “TEORIA” conhecimento especulativo, metódico e organizado de caráter hipotético e sintético.

        • REu™voltado

          31 de agosto de 2016 em 13:33

          Os membros do público geral (junto com as pessoas que brandem machados ideológicos) ouvem a palavra “teoria” e a equalizam com “ideia” ou “suposição”. Teorias científicas são sistemas completos de ideias que podem ser testadas e que são potencialmente refutáveis, seja por evidências ou por um experimento que alguém poderia fazer. As melhores teorias (entre as quais eu incluo a da Relatividade Especial, a da Mecânica Quântica e a da Evolução) resistiram a cem anos — ou mais — de desafios, tanto de pessoas que queriam se provar mais espertas do que Einstein como daqueles que não gostam de desafios metafísicos porque eles não se encaixam em suas visões de mundo. Por fim, teorias são maleáveis, mas não infinitamente. Teorias podem ser incompletas ou terem detalhes errados sem que todo o conceito caia por terra. A Teoria da Evolução foi sendo adaptada ao longo dos anos, mas não a ponto de ficar irreconhecível. O problema com a frase “é só uma teoria” é que ela implica que uma teoria científica real é algo pequeno — e não é.

        • REu™voltado

          31 de agosto de 2016 em 13:35

          CIENTIFICAMENTE, ao contrário do “popular ACHISMO”, a definição de TEORIA se encaixa nos itens em itálicos. Os riscados NÃO SE APLICAM para teorias científicas. Afinal a GRAVIDADE é “só” uma TEORIA, e ainda assim você não vê ninguém flutuando por aí, vê?

          Significado de Teoria
          s.f.
          Conhecimento não prático, ideal, independente das aplicações.
          O que se desenvolve por suposição; de teor hipotético; conjuntura: tenho uma teoria, mas ainda não consegui comprová-la.

          Conjunto de regras, de leis sistematicamente organizadas, que servem de base a uma ciência; essas regras.
          Conjunto sistematizado de opiniões, de ideias sobre um assunto.
          Julgamento ou opinião que se pauta nessas opiniões.
          Conhecimento geral, não específico; generalidade.
          [Popular] Coisa irrealizável; utopia ou ilusão.
          [Astronomia] Agrupamento dos elementos utilizados para medir ou calcular os movimentos de um astro, ou planeta.
          (Etm. do latim: teoria.ae; pelo grego: theoría.as)

          • eu

            11 de maio de 2018 em 4:17

            gravidade não é teoria. pega um objeto na mão, diz pra ele não cair, e depois solta… resultado: o objeto obedeceu a lei da gravidade, e não a você.

        • eu

          11 de maio de 2018 em 4:13

          especulativo, ou seja trabalha com achismo. leis, trabalham com certeza, verdade.

      • Eu™vanjegue

        31 de agosto de 2016 em 12:29

        >você sabe o que é uma TEORIA né.

        Claramente VOCÊ não faz ideia do que seja.

      • REu™voltado

        31 de agosto de 2016 em 13:46

        http://www.nas.edu/evolution/Research.html

        Basta repetir os experimentos e refutar os papers. Se conseguir, parabéns, você provou que a Teoria da Evolução não existe e seu nome entrará para a história.

        Do contrário, CHOLA MAIS!

  3. M. Feliciano.

    27 de agosto de 2014 em 9:02

    Quanto à datação bíblica de cerca de 6.000 anos refere-se à datação da criação do homem ‘Adão’ e não do Planeta Terra. A ciência com toda tecnologia atual data a criação da Terra (planeta) em bilhões de anos, o que tem sentido lógico.

