17 C
São Paulo
segunda-feira, setembro 27, 2021

Cuba adotou com sucesso a cloroquina no tratamento de pacientes da COVID?

- Publicidade -

É verdade que o governo cubano adotou com sucesso o uso de cloroquina no tratamento de pacientes com o novo coronavírus?

O assunto voltou a ser comentado nas redes sociais no dia 19 de maio de 2021, depois que o ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, afirmou na Comissão parlamentar de Inquerito (CPI) que a ilha cubana teve sucesso no combate ao novo coronavírus após adotar um protocolo baseado no uso de cloroquina.

“Estamos falando de 29 países que hoje têm protocolos de uso de cloroquina no mundo contra COVID. Países como China, países como Coreia do Sul, países como Cuba, que é mundialmente conhecida pela medicina avançada. Cuba tem um protocolo enorme para uso de cloroquina para COVID. Eu tenho esse protocolo todo impresso. Cuba tem um grande protocolo para uso de cloroquina para COVID”, afirmou o general da ativa aos senadores em seu depoimento.

Será que Cuba diminuiu os casos de COVID após o uso de cloroquina?

Verdade ou mentira?

A cloroquina e a sua derivada hidroxicloroquina são medicamentos usados no tratamento e profilaxia de malária, além de auxiliar no tratamento de amebíase extraintestinal, artrite reumatoide e lúpus eritematoso.

Após ficar famosa por suposta cura de pacientes com a COVID-19, a cloroquina passou por inúmeros testes e, desde maio de 2020, estudos vem comprovando que estas drogas não são eficazes contra o novo coronavirus.

A procura pelo medicamento aumentou tanto que, em julho de 2020, a Anvisa publicou uma resolução proibindo a venda desses fármacos sem receita médica.

Em abril de 2021, o vice-presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Donizette Giamberardino Filho, esclareceu durante audiência pública da Comissão Temporária da Covid-19 do Senado que a entidade “não recomenda e não aprova tratamento precoce e não aprova também nenhum tratamento do tipo protocolos populacionais [contra a covid-19]”. A posição é parecida com a da Organização Mundial de Saúde, que recomenda o não uso de cloroquina e hidroxicloroquina em tratamentos contra a COVID-19 por entender que seu uso é ineficaz, além de trazer sérios efeitos colaterais aos pacientes.

Mas e Cuba?

Voltando à Cuba, a ilha caribenha não adotou protocolo de combate ao coronavirus com cloroquina! Essa desinformação parece ter começado aqui no Brasil em publicações feitas em um site em julho de 2020, mas os dados apresentados pela reportagem distorcem falas das fontes originais.

O texto se baseia em declarações do pesquisador cubano Agustín Lage, consultor de um grupo de organizações que colabora com o Ministério da Saúde Pública de Cuba, mas uma busca pela reportagem completa revela que o especialista também disse que não há como provar que o medicamento influenciou ou não na melhoria dos pacientes.

Em entrevista à Folha em julho de 2020, o  pesquisador Agustín Lage disse:

“Eu não disse que a cloroquina foi responsável pela baixa mortalidade da covid-19 em Cuba. Este é um dos medicamentos, dentre outros. Na verdade, a baixa mortalidade no país é resultado da política de saúde estabelecida em plano único que envolve muitos ministérios e organizações do Estado e que inclui ações epidemiológicas e clínicas”   

- Publicidade -

Aliás, o site Covid19CubaData lista o protocolo para o tratamento de pacientes cubanos com COVID e mostra que o governo não inclui hidroxicloroquina na lista de medicamentos recomendados. Esse site é atualizado pelo governo da ilha caribenha e disponibilizado para consulta por jornalista.

Situação atual da pandemia em Cuba

Basta uma simples busca no Google por “coronavirus cuba” para verificar que a informação de que os casos da doença em Cuba caíram é falsa. O gráfico abaixo mostra o contrário:

Casos de infectados com a COVID-19 só aumentam em Cuba! (reprodução/Google)

Medidas severas de restrição

Em abril de 2021, o governo cubano adotou medidas drásticas para tentar diminuir o contágio. Dentre as medidas estão restrições de mobilidade na ilha e sinalizações em casas onde possa haver pessoas contaminadas. O país tem média de quase 1.100 casos diários, cerca de 31% a mais que no fim de março de 2021.

A boa notícia é que Cuba começou a vacinar seu povo com imunizantes desenvolvidos no próprio país. Foram 5 projetos aprovados que trazem esperança aos cubanos.

