Conecte com a gente

E-farsas – Desvendando fake news desde 2002!

E-farsas – Desvendando fake news desde 2002!

Edward Mordrake: Será que o “Homem da Face Demoníaca” realmente existiu?

Falso

Edward Mordrake: Será que o “Homem da Face Demoníaca” realmente existiu?

Edward Mordrake: Será que o “Homem da Face Demoníaca” realmente existiu?

Será verdade que um homem chamado Edward Mordrake, que tinha duas faces, sendo uma delas na nuca, realmente existiu? Bem, até hoje essa história é promovida por sites de cunho paranormal ou sobrenatural na internet, além de canais muito populares no YouTube.

Por exemplo, em setembro de 2017, o canal “Fatos Desconhecidos”, no YouTube, afirmou categoricamente que Edward existiu, tanto durante o vídeo, quanto em sua descrição (archive.is). O vídeo obteve até o momento cerca de 1 milhão e 300 mil visualizações.

Entretanto, será mesmo que Edward Mordrake existiu? Descubra agora, aqui, no E-Farsas!

A Versão Mais Conhecida e Mais Divulgada na Internet Sobre a História de Edward Mordrake: O “Homem da Face Demoníaca”

Inicialmente, é muito importante que vocês saibam, que Edward Mordrake seria considerado atualmente um indivíduo apócrifo de uma lenda urbana. Isso pode parecer “grego” para algumas pessoas, não é mesmo? Porém, o que isso significa na prática? Ele seria uma pessoa, que nunca teve sua identidade provada, ou seja, de origem suspeita ou duvidosa, envolvida em uma pequena história de caráter fantasioso, amplamente divulgado de forma oral, através de livros, vídeos ou pela imprensa, sendo algo, portanto, folclórico.

Edward seria uma pessoa, que nunca teve sua identidade provada, ou seja, de origem suspeita ou duvidosa, envolvida em uma pequena história de caráter fantasioso, amplamente divulgado de forma oral, através de livros, vídeos ou pela imprensa, sendo algo, portanto, folclórico.

Ao consultar um artigo sobre Edward Mordrake na Wikipédia é mencionado, que ele teria sido um herdeiro de um pariato da Inglaterra do século XIX, e simplesmente possuía um rosto “adicional” em sua nuca. Embora essa “segunda face” fosse incapaz de comer ou falar, a mesma seria capaz de rir e chorar, sendo que muitos acreditavam, que os olhos dessa “segunda face” os seguiam. Edward teria implorado aos médicos, que removessem sua “cabeça demoníaca”, porque, além do espanto causado aos demais, ela também, supostamente, sussurrava-lhe coisas horríveis durante a noite, mas nenhum médico quis fazê-lo, visto que uma cirurgia deste tipo comprometeria sua vida. Então, desesperado, e após tirar sua própria vida, Edward teria deixado um bilhete aos seus familiares, no qual suplicava que o segundo rosto fosse retirado e destruído antes do seu enterro. Ele tinha receio de que o rosto, dito por ele como “demoníaco”, o incomodasse durante a eternidade.

Como forma de dar autenticidade a história de Edward Mordrake, muitos ainda citam um livro centenário chamado “Anomalies and Curiosities of Medicine” (“Anomalias e Curiosidades da Medicina”), que foi originalmente publicado em outubro de 1896.

Como forma de dar autenticidade a história de Edward Mordrake, muitos ainda citam um livro centenário chamado “Anomalies and Curiosities of Medicine” (“Anomalias e Curiosidades da Medicina”), que foi originalmente publicado em outubro de 1896.

O livro é de autoria de dois médicos norte-americanos, George M. Gould e Walter L. Pyle, que teriam reunido todos os mais estranhos casos da medicina, incluindo o caso de Edward Modrake que, por sua vez, apresentaram da seguinte maneira:

Uma das histórias mais estranhas e melancólicas da deformidade humana é a de Edward Mordake, que dizem ter sido o herdeiro de um dos pariatos mais nobres da Inglaterra. Ele nunca reivindicou o título e, em vez disso, tirou a própria vida em seu vigésimo terceiro ano de vida. Ele vivia completamente recluso, recusando até mesmo as visitas de seus próprios familiares. Ele era um jovem de muita capacidade, um ávido estudioso e uma músico de rara habilidade. Sua figura era notável por sua graça, e seu rosto – isto é, seu rosto natural – era de beleza grega. Porém, na parte de trás da cabeça havia outro rosto, a de uma linda garota, ‘adorável como um sonho, medonho como um demônio’. O rosto feminino era uma mera máscara, ‘ocupando apenas uma pequena porção da parte posterior do crânio, mas exibindo todos os sinais de inteligência, de um tipo maligna, no entanto’. A mesma seria vista sorrindo e sendo sarcástica, enquanto Mordake chorava. Os olhos seguiam os movimentos do espectador, e os lábios ‘mexiam sem parar’. Nenhuma voz era audível, mas Mordake dizia que, durante seu repouso, à noite, eram proferidos sussurros abomináveis do seu ‘gêmeo diabólico’, tal como ele chamava, ‘que nunca dorme, mas que sempre falava comigo sobre coisas, que são faladas somente no Inferno. Nenhuma imaginação pode conceber as terríveis tentações que ele me impõe. Por alguma imoralidade impiedosa dos meus antepassados, sou o tecido para este espírito maligno – certamente um demônio. Eu imploro e suplico a vocês, que extirpem o semblante humano, mesmo que eu morra por isso’. Essas teriam sido as palavras do infeliz Mordake para Manvers e Treadwell, seus médicos. Apesar de ser constantemente vigiado, ele teria conseguido obter veneno, razão de sua morte, deixando uma carta pedindo que a ‘face demoníaca’ fosse destruída ainda do enterro ‘para evitar que os abomináveis sussurros continuassem em seu túmulo’. A seu pedido, ele foi sepultado em um local de descarte de lixo, sem nenhuma lápide ou menção para identificar seu túmulo.

Páginas 188 e 189 do livro “Anomalies and Curiosities of Medicine” (“Anomalias e Curiosidades da Medicina”),que foi originalmente publicado em outubro de 1896.

Infelizmente, George M. Gould e Walter L. Pyle não revelaram de onde eles tiraram essa história. Eles apenas disseram, que a foi extraída a partir de “fontes leigas”, ou seja, de pessoas comuns, que não eram profissionais médicos. De qualquer forma, a inclusão dessa versão da história de Edward Mordrake (citado como “Edward Mordake”) em uma publicação médica (em vez de, digamos, uma coleção de histórias curtas) adicionou um ar de autenticidade à narrativa. Afinal de contas, algumas pessoas têm uma certa tendência a acreditar em qualquer coisa, que seja contada por médicos, pesquisadores ou ex-astronautas da NASA, por exemplo, sem questionar ou pesquisar absolutamente nada sobre o assunto, como se o material divulgado fosse proveniente de verdadeiros deuses. Imaginem, então, toda essa situação aplicada ao século XIX. Com certeza absoluta era muito pior.

Infelizmente, George M. Gould e Walter L. Pyle não revelaram de onde eles tiraram essa história. Eles apenas disseram, que a foi extraída a partir de “fontes leigas”, ou seja, de pessoas comuns, que não eram profissionais médicos

Edição de 1896 do livro “Anomalies and Curiosities of Medicine”

Embora Gould e Pyle parecessem dispostos a incluir em seu livro praticamente qualquer história, por mais questionável que fosse (diante da utilização de “fontes leigas”), o material publicado por eles, primordialmente, era de não ficção. Presumivelmente, eles não inventaram a história de Edward Mordrake. Porém, muito provavelmente eles teriam ouvido ou até mesmo lido sobre isso em algum lugar.

Questionamentos em Relação ao Caso de Edward Mordrake

Existe uma condição médica real, chamada “Craniopagus parasiticus” (um tipo raro de xifopagia, que ocorre entre 4 a 6 nascimentos humanos em cada dez milhões), cujos sintomas apresentam uma semelhança muito básica e rasa com os descritos no caso envolvendo Edward Mordrake. É uma complicação extremamente rara, que ocorre com gêmeos xipófagos (também chamados de conjugados ou siameses), quando a cabeça de um gêmeo sem corpo desenvolvido fica unida (de forma parasitária) à cabeça de um gêmeo com corpo desenvolvido (chamado de “gêmeo dominante”).

Para vocês terem uma ideia, em um caso relatado no períodico “Journal of Medical Case Reports“, em 2016, foi mencionado que somente cerca de 10 casos teriam sido documentados na literatura médica. Além disso, a maioria dos bebês que possuem a condição “Craniopagus parasiticus” morrem dentro do útero materno ou durante o trabalho de parto. Entre os 10 casos documentados, apenas 3 teriam sobrevivido com a ajuda da medicina moderna. Desses 3 casos, dois morreram antes dos dois anos de idade, apesar das tentativas cirúrgicas de salvar a vida do gêmeo dominante. O terceiro, conhecido como o “Menino de Duas Cabeças de Bengala”, teria vivido até os quatro anos de idade e, aparentemente, estava em bom estado de saúde até ser mordido por uma cobra e morrer.