  4. Diego engenheiro mec

    27 de agosto de 2014 em 9:48

    Engraçado, tentei acompanhar a evolução do saudosíssimo macaco Tião (que esteja em bom lugar, rsrsrs)mas infelizmente nos deixou com mais de cinquentão…assim outros que também nos deixaram! Não deixando de lembrar também, do cachorro da minha tia, pixote, que abandonou o mundo dos seres “evolutivos” com uns “duzentos anos”, mas sua evolução foi esquisita, ficou a cara de uma ameba paralítica(sem pelo,sem dente, cego,surdo, mudo…)grande evolução!Vamos falar sério, se existe alguns que não crêem no criacionismo, existem outros que não acreditam em métodos que são pura invencionice científica (não generalizando) completamente infundadas . Datação radiométrica, carbono 14, faça me o favor…minha maior preocupação, não são datas ou épocas, e sim reconhecer que nós seres humanos somos os únicos que ainda podemos evoluir para uma mente mais aberta, para termos o fim que desejar-mos em Deus…

    • Professor

      27 de agosto de 2014 em 13:37

      Nota zero pra você!!!

      Como assim quer estudar engenharia e vem me falar em “invencionice científica”???

    • Lucho

      27 de agosto de 2014 em 18:35

      Dieguinho, diga-nos qual foi a uniesquina da qual você comprou o seu diploma de engenheiro mecânico? Assim a gente se assegura do desprazer de não ter que passar por perto dela.

    • João Carlos Machado

      28 de agosto de 2014 em 0:21

      Tá bom, “jênio”; explica o fato de que as pessoas estão nascendo sem os dentes de siso em proporções cada vez maiores…

      Antes que o “jênio” pergunte; os dentes de siso são uma herança da época em que nosso conjunto mandíbula-maxilar eram mais proeminentes, numa era anterior ao advento da agricultura e da preparação de alimentos…

      Isso serve, ou precisa de desenho???

  5. Anne

    27 de agosto de 2014 em 10:53

    Maldito sejam esses criacionistas, que acham que sabem tudo a respeito da vida, do mundo tendo como base um livro que ninguém tem provas concretas de qual buraco saiu…

  6. Bruno

    27 de agosto de 2014 em 19:13

    Um único fato científico pode ser interpretado de diversas formas, tudo depende dos pressupostos adotados. Muitos criticam os religiosos por serem dogmáticos e se fecharem na autoridade da bíblia, mas não se dão conta que defendem um pressuposto filosófico materialista igualmente dogmático e usam (abundantemente) da falácia de autoridade. Se o cara saí da conclusão para o fato é criticado, como ficam os que partem da pressuposição da inexistência metafísica para chegarem á conclusão que não existe metafísica? E o que dizer de quem apresenta ciência como sinônimo de ateísmo quando parte relevante da comunidade científica é religiosa? Ou o que dizer dos estudos igualmente sérios que contestam a terra de bilhões de anos? O pior ignorante é o que se gaba do seu desconhecimento.

    • Gustavo

      1 de setembro de 2014 em 22:00

      Prove que existe o sobrenatural. Prove que a datação da Terra está errada e que a evolução é um embuste. Não se esqueça de trazer o prêmio Nobel.

      • elton

        24 de setembro de 2014 em 11:47

        Só há um problema: alguns objetos estão sendo datados com a idade antes da existência humana. Será que há pseudocientas dentro da Ciência (instituição)?

  7. Durruti

    28 de agosto de 2014 em 9:27

    Claro que era uma farsa, mais uma, dos ditos criacionistas que não acertam uma de bico lololol. A ciência, por outro lado, vai lentamente explicando a todos nós o mundo em que vivemos, sem dogmas nem certezas; basta ver a evolução do pensamento cientifico ao longo dos séculos. Só para que conste, não há nenhum estudo cientificamente válido que apresente qualquer prova que o nosso planeta só tem alguns milhares de anos; a evidência clara e inaquivoca das provas não deixam duvidas…já á 600 milhões de anos havia seres uni-celulares e o planeta é muito anterior a isso.

    • Luis Fernado

      29 de agosto de 2014 em 23:06

      A idade da Terra que o E-farsa afirma ser a opinião de todos os criacionista e que se encontra na Bíblia é pura mentira, pegar os cálculos de algumas pessoas e dizer o que não está escrito é que é uma grande farsa, os cálculos feitos por estes religiosos calculam no máximo a idade da humanidade, se eles afirmam que calcularam a idade da Terra através da Bíblia, o erro é deles, pois a mesma não dá base para isso.