Atualização: 27/05/2021

Alguns leitores entraram em contato para nos alertar de que há menção à cloroquina e derivados no protocolo cubano para pacientes com COVID. Achamos que cabe aqui mais alguns esclarecimentos.

O documento cita, de fato, a palavra “cloroquina” em algumas páginas, mas como uma recomendação para somente casos leves da doença. Mesmo assim, a recomendação é que o medicamento seja usado em doses baixas e em combinação com outros fármacos. Portanto, é errado afirmar que Cuba teve sucesso no combate à COVID com o uso de cloroquina.

Na página 25 do protocolo, há avisos bem claros sobre os efeitos colaterais da cloroquina:

Na página 25, o documento alerta para os efeitos colaterais do medicamento!

Vários estudos, como esse feito em Cuba e publicado em novembro de 2020, mostram que a eficácia da cloroquina e da hidroxicloroquina não foi totalmente comprovada, uma vez que os resultados não foram conclusivos. O mesmo estudo também alerta para as reações adversas desses medicamentos, sendo as reações cardiovasculares as mais perigosas, uma vez que ocorreram com certa frequência e em relação à dose administrada.

Conclusão

Não é verdade que Cuba adotou com sucesso protocolo incluindo cloroquina para pacientes com coronavirus. O medicamento e seus derivados chegaram a ser usados há quase um ano atrás, mas o governo de lá já não recomenda mais seu uso contra a COVID-19.

- Publicidade -
Gilmar Lopes
Gilmar Henrique Lopes é Analista de Sistemas. Trabalha com PHP e banco de dados Oracle e é especializado em criação de ferramentas para Intranet. Em 2002, criou o E-farsas.com (o mais antigo site de fact checking do país!) que tenta desvendar os boatos que circulam pela Web. Gilmar também tem um espaço semanal dentro do programa “Olá, Curiosos!” no YouTube e co-apresenta o Fake em Nóis ao lado do biólogo Pirulla!

Últimas Atualizações

- Publicidade -

Ajude a Manter o E-farsas

Checagens Relacionadas

42 COMENTÁRIOS

    • Desesperado é quem está mentindo só pra negar que uma ilha irrelevante esteja adotando um remédio usado no mundo inteiro há décadas.

      • “Holocausto uma farsa judaica”. Dá para levar a sério uma pessoa com um nome desses?Bom,não nega que é gado e não nega que votou em quem votou.

    • Pois é! Tão tão desesperados que estão até usando CUBA (comunista petista abortista) como exemplo. É o desespero da direita burra, que acredita em remédios milagrosos e Terra plana. Que bom que tá acabando.

  1. Acho muito estranho o e-farsas informar que a fala do Ex-Ministro é uma Falácia se toda informação que sai da Ilha de Cuba é controlada.

    Qual sua fonte de dentro da Ilha para dizer que a informação é falsa??

    ANKARA

    Health authorities in Cuba are using low doses of the antimalarial drug hydroxychloroquine to effectively treat COVID-19 patients in the early stages of the disease.

    “We do use hydroxychloroquine in the framework of the protocol for management of coronavirus patients,” Dr. Augustin Lage Davila, advisor to the president of BioCubaFarma and former director of the Centre for Molecular Immunology in Havana, told Anadolu Agency on Thursday.

    —————————–

    ANCARA

    As autoridades de saúde em Cuba estão usando baixas doses do medicamento antimalárico hidroxicloroquina para tratar eficazmente os pacientes com COVID-19 nos estágios iniciais da doença.

    “Nós usamos hidroxicloroquina na estrutura do protocolo de tratamento de pacientes com coronavírus”, disse o Dr. Augustin Lage Davila, conselheiro do presidente da BioCubaFarma e ex-diretor do Centro de Imunologia Molecular de Havana, à Agência Anadolu na quinta-feira.

    https://www.aa.com.tr/en/americas/cuba-early-hydroxychloroquine-potent-against-covid-19/1905650

  2. Então, pelo próprio link que vcs apresentaram, dá pra ver que nas 6 versões dos protocolos está presente a utilização de cloroquina, sendo a última versão se janeiro de 2021.
    Infelizmente parece proceder a informação do pazuello, o que não exime o governo da culpa de transformar o medicamento em peça publicitária para que as pessoas voltassem a sair, tomassem como profilaxia… O governo foi claramente responsável por inúmeras mortes só ao propagar a cloroquina. Ainda assim, está informação em particular é verdadeira.

