Connect with us

E-farsas

É verdade que o BNDES doou bilhões de dólares para países comunistas?

Dinheiro

É verdade que o BNDES doou bilhões de dólares para países comunistas?

Colagem de fotos afirma que o BNDES doou bilhões de dólares para financiar obras em países de governos ditatoriais e/ou comunistas durante gestões de governos anteriores! Será verdade?

As imagens não são novas, mas voltaram a circular através de grupos de WhatsApp e Telegram no final de janeiro de 2022. O texto que acompanha as fotos de obras afirma que o Brasil teria doado, por intermédio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), bilhões de dólares para países governados por ditadores da América do Sul e África usarem em 17 obras faraônicas, como U$ 11 bilhões para a Venezuela e 14 bilhões para a Angola.

Será que esses dados são reais?

1 – Ponte sobre o Rio Orinoco – custo de R$ 1,2 bilhão – FALSO

A construção da ponte sobre o Rio Orinoco, na Venezuela, não foi financiada pelo BNDES. Em 2003 surgiu a notícia afirmando que o Brasil iria emprestar R$300 mil para a construtora que ia tocar a obra, mas isso não se concretizou.

Em 2006, o então presidente Lula participou da inauguração da ponte que faz divisa com o Brasil e, como a solenidade ocorreu dias antes das eleições presidenciais na Venezuela, muita gente acusou o ato de eleitoreiro.

2 – 127 ônibus articulados para a Colômbia – U$ 30 milhões – FALSO

Não encontramos nada referente à compra de ônibus articulados para a Colômbia nos dados disponibilizados pelo BNDES. Em 2011, o BNDES aprovou financiamento no valor total de US$ 90 milhões para exportação, pela Scania Latin America Ltda, de até 454 ônibus fabricados no Brasil para a Colômbia. 

Os veículos foram destinados às operadoras de serviços de transporte público de passageiros do Sistema Integrado de Transporte Público de Bogotá (SITP), mas não se trata de doação!

3 – Venezuela U$11 bilhões – EXAGERADO

Conforme mostrado pelo BNDES em seu site, o banco emprestou à Venezuela US$ 1,5 bilhão entre 1998 e 2019 (e não 11 bilhões). Além disso, o governo venezuelano já pagou quase toda a dívida, devendo “apenas” US$ 352 milhões ao Brasil.

4 – Ferrovia Sarmiento, na Argentina – U$ 1,5 bilhão – FALSO

Diferente do que a corrente afirma, não houve investimento e/ou empréstimo do BNDES para obras na Ferrovia Sarmiento, na Argentina! As obras não foram financiadas e foram executadas pela construtora Odebrecht. 

O BNDES desmentiu essa afirmação em seu perfil do Twitter: 

Em 2019, foram abertas investigações na Argentina para apurar possíveis superfaturamentos nas obras.

5 – Hacia El Norte, na Bolívia – U$ 200 milhões – FALSO

Em 2015, foi aberto um pedido na CPI do BNDES onde esse caso foi investigado e nada foi encontradoO BNDES já desmentiu algumas vezes essa história:

Aliás, no portal do BNDES não consta empréstimos à Bolívia:

6 – Cuba U$ 3 bilhões – EXAGERADO

Em nota, o BNDES explicou que houve U$ 656 milhões em empréstimos para Cuba e que a ilha ainda deve US$ 62 milhões ao Brasil.

A dívida é para ser paga em 25 anos e Cuba vinha pagando em dia até 2018, quando parou de pagar.

7 – Angola 14 bilhões – FALSO

O BNDES explica que, nesse tipo de financiamento o banco desembolsa os recursos exclusivamente para a empresa brasileira que vende ou presta o serviço no exterior. Esse dinheiro serve para viabilizar obras de engenharia como a construção de estradas, usinas hidrelétricas e casas populares, por exemplo — mas não cobre todo o empreendimento, apenas os bens e serviços brasileiros exportados para uso naquela obra.

O BNDES explica também que emprestou US$ 3,2 bilhões entre 1998 e 2017 para Angola e que o país quitou todas as parcelas antes do prazo combinado em dezembro de 2019. Angola quitou a dívida que tinha com o BNDES 5 anos antes do previsto, conforme dados do site do Governo Federal.

8 – Hidrelétrica de Tumarín (Nicarágua) U$ 1,1 bilhão – FALSO

O BNDES não financiou essa obra: 

9 – hidrelétrica Manduriacu (Equador) U$ 125 milhões – IMPRECISO

De acordo com o documento assinado pelo BNDES, foram emprestados U$ 106 milhões para o Equador, que deve atualmente 49 milhões do total e não tem nenhuma parcela em atraso.

10 – Metrô em Caracas – 732 milhões – IMPRECISO

O Brasil emprestou via BNDES cerca de US$ 690 milhões para a construtora Odebrecht (e não para Caracas) para as obras de expansão do metrô em Caracas, na Venezuela. No entanto, as obras atrasaram muito e apenas metade delas foi entregue até 2019.

11 – Aeroporto de Nacala, em Moçambique – 200 milhões – EXAGERADO

Em nota de 2017, o BNDES explica que financia a exportação de bens e serviços de engenharia, mas “essas operações se referem, exclusivamente, à parcela de bens e serviços brasileiros utilizados nas obras, que não incluem, por exemplo, gastos locais“.

O BNDES também explicou que essas operações são feitas no Brasil, em reais e que o financiamento do BNDES foi de 125 milhões e não 200 milhões.

Em 2020, a dívida foi renegociada.

12 – Via Expressa Luanda-Kifangondo, em Angola – FALSO

Não tem nada de sigilo nos valores referentes a empréstimos concedidos à Angola e, como já mostramos, a Angola já quitou a sua dívida com o BNDES bem antes do combinado.

13 – Projeto Bayovar – Peru – FALSO

Em 2009, a construtora Andrade Gutierrez recebeu um empréstimo de U$ 58 milhões. Já o país, que havia recebido U$ 348 milhões do BNDES, não deve mais nada.

14 – Argentina – U$8 bilhões – FALSO

A Argentina recebeu um total de U$ 2 bilhões, faltando 47 milhões para quitar toda a dívida.

15 – Aqueduto do Chaco na Argentina – U$180 milhões – FALSO

O BNDES esclareceu, em 2017, que não iria financiar o aqueduto do Chaco. 

16 – BRT de Maputo, em Moçambique – U$ 220 milhões – FALSO

A obra de implantação do BRT (um sistema rodoviário para ônibus) em Maputo (Moçambique) também não consta na lista de projetos financiados pelo BNDES

17 – Rede de gasodutos em Montevidéu, no Uruguai – U$ 300 milhões – FALSO

Não encontramos nada referente a isso nos dados do BNDES.

Auditoria milionária não encontrou nada

Em 2019, o Governo Federal gastou R$ 48 milhões em relatório de investigação externa referente a operações do BNDES entre os anos de 2005 a 2018 e a auditoria não encontrou indícios de corrupção.

Em junho de 2021, o presidente Jair Bolsonaro admitiu publicamente que não existe uma “caixa-preta no BNDES”. O termo era usado para acusações de irregularidades na instituição durante os governos anteriores.

Conclusão

A lista de supostas doações bilionárias feitas pelo BNDES para outros países é falsa! 

Gilmar Henrique Lopes é Analista de Sistemas e, em 2002, criou o E-farsas.com (o mais antigo site de fact checking do país!) que tenta desvendar os boatos que circulam pela Web. Gilmar é o autor do livro "Caçador de Mentiras" pela Editora Matrix e da aventura de ficção infantojuvenil "Marvin e a Impressora Mágica"!

Comentários

Mais Checagens em Dinheiro

To Top