  8. Rock Holanda

    13 de setembro de 2014 em 16:03

    Acredito na Teoria da Evolução
    E não deixo de ser um simples Cristão
    Acredito até na “Inocência” dos Petralhas
    Mais não abro mão,
    de Amar e sofrer pelo meu
    CORINGÃO…
    Rockinho/2014

  9. Raven

    17 de setembro de 2014 em 8:26

    Publicado pelo site Gospel Prime. Gospel Prime. Podia ter parado o texto aí. Huashuahs

  10. igor

    23 de setembro de 2014 em 22:22

    É IMPOSSÍVEL A TERRA TER TANTO TEMPO ASSIM, ISSO É COISA DOS CIENTISTAS LOUCOS

  11. elton

    24 de setembro de 2014 em 11:52

    Correção: PSEUDOCIENTISTAS; é o que dá “teclar” de uma Smart TV! Mas da próxima escrevo “pseudociANTAS”.

    • Silvio

      2 de novembro de 2014 em 15:40

      é quem está certo são os pastores e padres

  12. Santos Cavalcante

    25 de maio de 2015 em 16:31

    A minha formação é em outras matérias, mas mesmo assim procuro estudar um pouco sobre biologia, historia e física e sinceramente desacredito completamente da “teoria da evolução de Darwim” e acho uma estupidez alguém dizer que acredita só porque alguns dizem que é ciência.

    Meus amigos, etmologicamente, ciência é conhecimento, e conhecimento ciêntifico é formado empiricamente. Um osso de dinossauro é um fato irrefutável, mas a sua datação é completamente discutivel.

    Eu acredito no fatos. E a teoria da evolução esta distante de ser um fato.

    • raphael

      30 de junho de 2016 em 11:08

      O senhor desconhece o que é ciencia, o que é metodo cientifico e como se dá os estudos e formulações, por isso desacredita, se estudar os metodos adotados para a criação dos conceitos e datações irá entender, e com isso ”’acreditar”” nos fatos cientificos ( nao se acredita em fatos, se aceita, mas para aceitar, precisa compreender, se não, ai sim, é mera crença) abraços.

    • Eu™

      30 de junho de 2016 em 11:20

      “Eu acredito”

      Você acredita, enquanto a ciência prova.

      Chola mais.

  13. Sylvio

    11 de junho de 2015 em 8:57

    A idade do planeta Terra nada tem a ver com a relação bíblica que trata da criação do homem e o por que a sua criação foi necessária. Ainda, em relação às plantas e animais, estes foram criados anteriormente à criação do homem. As escrituras não retratam temporalmente esse período anterior.

    Eu desafio quaisquer cientistas a derrubarem as leis universais no intuito de provarem que a criação surgiu simplesmente do nada e ao acaso.

    A evolução se dá em termos micro e não macro como muitos afirmam. É impossível uma ameba ter se tornado um dinossauro. Acreditar nisso é dar um tapa no DNA.