    • Repetindo a minha mesma resposta para outro leitor:
      Dizer que “Cuba adotou a cloroquina com sucesso a cloroquina como protocolo” dá a entender que esse remédio é a solução para todos os problemas relacionados à COVID, o que não é verdade. Mesmo se Cuba tivesse usando cloroquina (não está), como a gente pode ver no gráfico, os casos só estão aumentando por lá.
      Quanto ao documento, na página 25, olha o que diz: https://imgur.com/a/trBTrxw
      (tradução by Google)
      “Efeitos adversos da cloroquina: dores de cabeça, náuseas, vômitos, diarreia, erupção na pele. A parada cardíaca é uma reação adversa grave, portanto, se usada, deve ser seguida de um eletrocardiograma (ECG) (antes e durante o tratamento). Outra reação adversa é a toxicidade ocular. Não deve ser usado em pacientes com arritmias cardíacas ou bloqueios do átrio ventricular e doenças da retina. Também não é recomendado associar a drogas que podem prolongar o intervalo CIT no ECG, como amiodarona, azitromicina, moxifloxacina. A dose deve ser ajustada em casos de disfunção renal ou hepática.”

    • Dizer que “Cuba adotou a cloroquina com sucesso a cloroquina como protocolo” dá a entender que esse remédio é a solução para todos os problemas relacionados à COVID, o que não é verdade. Mesmo se Cuba tivesse usando cloroquina (não está), como a gente pode ver no gráfico, os casos só estão aumentando por lá.
      Quanto ao documento, na página 25, olha o que diz: https://imgur.com/a/trBTrxw
      (tradução by Google)
      “Efeitos adversos da cloroquina: dores de cabeça, náuseas, vômitos, diarreia, erupção na pele. A parada cardíaca é uma reação adversa grave, portanto, se usada, deve ser seguida de um eletrocardiograma (ECG) (antes e durante o tratamento). Outra reação adversa é a toxicidade ocular. Não deve ser usado em pacientes com arritmias cardíacas ou bloqueios do átrio ventricular e doenças da retina. Também não é recomendado associar a drogas que podem prolongar o intervalo CIT no ECG, como amiodarona, azitromicina, moxifloxacina. A dose deve ser ajustada em casos de disfunção renal ou hepática.”

  3. Acho que houve um equívoco do e-farsas. A fala do ministro, como está reproduzida na matéria, não fala em hidroxocloroquina e sim cloroquina. E o link do site de Cuba, no quadro de seus protocolo, desde o primeiro em março de 2020, fala sim em cloroquina!
    E o ministro não falou que estaria havendo sucesso no tratamento. Só elencou os países que usam a cloroquina em protocolos de tratamento.
    Espero ter ajudado.

  4. Meu Deus! esse e-farsas é tão ridículo que coloca o link informando que não usa a cloroquina quando o site informa que sim! que usa a cloroquina. https://covid19cubadata.github.io/protocols.html

    O título é sobre cloroquina, que é usado no último protocolo v6, conforme link do próprio e-farsas, mas na frase diz que não tem na lista “hiróxicloroquina”, quem esta bancando essa FARSA de site .

    • Vitor, se você acredita piamente que Cuba esteja usando cloroquina, então também acredita que esse medicamento (e suas variantes) não funcionam contra a COVID, né? Basta observar no gráfico que os casos só aumentam na ilha.
      Peço que você (se quiser) leia o documento inteiro e não apenas busque por palavra chave.

  5. Decidi desistir de participar quando me dei conta que os direitontos estão usando CUBA como exemplo a ser seguido…. a hipocrisia é tão grande (Cuba comunista, Petista, abortista, gayzista, “vai pra Cuba”) que só tenho pena do gado que defende esse tratamento furado. Espero de verdade que morram todos de Covid, mas que sofram uma morte lenta e dolorosa. Que todos abram mão da vacina como essa tia aqui:

    https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2021/05/mulher-de-77-anos-que-assinou-termo-rejeitando-vacina-morre-de-covid-no-rs.shtml

    E deixem a natureza seguir seu curso. Darwin agradece.

  6. E, aos poucos, a casa vai caindo!

    https://congressoemfoco.uol.com.br/legislativo/cpi-da-covid/saude-admite-ineficacia-de-cloroquina-e-outros-medicamentos-do-kit-covid/

    Antes funcionava pra tudo. Agora não funciona em hospitalizados… quanto tempo até sair a nota “É, então, não funciona pra ninguém, exatamente como os inúmeros estudos comprovaram previamente.. ops!”

    E ainda assim vai ter bovino defendendo essa pilha fumegante de merda!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui