Livro infantil sobre casamento entre pai e filha foi distribuído pelo MEC?

Share Button

É verdade que o Ministério da Educação distribuiu para todo o Brasil um livro infantil que conta a história do casamento de um pai com a sua filha?

A notícia apareceu em diversos sites e blogs no dia 02 de junho de 2017 e se espalhou através das redes sociais. De acordo com o texto, o Ministério da Educação (MEC) teria distribuído nas escolas públicas de todo o Brasil o livro infantil “Enquanto o Sono Não Vem”, que sugere o casamento entre pai e filha!

Dentre os contos do livro, que seria destinado aos alunos do primeiro ao terceiro ano do ensino fundamental (entre 6 e 8 anos de idade), o conto “A Triste História de Eredegalda” fala do pedido de casamento de um rei para uma das filhas, que recusa o convite do pai e é presa em uma torre até aceitar o convite do pai.

Será que isso é verdade?

Trecho do livro sobre incesto que teria sido distribuído para as crianças pelo MEC! Será verdade? (foto: reprodução/Facebook)

Verdade ou farsa?

O livro o livro infantil “Enquanto o Sono Não Vem” é obra do escritor José Mario Brant, foi publicado pela Editora Rocco, e está no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC). De acordo com o Ministério da Educação, o processo de seleção e avaliação, realizado e publicado em 2014, está sendo revisto. No entanto, em uma busca na web, descobrimos que em 2008 esse livro já causava estranheza entre os mais puritanos!

No conto, o rei sugere se casar com uma de suas filhas, mas como ela não aceita, acaba sendo presa em uma torre. Morrendo de sede, ela aceita se casar com o pai, mas morre  antes do casório!

Envie suas dúvidas e sugestões de pauta através do nosso WhatsApp pelo número (11) 96075-5663!

Em nota, a UFMG, que analisou as obras do PNAIC, afirma que toda a polêmica em torno desse conto “trata-se de um julgamento indevido construído por leitura equivocada“.

Prefeituras do ES retiram o livro das salas de aula

No dia 1º de junho de 2017, as prefeituras da Serra, Vila Velha e de Cariacica (no Espírito Santo) informaram que o livro “Enquanto o sono não vem”, começaria a ser recolhido das escolas municipais.

Em entrevista ao Portal G1, o autor do livro disse que foi pego de surpresa e que atribui toda essa polêmica no estado do Espírito Santo à falta de capacitação dos professores!

“Há uma desinformação do que é o conto folclórico e dos contos de fada, que são territórios que abordam assuntos delicados. A gente está falando de um universo simbólico. É uma história que dá voz a uma vítima”, disse ele ao G1.

Ele explicou também que conta essa história há 25 anos e que o livro já foi publicado há mais de 15 anos!

Conclusão

O livro infantil “Enquanto o Sono Não Vem” é uma coleção de contos do folclore reunidos pelo escritor José Mario Brant e um dos contos fala de um rei que sugere se casar com uma das filhas, mas ela morre antes do ato se consumar! O livro foi retirado das escolas de algumas cidades do Espírito Santo e o MEC diz estar reavaliando o processo de seleção!  

Share Button
Verdadeiro
, , , , , , , , , , ,

Comente pelo Facebook

12 comentários

  1. Cesar da Silva

    Uai, a estorinha incomodou aos conservadores… mas não são esses mesmos conservadores que querem que as crianças leiam a Bíblia nas escolas (aquela Bíblia que cita casos de incesto e sexo com amantes “cujos membros eram como os de jumentos”)?

  2. Leticia

    Não Cesar, não sou conservadora a ponto de pregar o que a Bíblia diz ao pé da letra e sou completamente contra esse livro ridículo. O pai, que deveria zelar pelos filhos, quer se casar com a filha?! Pra mim, só posso supor que seja doente mental. Lamentável vc querer justificar uma coisa podre comparando com Bíblia.

    • Porfílio

      Perfeito, Letícia. Esses acéfalos, em breve, dirão que se fartar de fezes é algo tão comum e normal quanto comer um bife, ou um peixe suculentos, só porque alguém um dia já bebeu urina. Eles não tem e não se dão limites.

  3. Ruth suellen

    sinceramente, sou evangélica e não aprovaria a leitura da bíblia em nenhuma escola pública, não se faz isso, o estado é laico. Agora esse conto tá errado! como podem colocar isso pra crianças lerem, sou pedagoga, sei do que estou falando!! isso é errado

  4. Jullya Karolliny

    Olá! Bem, sou estudante do último semestre do curso de Licenciatura Plena em Pedagogia. Recentemente uma de nossas professoras nos solicitou que estudássemos o livro para discussão. Após muito ler e analisá-lo, grande parte da turma concluiu que o livro não se trata de um incesto, pois o pai nem sequer chega a se casar com a filha. Se analisar com cautela o mesmo, perceberá que o livro na verdade fala de uma criança que sofre tortura de seu pai, e como consequência disso ela acaba morrendo de tristeza e fraqueza. Permitir que as crianças leiam esta obra, seria um aspecto até mesmo positivo, fazendo com que algumas delas se identifiquem com o caso da menina e descubram que podem estar sendo vítimas de abuso ou pedofilia em casa ou por outra pessoa, por exemplo.
    Sendo assim, não acho que o livro influência a prática do incesto. E sim, mostra a realidade vivida por uma criança torturada pelo seu pai. Espero ter contribuído! Um abraço

  5. Graça

    Você sabe o que é se dizer de esquerda? É ser a favor do estado garantir direitos iguais a sua população. Independente de ser rico ou pobre. Que direitos são estes : acesso a. Educação, saúde , trabalho., habitação…. E ser contra que pouquíssimas pessoas tenham muito e a maioria viva na miséria. Não tem nada a ver com o que vc falou!

  6. joatas

    Se encontramos adultos se desdobrando para analisar o livro e buscar uma justificativa é poque a mesma não é óbvia parauma criança entre 6 a 8 anos … só um demente pra defender esse lixo como sugestão de leitura.

  7. Meganegão

    Pessoal, nesse livro o pai é o vilão e como tal faz muitas maldades. A proposta de se casar com a filha é mais uma de suas maldades. O que seria desclassificável é os heróis proporem isso e a situação fosse tratada como boa e normal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Digite esse numeros *