  14. Carlos

    9 de julho de 2015 em 13:12

    Eu concordo com o site em partes. Eu não acredito que a Terra exista há 6 mil anos. Apenas há um porém: cientista não é filósofo nem teólogo. Eu acho absurdo que cientistas usem suas credenciais científicas para dar palpite em assuntos teológicos e filosóficos. Conheço doutores (cientistas) que são grandes e bem sucedidos em suas respectivas áreas, mas não passam de filósofos medíocres que não enchergam um polegar além da matéria física. Quando fala-se de origens, isso não é um assunto científico, mas filosófico. Eu já analisei vários argumentos de evolucionistas, criacionistas e proponentes de design inteligente. Eu, com meu treinamento e educação filosófica, afirmo: a terra é sim muito mais antiga que o criacionismo da Terra jovem acredita. No entanto, eu analisei a bíblia por mim mesmo e afirmo: tudo que a bíblia diz é: “No princípio Deus criou o céu e a Terra.” A bíblia não diz quando nem quanto tempo durou esse processo. Mais a frente, a bíblia mostra que Deus criou a terra em um “dia” (referindo-se aos 6 dias anteriores como sendo apenas 1). Isso mostra que “6 dias”, na verdade podem muito bem ter sido 6 eras, visto que essas 6 eras compoem apenas 1 era: a era da criação. Sim, os dinossauros podem ter existido há milhões de anos e isso não contradiz EM NADA o relato bíblico. Como já disse: analisei os argumentos das três vertentes mais aceitas e declaro: hoje eu acho o Design Inteligente muito coerente e científico, e o criacionismo da terra jovem só não é mais absurdo que o evolucionismo. Eu sou muito cético, mas sou cético, investigativo para com tudo, incluindo o evolucionismo darwiniano, que para mim, é a maior anetoda científica da história. É um absurdo achar que todas as estruturas da vida (incluindo esse texto que estou escrevendo e minha mente) são resultados de um processo cego, onde a mutação aleatória sob a ação da seleção natural produziu tudo isso. Esse é um argumento auto destrutivo para a ciência, pois esta usa a mente que é produto do acaso, logo que confiança posso ter em minha mente se ela é fruto da não inteligência?

  15. João Jorge Peixoto Pinheiro

    22 de julho de 2015 em 13:57

    Gente, vamos ter bom senso. Estão dizendo que o fóssil tem 68 milhões de anos. Pois fiquem sabendo que osso nenhum resiste a mais de mil anos, quanto mais 68 milhões de anos.

    • Bruno

      1 de dezembro de 2015 em 20:58

      Quem te disse essa asneira? O osso fossilizado dura o tempo que for. Veja aa cidade de Pompéia que há mais de dois mil anos foi atingida por cinzas vulcânicas e os fósseis das pessoas estão intactos, veja os fósseis de peixes no alto das cordilheiras, pra VC que não sabe o que é uma cordilheira, é uma montanha formado pelo atrito das placas tectônicas, a formação de montanha leva milhões de anos pra ocorrer e isto é baseado nas observações das elevações que ocorrem quanto as placas se chocam. Pra saber mais recomendo que assista no YouTube ” a história da geologia” talvez consiga ver como a ciência tem metodologia e não fé como VC acha que é.

  16. Fabio

    24 de setembro de 2015 em 18:58

    Boa tarde….

    Sobre a reportagem “Descoberta arqueologica desafia a evolução”, algumas afirmações que não podem ser afirmadas:
    1- Que foi comprovado que a Terra tem 4bilhões de anos. pode se dizer que essa é a teoria mais provável, porém afirmar não tem como, pois a questão de envelheciemento pode ser mudado devido a várias circunstancias.
    2- falar que foi provado a evolução é mais complicado ainda, o que foi comprovado é evolução na mesma espécia, as demais sao apenas teorias;
    3- O cientista pode ter errado em “forçar” para provar a sua teoria, porém dizer que os cientistas nao partem de um presuposto, que os cientistas evolucionistas, nao tentam forçar o seu lado, é piada, eles tem que nao fazer, porém quase todos os fazem.
    4- por último, falar que mais ferro no corpo pode mudar a datação de milhoes de anos para milhares de anos é muito estranho.

    abraços

    • Bruno

      1 de dezembro de 2015 em 20:47

      Sobre a datação VC não soube interpretar o texto. O ferro não muda a datação e sim ele conserva os tecidos moles fossilizados, isto não tem nada haver com datação. O fato de haver tecidos moles não quer dizer que o fóssil é novo, na verdade estes tecidos moles estão mineralizados e na verdade não estão moles, estão duros como rochas, o nome ” tecido mole” se deve a estruturas que não sejam ossos, como vasos sanguíneos, a pele, cérebro, coração e etc… Quando os cientistas acham estes fósseis eles fazem um tratamento para remover os minerais destes tecido, então colega procure estudar mais antes de tirar conclusões precipitadas, nós temos que ser céticos sim, mas temos que ter conhecimento pra não sair falando de coisas que não sabemos, se VC não é paleontólogo (eu sou), não se meta no que não sabe ok? Pra concluir se VC acha mesmo que um animal morto recentemente conserva as estruturas, tente enterrar um gato morto no seu quintal e desenterrá depois de um ano pra ver se vai achar estes “tecidos moles”. Estas estruturas só se conservam em condições especificas, senão todos os fósseis teriam estruturas “moles” conservadas, mas existem milhares de fósseis que só a estrutura óssea se encontra fossilizada.

  17. Afonso

    29 de setembro de 2015 em 20:35

    A Bíblia não é um livro científico. O relato de Gênesis não especifica quantidade de anos, fala em “dia criativo” isso pode significar milhares de nossos anos. O planeta pode ter zilhões de anos considerando que a matéria do universo não vem com etiqueta de data de fabricação. Os registros da história humana aceito por historiadores não tem mais que 7 mil anos. Quanto à evolução orgânica ela parou em algum momento, não sei quem deu ordem para parar, porquanto não temos visto formas intermediárias vivas (não falo de vírus e bactérias mas macroespécies), se a evolução se processa há milhões de anos deveríamos ver alguma mutação evolucionária benéfica acontecendo, para desespero dos darwinistas isso não acontece. Quando o processo evolutivo parou e quem determinou que parasse?… a pergunta não é retórica é satírica mesmo.

  18. rafael ferreira bucelli

    1 de outubro de 2015 em 9:09

    eu sou da tese criacionista,pois tudo que existe tem que ser criado por outra coisa (no meu ver Deus), sobre a idade da terra e muito difícil saber pois com o diluviu(que e comprovado que esse fenômeno aconteceu) pode ter alterado muitas propriedades de fósseis e outras coisas!!!!!

  19. Gabriele

    7 de novembro de 2015 em 4:34

    http://www.igc.usp.br/index.php?id=304
    Favor quem ainda duvida que a Terra possui 4,5 bilhoes de anos leia isso. Se informem e deixem sua ignorancia de lado

  20. Jailson

    28 de novembro de 2015 em 20:56

    Entendo seu ponto de vista. Opinião é algo individual, mesmo que se mostre que algo está errado difícilmente a pessoa mudará de opinião pois somos assim mesmo. É igual marido corno, todas as provas estão claras mas mesmo assim ele não acredita.
    Vale lembrar que esse é outro caso. Um dos mais complicados foi a descoberta de tecido mole no ossos de um T-Rex pela Dra. Mary Higby Schweitzer que foi denominada de “Schweitzer’s Dangerous Discovery” pela discovery magazine (http://discovermagazine.com/2006/apr/dinosaur-dna) aconselho a lerem sobre o assunto.
    No caso em questão se não estou enganado é de um Triceratops. Então temos dois animais, de hábitos totalmente diferentes que conseguiram manter uma saúde de leão comendo alimento rico em ferro (???)… será que é por isso que o Danoninho tem um dinossauro como mascote? … Se já era provado científicamente que tecido mole não se mantinha preservado nem em um milhão de anos como então se manteria intacto por 30 ou 60 milhões???? Por causa do ferro??? É o segredo do highlander??? O ferro da espada… olha tem que ter muita fé cega para aceitar isso assim facilmente.
    Quanto a idade da terra qualquer leitor da Bíblia sabe que NÃO EXISTE data afirmada. Antes de qualquer vida havia somente os minerais. As plantas, animais e o homem surgiram depois, mas não podemos afirmar quanto tempo depois… mas a terra existia antes com certeza.
    Bora lá comprar um estoque de danoninho para ver se duro pelo menos até os 100 anos…

  21. Nuno

    2 de dezembro de 2015 em 11:09

    Posso só fazer uma pergunta?
    1 planeta > numa galáxia > num Universo > com a ciência a dar imaginaçao para vários universos. Ate aqui tudo bem, mas para isto acontecer è preciso MATERIA! MEU AMIGOS VC È CAPAZ DE FAZER NASCER MATERIA DO NADA (fazer atmos, fotões, neutrões, protões,…)?? SE VC NAO È CAPAZ DE GERAR MATERIA APARTIR DO “NADA” vc tem que acreditar que essa materia vem de algum lado! Correcto? Foram os alien??? Uhauha, Ela nasceu sozinha? Eu quero ver o primeiro ser capaz de fazer aparecer notas 100 reais!

    Pensem na origem da materia, e deiam me uma explicação cientifica para me dizer de onde a materia que compoe a sopa de elementos compostos no bigbang provem?

    Um ser muito inteligente pode ate criar universos como ja vi em documentarios! mas nenhum deles diz como criar MATERIA do nada!

    Aguardo uma respota do GRANDE CIENTISTA

  22. Sílvio Souza

    12 de maio de 2016 em 19:17

    Idade da terra uma piada.
    Evolução outra piada. Seres inteligentissimo que nasceram de um átomo primordial. Agora eu refuto meu pensamento e me pergunto. De onde veio este átomo primordial ????????????

    • Eu™

      12 de maio de 2016 em 20:22

      Seu comentário uma piada!!! Não faz a MENOR ideia do que está falando, não sabe sobre o que a Teoria da Evolução versa, e quer comentar… para miga, só tá passando vergonha!

      KKKK

      Chola mais, apedeuta.

  23. MATUSALEM MATUSA

    19 de maio de 2016 em 16:21

    Carbono 14 encontrado em ossos de dinossauros, como se explica?

  24. Marcos

    19 de maio de 2016 em 21:44

    Segundo o site https://pt.wikipedia.org/wiki/Carbono-14, o carbono 14 só serve para datações até 70 mil anos. A datação de ossos de dinossauros são pelas camadas geológicas, somente estimativas e nem sempre documentadas de forma correta, já que afirmar que estavam em camadas inferiores fornece mais fama e dinheiro. Segundo a metodologia do método de teste de C14 não deveria aparecer nenhum C14 nas amostras.
    Os cientistas vivem de descobertas, e descobertas de ossos recentes não dão lucro, então melhor é manipular os dados. Até parecem os políticos brasileiros.

  25. Paulo Padilha

    24 de maio de 2016 em 0:01

    Quem quiser ler um artigo sério sobre o assunto. Será que os donos desta página vão publicar minha postagem?

    http://www.criacionismo.com.br/2016/05/c-14-em-ossos-de-dinossauro-pesquisa.html?m=0

    • Eu™

      30 de junho de 2016 em 11:19

      Nossa, quanta merda junta.

  26. raphael

    30 de junho de 2016 em 11:03

    Eu acho um absurdo grotesco gente completamente ignorante, que não sabe nada sobre método cientifico e da própria ciência, querer opinar sobre e pior, desacreditar(como se refuta algo que nem se entendeu?).

    Pior, esse mesmo ignorante quer tentar provar através da ciência(a qual a um minuto atras repudiava) que a bíblia esta certa e, por mais paradoxal que seja, a ciência está errada….mas, se os estudos não comprovarem o que eles querem, ai a ciência novamente não vale nada…mas que conveniência retorica infantil, hein?

  27. corin.Tns

    23 de outubro de 2016 em 14:33

    Se vcs pesquisarem as duas palavras que iniciam cada livro do antigo testamento verão que…
    O PALMEIRAS NÃO TEM MUNDIAL ASHUASAUSHSUSAHSI

  28. Felipe

    30 de novembro de 2016 em 12:59

    Espera um pouco: “[…] o método científico consiste em analisar as evidências para depois chegar a uma conclusão. Fazer o caminho inverso (ter uma conclusão e tentar encaixar as evidências para corroborá-la) é uma atitude anticientífica.” Alguém tem UMA (UMA, UMA ÚNICA) evidência de mudança de espécie para supor uma teoria da evolução? Resposta: não.

    • Gilmar Lopes

      30 de novembro de 2016 em 14:03

      O que a gente vê aos montes são as provas de que o homem veio do barro, né?

  29. Malaquias

    11 de dezembro de 2016 em 14:11

    Nunca existiram dinossauros..esses fósseis foram plantado pelo pai da mentira…q é o diabo….pra dizer q a bíblia é mentirosa… é a mesma coisa q falam q o homem veio do macaco..kkkkkkkela

    • Eu™

      20 de dezembro de 2016 em 11:06

      Ninguém nunca disse que o homem veio do macaco! Se você ouve alguém dizer isso, com certeza é mentira mesmo!

      Precisa atualizar suas fontes!

    • eeu

      11 de maio de 2018 em 4:26

      pesquise Adauto lourenço, a verdade sobre os dinossauros.

  30. Elizangela

    19 de dezembro de 2016 em 21:44

    Blá blá blá
    Superficial de mais. Vocês não provaram nada. Eu uso ferro pra degradar material orgânico, como é que ferro vai preservar material orgânico do fóssil? Helô
    Por milhões de anos? Ah fala sério! É claro que os dinossauros não foram extintos há milhões de anos, acorda.

  31. Gabriel

    29 de dezembro de 2016 em 20:53

    E agora E-Farsas. Toma Essa. Vitória dos Criacionistas: http://numar.scb.org.br/publicacoes/mark-armitage-obteve-vitoria-judicial/

  32. WELDER CANESIN DIAS

    4 de setembro de 2018 em 17:49

    É sério? Ferro pra segurar a degradação de tecido mole? Hmmm, bem controverso isso, hein?!
    Acreditar que as proteínas podem durar dezenas de milhões de anos exige muita fé. De acordo com uma reportagem da revista científica The Biochemist, mesmo que o colágeno fosse armazenado a 0 ° C, não se esperaria que ele durasse até três milhões de anos. E aí está algo ainda mais improvável já que a fossilizações exige temperatura e pressão, ou não? Mas tal é o poder do paradigma evolucionário que muitos escolhem acreditar no aparentemente impossível em vez de aceitar a óbvia implicação de que as amostras não são tão antigas quanto dizem.
    Ah, mas tem a revisão por pares que é algo totalmente livre de falhas… será?
    Ipsis literis do Dr. Schweitzer (evolucionista): “Um revisor me disse que não se importava com o que os dados diziam, sabia que o que eu estava descobrindo não era possível… Escrevi de volta e disse: ‘Bem, que dados te convenceriam?’ E ele disse: ‘Nenhum’ ”. Não é exatamente um comentário científico, concorda?

    Mas enfim, você está tão convencido que está correto, que nem as evidências são capazes de mudar sua opinião. Então bola pra frente! Abs!

  33. Éder

    31 de dezembro de 2018 em 19:28

    Discordo do site e acho que o assunto não foi devidamente pesquisado. Na verdade, alguns cientistas supuseram que o ferro teria ajudado na preservação, mas as condições em que isso foi experimentado (num laboratório) nem se comparam às condições naturais, além do fato de que a solução foi de hemoglobina pura. Ainda assim, o material biológico submetido a teste foi preservado por 2 anos apenas.
    Inclusive, em tecido mole analisado já foi encontrado C-14!!! Que nem deveria mais estar ali. Portanto, as evidências indicam que os dinossauros existiram a mto menos tempo do que parece, embora estes estudos sejam censurados assim como tem sido censurados os estudos q refutam a ideia de “aquecimento global” e diminuição do nível do mar, por exemplo. Até DNA tem sido encontrado em estruturas fósseis pertencentes a dinossauros!!!
    Este é só mais um ponto que a Bíblia e o mundo antigo marcam em relação aos cientistas modernos e céticos. Vale mencionar, tbm, que fósseis de dinossauros tem sido, frequentemente, encontrados associados a fósseis de outros animais modernos como jacarés e coelhos.

  34. fabricio freire

    14 de janeiro de 2019 em 13:26

    Piada este papo de Teoria da Evolução. Totalmente refutada e jamais provada. O homem, descendente de um primata, perde todo o pelo, depois sente frio e faz um casaco de pele para combater o frio. Na sequência faz foguetes e visita a Lua. Sinceramente, diminuir a inteligência do homem aos milhões de anos necessários para encaixar esta evolução é um delírio. O estudo mostra que o caminho é outro, mas as viúvas de Darwin, não olham por outro lado. No início da discussão deste tema disseram que as pesquisas com o tecido mole em ossos de dinossauro eram falsas, agora “contornaram” a situação dizendo que o tecido se preservou pelo composto de ferro. Que piada! A forma como estes cientistas tratam a evidência cientifica é um grande engodo.

    • maria

      27 de março de 2019 em 0:31

      exitem milhares de artigos publicados sobre tecido mole em ossos de dinossauros eles se preservam muito bem e já esta até compravado que essa preservação está relacionada com o clima da região em que o fóssil se preservou, é só pesquisar não custa nada

  35. Franklin

    28 de abril de 2019 em 8:26

    A maior parte das pessoas aceita que tudo o que escutam dos sacerdotes da verdade (cientistas darwinistas) é estritamente verdadeiro. Não lhes ocorre que os cientistas tmb possam ter preconceitos filosóficos ou ideológicos. o fato é que os darwinistas criaram de uma epistemologia tendenciosa à guisa da ciência, depositando suas teorias filosóficas naturalistas em um paradigma ínfimo de evidências, para daí tirar conclusões elásticas com improbabilidades astronômicas elevadas a potências além do absurdo.

  36. Franklin

    28 de abril de 2019 em 8:48

    Além disso o autor do texto, tenta defender uma refutação efetuada contra seu viés filosófico, não com o propósito de informar a verdade, mas sim, com o intento de refutar uma cosmovisão oposta a sua, pois na sua mente, crer nas evidências que corroboram com as evidências bíblicas é inverossímil, porque à priori, o mesmo crê que a bíblia é um livro mentiroso e por isso procede com uma cegueira obstinada, postulando teorias ad hoc para defender sua fé em uma teoria que não merece nem o título de uma hipótese.
    Mas com um irracionalismo espantoso, ainda advoga que a evolução seja um fato e que a Terra tenha bilhões de anos.

  37. Franklin

    28 de abril de 2019 em 8:51

    DARWIN ESTÁ MORTO E O ATEÍSMO NÃO TEM O MONOPÓLIO DA CIÊNCIA.

  38. Franklin

    28 de abril de 2019 em 9:31

    • 1 g de carbono possui 5×10 elevado à 22 átomos
    • Proporção atual de 14C/12C: 1 para 1 trilhão
    • 1 g de carbono possui 6×10 elevado à 10 átomos de 14C
    • A meia-vida do 14C é de 5730 anos
    • Após 43,6 meia-vidas (± 250.000 anos)
    Não deveria conter 14C detectável.

  39. Franklin

    28 de abril de 2019 em 10:17

    Para os advogados de uma causa fracassada, essas contradições e problemas nem sempre são abordadas, na verdade são postas embaixo do tapete do intelecto e escondidas do conhecimento público pelas seguintes razões:
    1- Por causa de suas pressuposições filosóficas;
    2- Por causa de um grupo de cientistas darwinistas que monopolizaram a ciência sob a perspectiva de seu viés;
    3- Por causa do preconceito bíblico;
    4- Por causa da ignorância de fontes e de dados científicos fidedignos;
    5-Por causa da adiposidade intelectual para uma avaliação desprovida de apriorismos para interpretar corretamente as fontes divergentes, deixando as evidências por si mesmas criarem novas teorias(se for caso) ou reformula-las;
    5- Por causa da falta de imparcialidade;
    6- Por causa o um compromisso epistemológico implícito com o naturalismo.
    Assim, com todas essas limitações, a obtenção da verdade dos fatos fica comprometida, e o que resta desse infeliz paradigma é somente uma esperança escatológica de que, no futuro a ciência naturalista irá desvelar toda verdade acerca do mundo natural e solucionar todas as improbabilidades intrínsecas de suas rasas hipóteses impossíveis habitadas no campo da imaginação.

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Populares

Ajude a Manter o E-farsas!

Categorias

Parceiros

Voltando a Circular

Publicidade

Apoio técnico!

Topo