Manar Maged nasceu com a condição médica chamada “Craniopagus parasiticus”. Em 19 de fevereiro de 2005, Manar sofreu uma operação de 13 horas para remover sua gêmea parasitária. Em meados de abril, a Reuters informou que Manar havia sido saído da terapia intensiva e estava se alimentando normalmente. Posteriormente, ela passou por cinco cirurgias para a inserção de válvulas para drenar o excesso de fluídos do cérebro. Infelizmente, em 25 de março de 2006, poucos dias antes de completar 2 anos de idade, ela faleceu.

Em uma tentativa de justificar o caso “Edward Mordrake” como sendo clinicamente possível, muitos sites e canais no YouTube citam essa condição médica. Porém, raramente se comenta um pequeno detalhe: gêmeos xipófagos ou siameses sempre possuem o mesmo sexo, ou seja, se um for homem, o outro gêmeo também será. O “gêmeo demoníaco / parasitário” descrito no caso de Edward Mordrake era feminino, enquanto o gêmeo dominante era masculino. Nesse ponto, algumas pessoas tentam argumentar, é claro, que a face vestigial, ou seja, a “segunda face” teria sido mal-interpretada como sendo feminina.

Outro detalhe em relação a “face demoníaca” é que, embora a mesma não possuísse voz audível, assim como acontece nos casos de “Craniopagus parasiticus“, dizia-se que mesma apresentava traços de inteligência, ou seja, que a mesma costumava proferir sussurros abomináveis durante a noite, e que costumava rir e ser sarcástica, algo que não acontece nos casos de “Craniopagus parasiticus”. Os relatos (evidências anedóticas) sobre o “Menino de Duas Cabeças de Bengala” mencionavam que a face vestigial conseguia fazer “caretas”, e os olhos eram observados se movendo, no entanto, embora pudesse haver algum tipo de consciência rudimentar, não havia sinais de inteligência na face vestigial. Lembrando que o caso do “Menino de Duas Cabeças de Bengala” foi relatado em 1790, na Índia, ou seja, cerca de 106 anos antes da publicação de George M. Gould e Walter L. Pyle.

Uma ilustração do usuário “kagomelovesinu” publicada no site “DevianArt” em 2009. A imagem retrata uma visão bem utópica de como seria Manar Maged com sua gêmea parasitária.

Alternativamente, ao longo do tempo, uma vez que a condição médica “Craniopagus parasiticus” começou a ser cada vez mais questionada, foi sugerido que Edward Mordrake poderia ter sofrido de uma malformação congênita chamada “Diprosopus” (“Diprosopia” ou “Duplicação Craniofacial”) em que as características faciais são duplicadas em maior ou menor grau em outras regiões da cabeça (nos casos mais raros, o rosto inteiro é duplicado).

Os mecanismos por trás dessa malformação ainda não são totalmente compreendidos. Alguns pesquisadores acreditam, que isso seja uma outra forma rara de xipofagia, porém atualmente sabe-se que a diprosopia é causada pela atividade anormal de uma proteína chamada “SHH”. A SHH e seu gene correspondente desempenham um papel importante na sinalização do padrão craniofacial durante o desenvolvimento embrionário, ou seja, a princípio, a diprosopia não seria um caso envolvendo xipofagia. Embora isso seja um pouco mais comum do que a condição “Craniopagus parasiticus” (com pouco menos de 50 casos documentados desde meados do século XIX), a diprosopia tem uma taxa de sobrevivência igualmente baixa, sendo que a maioria dos bebês morrem dentro do útero materno ou durante o trabalho de parto. Raramente algum caso sobrevive mais do que alguns minutos ou horas de vida.

Em 2008, por exemplo, tivemos o caso envolvendo a pequena Lali Singh, que nasceu na Índia com essa malformação. E, por negligência da família ao evitar que os médicos tentassem tratá-la por considerá-la a reencarnação de uma divindade, Lali acabou morrendo com apenas dois meses de idade, vítima de um ataque cardíaco.

Em 2008, por exemplo, tivemos o caso envolvendo a pequena Lali Singh, que nasceu na Índia com essa malformação

E, por negligência da família ao evitar que os médicos tentassem tratá-la por considerá-la a reencarnação de uma divindade, Lali acabou morrendo com apenas dois meses de idade, vítima de um ataque cardíaco.

Vocês também podem conferir um documentário completo sobre esse caso, que foi publicado em março de 2016, no canal “Real Stories”, no YouTube:

Resumindo? Embora a ciência ofereça explicações teóricas para a possível condição de Edward Mordrake, elas são muito limitadas e, caso realmente tivesse acontecido, muito provavelmente o caso teria sido documentado em algum momento, em algum lugar, devido a raridade da condição médica.

De qualquer forma, sempre tivemos outros motivos para desconfiarmos sobre toda essa história. Em primeiro lugar, toda a narrativa é muito melodramática, se distanciando, e muito, de algo científico. Em segundo lugar, de acordo com uma citação na edição nº 37 do periódico “The Theosophical Review“, de 1906, os nomes dos supostos médicos de Edward Mordrake, Manvers e Treadwell, nunca apareceram no “Dictionary of National Biography“, uma publicação de referência sobre as figuras mais notáveis da história britânica. Se eles eram médicos de um membro da nobreza britânica, certamente iriam aparecer em alguma edição dessa publicação, mas isso nunca aconteceu.

Para completar, em 1958, o folclorista Paul Brewster solicitou aos leitores do periódico “Journal of the History of Medicine” maiores informações sobre Edward Mordrake, observando que “se o mesmo fosse um autêntico caso de teratologia, deveria haver fontes confiáveis nesse sentido“. Nunca houve qualquer resposta positiva. Vale ressaltar que a teratologia é um ramo da ciência médica preocupado com o estudo da contribuição ambiental ao desenvolvimento pré-natal alterado, ou seja, estuda as causas, mecanismos e padrões do desenvolvimento anormal.

Mesmo diante de todos esses questionamentos, ou seja, indicativos claros que toda essa história teria sido criada em uma momento anterior a 1896, muitas revistas, livros, e posteriormente sites e fóruns na internet disseminaram essa história como sendo a mais absoluta verdade. Mesmo não sendo citada uma única fonte sequer, a absoluta maioria das pessoas abraçou o caso como sendo autêntico.

A Origem da História Publicada no Livro “Anomalies and Curiosities of Medicine” de 1896

Em 24 de abril de 2015, o historiador científico Alex Boese, criador do site “Museum of Hoaxes“, resolveu ir atrás da origem da história publicada no livro “Anomalies and Curiosities of Medicine.” Ele fez uma pesquisa por palavra-chave, no arquivo de notícias de jornais norte-americanos do século XIX, do site newspaper.com (requer uma assinatura paga para realizar essa pesquisa), e descobriu que a história de Mordrake apareceu em um artigo escrito pelo poeta Charles Lotin Hildreth, que foi publicado em alguns jornais norte-americanos, no ano de 1895, ou seja aproximadamente um ano antes da publicação do livro dos médicos George M. Gould e Walter L. Pyle.

O artigo foi primeiramente publicado no jornal “Boston Sunday Post“, em 8 de dezembro de 1895, e poucos dias depois foi publicado em diversos outros jornais, incluindo o “Parsons Daily Sun” (11 de dezembro), e “The Decatur Herald” (14 de dezembro). Intitulado “The Wonders of Modern Science: some half human monsters once thought to be of the Devil’s brood” (“As Maravilhas da Ciência Moderna: alguns monstros metade humano já foram considerados proles do Diabo”, em uma tradução livre para o português), o artigo descreve uma notável variedade de “aberrações humanas”, cujos casos Charles Hildreth alegava terem sido encontrados em antigos relatórios da “Royal Scientific Society” (“Real Sociedade Científica”).

Artigo publicado no jornal “Boston Sunday Post”, em 8 de dezembro de 1895. As áreas em vermelho fazem referência a história de Edward Mordrake.

Entre em contato com o E-farsas

(11) 96075-5663 - t.me/efarsas

Entre os casos publicados por Charles Hildreth está a “Mulher-Peixe de Lincoln” – uma jovem cujas pernas, do quadril para baixo, eram “cobertas de escamas brilhantes e terminavam exatamente como a cauda de um peixe“. Também há um ser “metade humano, e metade caranguejo“, cujas mãos e os pés terminam em enormes garras no formato de pinças. Não obstante, tínhamos a “Criança-Melão de Radnor”, que tinha a cabeça do tamanho e da cor de um melão, sem órgãos dos sentidos perceptíveis, exceto uma fenda vertical no lugar da boca. Já o “Sr. Pewness”, de Stratton, tinha os pés no lugar de suas mãos, “e vice-versa”.

O “Homem de Quatro Olhos de Cricklade” tinha dois pares de olhos, um acima do outro. Um homem chamado “Jackass Johnny” teria sido amaldiçoado com “um par de orelhas muito longas e peludas, exatamente como as de um burro.” A “Aranha de Norfolk”, por exemplo, era uma coisa monstruosa, que se arrastava sobre sua própria barriga com seis pernas peludas acrescidas de garras e uma cabeça humana. Para ajudar os leitores a imaginar como seriam esses seres, o artigo contava com algumas ilustrações.

Para ajudar os leitores a imaginar como seriam esses seres, o artigo de Charles Hildreth contava com algumas ilustrações.

Finalmente, a longa lista de “aberrações” terminava com a história “mais estranha e melancólica de todas“: justamente a de Edward “Mordake” (sem o “r”). Curiosamente, o texto publicado por Charles Hildreth é exatamente o mesmo que foi publicado pelos médicos George M. Gould e Walter L. Pyle. A história de Charles foi inteiramente copiada, palavra por palavra, vírgula por vírgula, no livro “Anomalies and Curiosities of Medicine.”

Aliás, esse não foi o único trecho copiado pelos médicos George M. Gould e Walter L. Pyle, visto que todo o trecho relacionado ao “Homem de Quatro Olhos de Cricklade” também foi copiado e, assim como no caso de Edward Mordrake, não foi dado nenhum crédito a Charles Hildreth.

Aliás, esse não foi o único trecho copiado pelos médicos George M. Gould e Walter L. Pyle, visto que todo o trecho relacionado ao “Homem de Quatro Olhos de Cricklade” também foi copiado e, assim como no caso de Edward Mordrake, não foi dado nenhum crédito a Charles Hildreth.

Diante disso, acredito que vocês já devem imaginar o desfecho, não é mesmo?

Verdade ou Mentira? A Realidade Sobre Edward Mordrake

Edward Mordrake nunca existiu! O artigo publicado por Charles Hildreth tenta aparentar ser um texto de não ficção, e certamente foi apresentado aos leitores dessa forma. Evidentemente, na melhor das hipóteses, Gould e Pyle acreditaram que as histórias eram relatos verdadeiros de casos médicos antigos, visto que eles não apenas copiaram o trecho referente a Edward Mordake, mas também o caso do “Homem de Quatro Olhos de Cricklade”. Porém, ao analisarmos atentamente o artigo de Hildreth, percebemos o quão o mesmo é fantasioso. Em primeiro lugar, o que é essa “Real Sociedade Científica”? Será que ele quis se referir a “Real Sociedade de Londres”? Será que, talvez, ele inventou uma sociedade com um nome bem expressivo e pomposo, porém inexistente?

Se Charles Hildreth estivesse se referindo a “Real Sociedade de Londres”, então seria possível localizar referências anteriores aos casos que ele descreveu. Isso porque as primeiras transações da Real Sociedade foram todas digitalizadas, sendo possível pesquisar gratuitamente pela internet. Porém, esse não foi o caso. Esses personagens, tais com a “Mulher-Peixe de Lincoln” e a “Aranha de Norfolk” não são mencionados em lugar algum, exceto no artigo de Charles Hildreth. E, quando nos damos conta disso, é quando se torna evidente que o artigo de Hildreth era ficção, ou seja, tudo isso surgiu de sua imaginação, incluindo Edward Mordrake.

Esses personagens, tais com a “Mulher-Peixe de Lincoln” e a “Aranha de Norfolk” não são mencionados em lugar algum, exceto no artigo de Charles Hildreth. E, quando nos damos conta disso, é quando se torna evidente que o artigo de Hildreth era ficção, ou seja, tudo isso surgiu de sua imaginação, incluindo Edward Mordrake.

Isso faz sentido porque Hildreth não era apenas um poeta, mas também um escritor de ficção especulativa. Ele foi o autor de um romance infantil chamado “The Mysterious City of Oo” (“A Cidade Misteriosa de Oo”, em português), que falava sobre a jornada de um jovem menino pelo interior da Austrália, onde o mesmo descobre uma “civilização branca originada da Antiga Grécia, que florescia entre os selvagens” (descrição da “Enciclopédia da Ficção Científica“).

Suas histórias curtas frequentemente circulavam entre os artigos acadêmicos, e muitos delas são o que descreveríamos atualmente como uma mera ficção científica. Até mesmo sua poesia (sendo boa parte inspirada em Edgar Allan Poe) mostra uma preocupação com temas góticos, e do “outro mundo”. Assim sendo, uma peça de ficção sobre “monstros metade humanos” não seria algo estranho no mundo de Hildreth.

Isso faz sentido porque Hildreth não era apenas um poeta, mas também um escritor de ficção especulativa. Ele foi o autor de um romance infantil chamado “The Mysterious City of Oo” (“A Cidade Misteriosa de Oo”, em português), que falava sobre a jornada de um jovem menino pelo interior da Austrália, onde o mesmo descobre uma “civilização branca originada da Antiga Grécia, que florescia entre os selvagens” (descrição da “Enciclopédia da Ficção Científica”)

Também faz um certo sentido, que os jornais tenham apresentado sua história como não ficção, uma vez que os jornais do século XIX faziam isso com frequência. Foi tão somente no século XX, que foram criadas revistas que atendiam especificamente a ficção especulativa, e proporcionavam uma saída, agindo como uma verdadeira válvula de escape, para escritores deste gênero. Antes disso, os autores precisavam dos jornais para publicar suas histórias, e era comum adicionar uma certa dose de dramaticidade aos contos, apresentando-os como “fatos reais”. Essa tradição remonta ao próprio Edgar Allan Poe, que inicialmente publicou seis dos seus contos sob o pretexto de serem não ficção, e a prática continuou ao longo do século.

Um dos exemplos mais famosos é o caso da “Árvore Comedora de Gente de Madagascar“. Em 1874, o jornal “New York World” publicou um artigo sobre essa árvore bizarra que comia carne humana.

Trecho inicial do artigo publicado no jornal “New York World” em 28 de abril de 1874

Ilustração publicada na capa do livro “Madagascar: Land of the Man-Eating Tree”, de 1924, do autor Chase Salmon Osborn. Entretanto, essa é uma ilustração totalmente aleatória. Osborn admitiu que sua intenção era apenas atrair a atenção do público, sendo que a maior parte do seu livro sequer menciona a tal suposta árvore comedora de gente.

O texto era inteiramente ficcional, mas os leitores não sabiam disso e, durante décadas, diversas cópias do artigo continuaram a circular como se fossem verdade. Para vocês terem uma ideia, diversos exploradores gastaram fortunas e desperdiçaram muito tempo para tentar encontrar uma árvore que nunca existiu.

E as Fotos que Circulam na Internet? As Imagens Não São de Edward Mordrake?

Bem, se Edward Mordrake nunca existiu, então não há fotos dele! A suposta foto mais famosa de Edware Mordrake, que costuma circular na internet é uma imagem em preto e branco, meio borrada, e meio desfocada. Muitos tentam alegar que, aquela imagem seria a autêntica foto de Edward Mordrake, que não haveria qualquer tipo de manipulação digital ou qualquer outra forma de adulteração. A verdade é que o elemento contido na imagem é tão somente uma estátua de cera, ilustrando como teria sido a aparência de Edward Mordrake.

Existem diversas versões de estátuas de cera representando Edward Mordrake em museus e exposições ao redor do mundo. O fato de estar em preto e branco é meramente ilusório, justamente para fazer uma pessoa leiga acreditar que a mesma é antiga. Uma foto em preto e branco do século XIX não teria essa resolução e definição, a exemplo da foto de Joseph Merrick, o “Homem-Elefante”

Existem diversas versões de estátuas de cera representando “Edward Mordrake” em museus e exposições ao redor do mundo. O fato de estar em preto e branco é meramente ilusório, justamente para fazer uma pessoa leiga acreditar que a mesma é antiga. Uma foto em preto e branco do século XIX não teria essa resolução e definição, a exemplo da foto de Joseph Merrick, o “Homem-Elefante”

Novamente, não existe nenhuma imagem do século XIX, que mostre a identidade de Edward Mordrake até mesmo porque, conforme já sabemos, ele nunca existiu. Abaixo vocês podem conferir algumas versões de estátuas de cera de “Edward Mordrake”:

Não existe nenhuma imagem do século XIX, que mostre a identidade de Mordrake até mesmo porque, conforme já sabemos, ele nunca existiu.

Estátua de cera de “Edward Mordrake” exibida durante uma exposição realizada na Bratislávia, capital da Eslováquia, em janeiro de 2017

A mais famosa das estátuas de cera de “Edward Mordrake” se encontra no Museu Panoptikum, em Hamburgo, na Alemanha, o mais antigo museu de cera do país:

A mais famosa das estátuas de cera de “Edward Mordrake” se encontra no Museu Panoptikum, em Hamburgo, na Alemanha, o mais antigo museu de cera do país.

Confira também um vídeo, publicado no próprio canal do museu, no YouTube, mostrando um pouco mais das atrações que o mesmo oferecesse aos seus visitantes (a estátua aparece em 1:05):

Também existem algumas outras imagens que circulam na internet, assim como a do personagem que aparece no terceiro e quarto episódios da quarta temporada de série de TV “American Horror Story” (2014), e até mesmo o que seria o crânio de Edward Mordrake, porém neste último caso trata-se apenas de uma escultura moderna, que foi originalmente publicada por um usuário chamado “EJShindler”, no site DevianArt, em outubro de 2015.

Também existem algumas outras imagens que circulam na internet, assim como a do personagem que aparece no terceiro e quarto episódios da quarta temporada de série de TV “American Horror Story” (2014)…

…e até mesmo o que seria o crânio de Edward Mordrake, porém neste último caso trata-se apenas de uma escultura moderna, que foi originalmente publicada por um usuário chamado “EJShindler”, no site DevianArt, em outubro de 2015

Conclusão

Edward Mordrake (ou Mordake) nunca existiu! Foi apenas um personagem ficcional criado pelo poeta e escritor de ficção especulativa chamado Charles Hildreth. Infelizmente, dezenas de sites e canais no YouTube ainda exploram essa história como sendo autêntica, seja por falta de pesquisa, seja pela intenção de manter a lenda viva.

Por fim, gostaria de ressaltar que esse texto já tinha sido publicado por mim em um outro blog, exatamente um ano atrás, e resolvi publicá-lo no E-farsas para que mais pessoas possam conhecer a história, toda a pesquisa realizada para chegar a essa conclusão, e acabar de vez com todas as mentiras que contam sobre esse caso. Não é uma tarefa fácil de ser cumprida, mas que tento fazer isso da melhor forma possível.

Continue lendo
17 Comentários

17 Comments

  1. John Santos

    2 de fevereiro de 2019 em 19:51

    Adorei a matéria, eu sempre fui curioso quanto ao caso do Edward Mordrake, e eu também achava que ele tinha realmente existido. Isso explicou muita coisa.

    • Marco Faustino

      8 de fevereiro de 2019 em 13:38

      Ficamos felizes que tenha gostado, John! Ficou um pouco longa, mas acredito que não irá restar nenhuma ponta solta sobre esse assunto! 😀

  2. Alana

    3 de fevereiro de 2019 em 1:33

    Parabens pelo trabalho!

    • Marco Faustino

      8 de fevereiro de 2019 em 13:38

      Agradecemos pelo carinho, Alana! 😀

  3. Júlio

    3 de fevereiro de 2019 em 14:19

    Caraca, parabéns pela pesquisa fuderosa!
    Uau!

    • Marco Faustino

      8 de fevereiro de 2019 em 13:38

      Valeu, Júlio! Sua opinião é muito importante para nós! 😀

  4. nando

    3 de fevereiro de 2019 em 22:55

    Taí … esse me pegou , graças ao AHS … acreditei quando fui pesquisar.

    • Marco Faustino

      8 de fevereiro de 2019 em 13:39

      Pois é, Nando! Por mais estranho que possa parecer em um primeiro momento, a quantidade de mentiras que eram propagadas no passado era igualmente absurda! 😀

  5. Renan dos Santos

    6 de fevereiro de 2019 em 6:41

    Manooo, vc é um monstro sagrado kkkk. Eu acompanho seu site desde quando me fez perder o medo daquela menina fantasma do corredor a uns 14 anos atras. E essa agora é sem duvida uma das maiores fake news da historia da internet ( alias, do mundo ). Por mais surreal que aparentava, eu acreditava. Parabens pelo trabalho.

    • Marco Faustino

      8 de fevereiro de 2019 em 13:40

      Agradecemos por nos acompanhar, Renan! Esse caso é realmente bem interessante e até hoje continua sendo disseminado como se fosse verdade! 😀

  6. Aracelli

    11 de fevereiro de 2019 em 22:18

    Parabéns pela sua pesquisa! Vc realmente foi a fundo… mas, mesmo assim, eu ainda tenho alguns questionamentos… rsrsrs
    O fato de não existir uma fotografia de Edward não é tão estranho assim, visto que, sendo da nobreza, provavelmente sua família tinha vergonha de sua deformidade e não queria que isso fosse registrado. Quanto aos médicos a quem ele recorreu, não necessariamente precisariam ser os oficiais da família real, justamente para que o caso não ficasse documentado,não? Não ficou muito claro pra mim por que é tão impossível assim acreditar que Edward existiu e acabou desenvolvendo esquizofrenia, o que justificaria as vozes que ele ouvia…
    O homem com aspecto de caranguejo realmente existiu; ele foi utilizado como atração de um circo de horrores, chegou a se casar e o filho dele nasceu com o mesmo problema. E muitas outras pessoas com anomalias sofreram esse tipo de coisa, principalmente as que eram muito pobres, e esses casos serviram de inspiração para a criação de diversas estórias, como a do Fantasma da Ópera.

    • Marco Faustino

      11 de fevereiro de 2019 em 22:47

      Agradeço pelas palvras Aracelli! Bem, nenhum dos personagens citados no artigo “The Wonders of Modern Science: some half human monsters once thought to be of the Devil’s brood” existiram. O caso que você deve estar falando é sobre o Grady Stiles (https://allthatsinteresting.com/lobster-boy), apelidado de “Homem-Lagosta”, e que sofria de ectrodactilia, uma deformidade em que há ausência de um ou mais dedos centrais das mãos ou dos pés, uma malformação congênita. Aliás, a família de Grady tinha um longo histórico em relação a essa deformidade. Porém, a imagem e a descrição citada pelo Charles Hildreth são totalmente absurdas, e nunca existiu nada semelhante ao que foi descrito por ele.

      O caso de Edward Mordrake é realmente falso tanto cientificamente quanto historicamente falando. O inventor de tudo isso foi o Charles Hildreth, que era escritor de ficção especulativa 🙂

      • L Mihael Nate

        18 de junho de 2019 em 21:14

        Eu, pessoalmente, não afirmaria com tanta certeza que essa história é completamente falsa. Nessa pesquisa, existe a intenção fundamental de comprovar 100%, com toda a certeza, a possível inverdade do caso.

        Existe uma citação de um cosmólogo muito conhecido, chamado Carl Sagan, que escreve:

        “A ausência da evidência não é a evidência da ausência.”

        Ou seja, o fato de não ter evidências suficiente para dizer que é verdadeiro, não quer dizer que é totalmente falso. Uma vez que, também não existem evidências suficientes para dizer que é totalmente falso.

        Então. Não estou dizendo que é totalmente verdadeiro, e nem totalmente falso.

        Mas erra, ou é ignorante quem afirma, com tanta certeza, mesmo com carência de evidências concretas, que algo é totalmente verdadeiro ou totalmente falso.

        Então, considere isso apenas uma ressalva.

        Não existe quem tenha certeza absoluta sobre qualquer coisa sem ter considerado todos os meios possíveis, até chegar à verdade.

        Somente quando se chega à verdade, é que se pode ter certeza absoluta, uma vez que a Verdade é incontestável.

        Na sua pesquisa, por excelência, muito bem feita, existem muitas informações adicionais e que complementam à investigação científica, mas também há muitas lacunas e a falta de algumas informações que ninguém tem. Abrindo espaço há especulações. Por isso não se pode ter tanta confiança ou certeza absoluta a ponto de afirmar que algo é completamente falso ou verdadeiro.

        • L Mihael Nate

          18 de junho de 2019 em 21:17

          Correção:

          *Abrindo espaço há especulações.*

          Abrindo espaço para especulações.

        • L Mihael Nate

          18 de junho de 2019 em 21:21

          Correção 2:

          Ou seja, o fato de não ter evidências suficiente para dizer que é verdadeiro, não quer dizer que é totalmente falso.

          Ou seja, o fato de não ter evidências suficientes para dizer que é verdadeiro, não quer dizer que é totalmente falso.

          • L Mihael Nate

            18 de junho de 2019 em 21:22

            Correção da Correção 2:

            *Ou seja, o fato de não ter evidências suficiente para dizer que é verdadeiro, não quer dizer que é totalmente falso.*

            Ou seja, o fato de não ter evidências suficientes para dizer que é verdadeiro, não quer dizer que é totalmente falso.

  7. Lucas Cardozo

    19 de fevereiro de 2019 em 16:44

    Muito bom o texto.

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Populares

Ajude a Manter o E-farsas!

Categorias

Parceiros

Voltando a Circular

Publicidade

Apoio técnico!

Topo