18.9 C
São Paulo
quinta-feira, dezembro 1, 2022

Lula expulsou o jornalista Larry Rohter por ele publicar que o presidente era alcoólatra?

- Publicidade -

É verdade que o então presidente Lula expulsou em 2004 o jornalista norte-americano Larry Rohter do Brasil após ele fazer uma matéria sobre problemas que o presidente tinha com bebidas?

A publicação surgiu nas redes sociais no final de julho de 2019 e, em algumas publicações feitas no Facebook a respeito, o assunto conseguiu mais de 15 mil compartilhamentos em menos de 18 horas!

Segundo o texto que acompanha uma foto do jornalista norte-americano Larry Rother, o então presidente Lula teria expulsado ele do Brasil após uma publicação sua afirmando que o presidente bebia demais! A expulsão, segundo o texto, teria ocorrido em 2004.

Será que isso é verdade mesmo?

Texto que acompanha a foto: “Jornalista deportado do Brasil por Lula! ESSE É O JORNALISTA AMERICANO LARRY ROHTER. ELE FOI EXPULSO DO BRASIL EM 2004 PELO ENTÃO PRESIDENTE LULA. O MOTIVO?? ELE ESCREVEU UM ARTIGO SOBRE O APREÇO DE LULA POR BEBIDAS ALCOÓLICAS. SÓ ISSO!”

Verdade ou mentira?

A parte sobre a expulsão de Larry Rother do Brasil é falsa, pois ela não chegou a ocorrer, como o próprio jornalista explicou em uma entrevista ao programa Roda Viva:

Entenda o caso

Em maio de 2004, o jornal New York Times publicou uma matéria assinada por Rother cuja manchete foi: “Hábito de bebericar do presidente vira preocupação nacional“. O jornalista descreveu em seu artigo supostos excessos alcoólicos do então presidente Lula e de eventuais erros na sua gestão que – segundo o Rother – estariam ocorrendo por causa do consumo exagerado de bebida alcoólica pelo presidente. A matéria ainda comparava o consumo de bebida de Lula com outro presidente brasileiro, Jânio Quadros!

No mesmo dia da publicação do jornal, a Secretaria de Imprensa da Presidência afirmou ontem que o texto “não é jornalístico”, mas uma manifestação de “calúnia, difamação e preconceito” e que o governo só iria se pronunciar sobre as medidas a respeito da reportagem do “NYT” no dia seguinte (10 de maio de 2004).

Lula pede então a expulsão do jornalista do Brasil, uma decisão que pegou mal no mundo todo, como mostrado nessa matéria feita na ocasião pelo portal Terra.

- Publicidade -

No dia 14 de maio de 2004,  então ministro do STJ Peçanha Martins cancelou o pedido do presidente, e no dia seguinte o jornal The New York Times publicou uma nota afirmando estar “bastante satisfeito” com a decisão do governo brasileiro de reverter a cassação do visto do jornalista Larry Rohter. O jornalista, na época, queria também um pedido de desculpas do Governo, mas isso não rolou.

Conclusão

Em 2004, o então presidente Lula ameaçou cassar o visto do jornalista norte-americano Larry Rother por causa de uma matéria afirmando que Lula tinha problemas com álcool. No entanto, uma decisão do então ministro do STJ Peçanha Martins cancelou o pedido do presidente, que a acatou, desistindo da cassação!

- Publicidade -
Gilmar Lopes
Gilmar Henrique Lopes é Analista de Sistemas. Trabalha com PHP e banco de dados Oracle e é especializado em criação de ferramentas para Intranet. Em 2002, criou o E-farsas.com (o mais antigo site de fact checking do país!) que tenta desvendar os boatos que circulam pela Web. Gilmar também tem um espaço semanal dentro do programa “Olá, Curiosos!” no YouTube e co-apresenta o Fake em Nóis ao lado do biólogo Pirulla!

Últimas Atualizações

- Publicidade -

Ajude a Manter o E-farsas

- Publicidade -

Checagens Relacionadas

76 COMENTÁRIOS

  1. Então se não fosse pela decisão do ministro do stj que”cancelou o pedido do presidente” ,ele provavelmente seria expulso, ou seja, o pedido de expulsou foi pedido pelo presidente Lula e só não foi efetivado pela intervenção do STJ. Eu sei que esse site é tendencioso então eles sempre vai distorcer para um outro lado, como vemos na conclusão, ” Lula ameaçou cassar o visto do jornalista” de fato ele não ameaçou, e sim queria, pois ele pediu, mas o pedido foi frustado pelo ministro do stj…..A minha sugestão se esse site tentar buscar o mínimo de neutralidade…que exponha os fatos e não chegue a conclusão diversa dos fatos, pois precisamos de um site, procure inconsistência nas notícia produzidas em rede sociais, poi do contrário, se continuar tendencioso, vai perdendo a credibilidade…e vai cair no ostracismo….

    • Na verdade, não quis dar muita enfase pra isso pra não me acusarem de insinuar que o Bolsonaro esteja fazendo igualzinho ao que o Lula fez. Infelizmente, alguns leitores me entenderam errado. Não ligo para o ostracismo e se optar por buscar informações em outros sites, fique à vontade. Abração!

      • @Gilmar Lopes , hummmm… 😐 eu acho que, neste caso, Clovis Wilson tem razão. “ameaçar” é bem diferente de “pedir”. Você deve ouvi-lo e/ou então, refletir e reconsiderar isso mais tarde pois, atualmente, há uma nítida radicalização, bipolarização política e os ânimos das pessoas estão acirrados e à flor da pele. Qualquer deslize, por mais pequeno que seja, será motivo de uma chuva de críticas da parte contrária.

        • a Maria é mãe do Gilmar? como defende o menino.hahaha, e a Maria, é isenta, só acredita em mensagens manipuladas , sem perícia, de hacker criminosos…rsrsrs

          • @Ricardo , não, sou apenas uma internauta assim como você. E eu não fico somente defendendo ele não, eu defendo a VERDADE, doa a quem doer, e já teci algumas críticas (construtivas) no Gilmar quando observei que ele cometeu alguma falta. 😉

      • O Luladrão pediu sim a expulsão. Ele não saiu por conta da decisão judicial.

        Creio que o site apenas jogue com as palavras para dizer que é falsa. Pede um rigor que as pessoas podem não ter. Ao invés de julgar como falsa, não seria melhor dizer q é verdade parcial?

        – “Lula [tentou] expulsar …”
        Isso é verdadeiro

        – “Lula expulsou …”
        Por que seria falso, se a intenção era essa?

        – “Lula mandou que saísse…”
        Verdadeiro, então o “falso” dado pelo site é apenas por conta de uma rigidez com que se considera o significado de “expulsar”?

        É como aqueles sites que disseram que a foto da Greta, comendo durante viagem de trem, e as crianças pobres na janela era falsa! Era um meme, uma arte, uma crítica a Greta e suas declarações histéricas. Não vi ninguém compartilhando como se fosse verdade, era uma evidente montagem, sem muita pretensão de falsificar a realidade e enganar. Fiquei até curioso para ver se esse site também passou essa vergonha. Se for, vai ser semelhante aquele pessoal que não consegue detectar ironia ou sarcasmo.

    • Então pelo que li, Lula expulsou realmente o jornalista, que graças ao STJ não foi deportado. Bolsonaro já divulgou que não faria o mesmo. O conteúdo faz jus ao nome do site.

    • Você tem razão. É falso “em termos”. Só não foi expulso porque o STJ cancelou. Deveriam ter acentuado isso, mas como bons esquerdinhas que são, o e-farsas preferiu dar a impressão de que o incidente jamais ocorreu, e que Lula aceitou de boa as críticas – o que NÃO é verdade. Esse e-farsas não é confiável.

  2. Eu não sabia que o sapo barbudo 9 dedos bebia tanto a ponto de ser considerado alccólatra e causar problemas e constragimento lá em Brasília. Como ele está preso lá em Curitiba, deve ter sofrido e muito com a repentina abstinência então…, acho… 😐 KKKKKKKKKKKKK! 😀

  3. Chegamos à conclusão de que o Estado está formado por quatro Poderes: O Executivo, o Legislativo, o Judiciário e a Imprensa.

    Ainda quando a veiculação da notícia coloque em risco a segurança nacional e das instituições, ainda quando os meios de se obterem as provas sejam ilícitos e afrontem a Ética, a liberdade de imprensa se impõe de forma soberana. É a ditadura da imprensa!

    A mesma imprensa que clama por democracia irrestrita quando lhe convém manifestar-se é a mesma imprensa que impõe a ditadura do banimento dos manifestantes quando o discurso destes não lhe convém, como aconteceu comigo na página da Deutsche Welle do Brasil (“Deustche Goebbels”, para nós da direita alemã) no Facebook.

    Finalmente, como advogado, só quero deixar claro que a Constituição Federal veda que o juiz fundamente sua decisão com base em provas obridas por meio ilícito, devendo ordenar a exclusão dos autos de referidas provas.

    • @Yascha Blumenfeld , você está um pouco “desatualizado” e se esquecendo do 5º Poder: a INTERNET e, embora já existam algumas leis que a regulamente, na prática, ela ainda continua LIVRE e ANÁRQUICA (ainda bem – opinião pessoal). Não a subestime. 😉

    • Parei de ler quando cheguei no “ditadura da imprensa”. Amigo, é impossível a imprensa manipular informações hoje em dia. A verdade simplesmente é jogada nos 4 ventos da internet, quem procura acha. A verdadeira ditadura é das fake news e teorias da conspiração (sim, estou falando das notícias que vocês recebem no WhatsApp)

  4. Tudo que falam do bandido do Lula, esse site corre pra dizer se é verdade ou farsa. Kkkkkkk
    O mais importante é que a verdade é que o Lula é um bandido e tem um belo processo nas costas e isso não tem como esse site que adora defendê-lo dizer que não é verdade.

    • Se você não fosse retardada, talvez entenderia a importância de não deixar que notícias falsas sejam vinculadas e espalhadas por aí, independente se for sobre o Lula ou sobre o Bolsonaro. Mas você deve ser uma mula que acredita que um político será a salvação da sua vida e que o fato de você ser massa de manobra da direita faz você estar acima de alguém que é massa de manobra da esquerda. No final continua um bom e velhor gado.

  5. “NENHUM DESSES RUMORES FORAM” ???. Estou começando a dar razão a um ex-presidente que dizia que estudar era muito trabalhoso… Postaram uma mensagem no meu Whatsapp, fui conferir e acabei lendo esse conteúdo. Que decepção!

  6. Estava claro aí que se continuássemos dando mandatos para o lulopetismo certamente entraríamos num período nefasto onde estariam em risco as liberdades individuais e demais direitos, venezuelanos que o digam. pT nunca mais!

  7. Gilmar, seu malabarismo editorial é ridículo. Como você sabe que a maioria das pessoas só lê o título, tenta ludibriar o leitor, deixando a parte principal da informação escondida lá no fim do texto: “Lula pede então a expulsão do jornalista do Brasil, uma decisão que pegou mal no mundo todo…” Resumo da ópera: jornalista do New York Times disse em matéria que Lula gostava de aguardente. Lula não gostou e pediu a expulsão do profissional. Se o fato se consumou ou não, pela repercussão negativa e pela ação do Judiciário, pouco importa. O principal ato dessa história foi a atitude ditatorial de Lula. E isso ninguém vai apagar, Gilmar. Seu site é, em resumo, uma farsa!

    • Interpretação de textos 101:
      O boato: ‘É verdade que o então presidente Lula expulsou em 2004 o jornalista norte-americano Larry Rohter do Brasil após ele fazer uma matéria sobre problemas que o presidente tinha com bebidas?’
      A conclusão: ‘Em 2004, o então presidente Lula ameaçou cassar o visto do jornalista norte-americano Larry Rother por causa de uma matéria afirmando que Lula tinha problemas com álcool. No entanto, uma decisão do então ministro do STJ Peçanha Martins cancelou o pedido do presidente, que a acatou, desistindo da cassação!’
      Qual foi a farsa que você citou?

        • quando o Bozo fizer acordos espúrios com empreiteiros na calada da noite, quando ele destruir a petrobrás, quando ele pagar deputados para aprovar medidas provisórias (não me refiro a liberar verbas), em troca receber propina de empresas..ai a gente começa a comparar…

        • Exato. A ideia de elegerem o Bozo não era tornar o governo algo MELHOR? Então por que insistem em nivelar por baixo? Nunca entenderei a cabeça de um bozominion…

        • @Gilmar Lopes , KKKKKKK! 😀 É porque você está mexendo em NINHOS GIGANTES DE VESPAS/ABELHAS. É por isso que as pessoas mais sensatas aconselham a não discutir e/ou tocar em assuntos delicados e/ou polêmicos como POLÍTICA, RELIGIÃO, FUTEBOL etc no ambiente familiar, no ambiente de trabalho, em público etc. 😉

          • O pior de tudo é que muitos querem que eu escreva pra pessoas que só vão ler o título e a conclusão. Infelizmente nos tornamos uma sociedade rasa, apoiada em questões rasas e discussões que se passarem de duas réplicas já cai pro insulto pessoal…

        • @Gilmar Lopes , entretanto, FARSA é FARSA, não importa se de cunho político, religioso, curiosidades etc, pelo menos em FATOS PONTUAIS que podem ser verificados. Você se propôs a desvendá-las, i.e., descobrir a VERDADE e a verdade assim como sua irmã REALIDADE, muitas vezes é DURA, CRUEL e INCONVENIENTE e, às vezes, machuca/ofende muito as crenças das pessoas que não querem ouvi-la. A reação raivosa natural de alguns deles é um dos preços que , infelizmente, você precisa pagar. 😉

          • Caro, Gilmar
            Há uma contradição explícita na sua conclusão. Diz que o ex-presidente Lula “ameaçou cassar”. E na sequência termina por dizer que um decisão do STJ cancelou o “pedido”. Ora, porque o STJ precisaria emitir decisão por um pedido? Porque não foi pedido. Foi decisão do na época ministro da justiça interino Luiz Paulo Teles Ferreira Barreto. Portanto, é fato e não farsa a informação. Só não foi concluída por decisão do STJ. E o foi tão perturbaria ao jornalista que disse não querer mais voltar ao Brasil a trabalho ou turismo.

  8. Pobre que é imparcial. E faça investigação sobre o número de mortes (que incluem mortes até em outros paises, por aplicação de hidrogel, por troca de tiros com a policia, etc) por “homofobia” no Brasil declaradas pelas mídias sem nenhuma verificação de dados.

  9. Mostre que é imparcial. E faça investigação sobre o número de mortes (que incluem mortes até em outros paises, por aplicação de hidrogel, por troca de tiros com a policia, etc) por “homofobia” no Brasil declaradas pelas mídias sem nenhuma verificação de dados.

  10. Há há… Lula “ameaçou” .. Ameaçou não… Fez o que podia para expulsar, o que só não aconteceu porque o Judiciário não deixou. Justificativa: “não quis dar ênfase”.. Há há… Piorou.
    CONCLUSÃO: LULA FEZ TUDO O QUE PODE PARA EXPULSAR UM JORNALISTA QUE NÃO REZOU POR SUA CARTILHA.
    CONCLUSÃO 2 : esse site faz tudo para amenizar as notícias sobre a gangue petista.
    CONCLUSÃO 3 : o dono do site dispensa leitores que pedem alguma neutralidade
    CONCLUSÃO 4 : tchau ! Fui !

  11. A verdade é que o Lula mandou, sim, expulsar o jornalista americano. O fato só não foi consumado por intervenção do ministro da jusitça da época.
    O resumo é que parte da notícia é verdade sim, o Lula MANDOU expulsar o jornalista.

  12. E aí Gilmar, o gato comeu tua lingua? vc não vai publicar no efarsas a farsa dos 3 milhões de pessoas na av paulista?. a noticia sai em todos os orgãos de informação afirmando tal safadeza com o povo de são paulo.

    • Tu quer mandar agora nas farsas que o cara bota e que não bota? Depois de ter insinuado que ele não faz farsas contra o PT e ele te mandar os links? Para que ele vai ficar fazendo a vontade de canalhas que nem você, que só sabe exigir as coisas e não pesquisa você mesmo?

  13. Lembrando que o artigo de Rohter no NYT tem Leonel Brizola como fonte. Sim, Rohter chegou a ser expulso mas teve a expulsão revogada depois de pedir desculpas a Lula. Lula agiu de forma extremamente anti-democratica. Vale lembrar que Rohter não comparou o hábito de consumo de Lula ao de Jânio Quadros mas apenas lembrou porque o consumo excessivo de álcool preocupa pessoas próximas ao presidente.

    Notícia da Folha, de 2004, sobre o pedido de desculpas. https://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u60869.shtml

    Larry Rohter mais tarde passaria 4 anos pesquisando e escrevendo a excelente biografia do Marechal Rondon.

  14. Caro Gilmar, favor corrigir o seguinte trecho “A matéria ainda comparava o consumo de bebida de Lula com outro presidente brasileiro, Jânio Quadros!” já que a matéria não faz isso. Segue a integra do artigo de Larry Rohter:

    Brazilian Leader’s Tippling Becomes National Concern
    By Larry Rohter
    May 9, 2004

    Luiz Inácio Lula da Silva has never hidden his fondness for a glass of beer, a shot of whiskey or, even better, a slug of cachaça, Brazil’s potent sugar-cane liquor. But some of his countrymen have begun wondering if their president’s predilection for strong drink is affecting his performance in office.

    In recent months, Mr. da Silva’s left-leaning government has been assailed by one crisis after another, ranging from a corruption scandal to the failure of crucial social programs. The president has often stayed out of the public eye and left his advisers to do most of the heavy lifting. That has spurred speculation that his apparent disengagement and passivity may somehow be related to his appetite for alcohol. His supporters, however, deny reports of heavy drinking.

    Though political leaders and journalists are increasingly talking among themselves about Mr. da Silva’s consumption of liquor, few are willing to express their misgivings in public or on the record. One exception is Leonel Brizola, the leader of the leftist Democratic Labor Party, who was Mr. da Silva’s running mate in the 1998 election but now worries that the president is ”destroying the neurons in his brain.”

    ”When I was Lula’s vice-presidential candidate, he drank a lot,” Mr. Brizola, now a critic of the government, said in a recent speech. ”I alerted him that distilled beverages are dangerous. But he didn’t listen to me, and according to what is said, continues to drink.”

    During an interview in Rio de Janeiro in mid-April, Mr. Brizola elaborated on the concerns he expressed to Mr. da Silva and which he said went unheeded. ”I told him ‘Lula, I’m your friend and comrade, and you’ve got to get hold of this thing and control it,”’ he recalled.

    ”’No, there’s no danger, I’ve got it under control,”’ Mr. Brizola, imitating the president’s gruff, raspy voice, remembers Mr. da Silva replying then. ”He resisted, and he’s resistant,” Mr. Brizola continued. ”But he had that problem. If I drank like him, I’d be fried.”

    Gift subscriptions to The New York Times, Cooking and Games.
    Starting at $15.
    Spokesmen for Mr. da Silva declined to discuss the president’s drinking habits on the record, saying they would not dignify baseless charges with a formal reply. In a brief e-mail message responding to a request for comment, they dismissed speculation that he drank to excess as ”a mixture of prejudice, misinformation and bad faith.”

    Mr. da Silva, a 58-year-old former lathe operator, has shown himself to be a man of strong appetites and impulses, which contributes to his popular appeal. With a mixture of sympathy and amusement, Brazilians have watched his efforts to try not to smoke in public, his flirtations at public events with attractive actresses and his continuing battle to avoid the fatty foods that made his weight balloon shortly after he took office in January 2003.

    Aside from Mr. Brizola, political leaders and the news media alike seem to prefer to deal in innuendo, but do so with relish. Whenever possible, the Brazilian press publishes photos of the president bleary-eyed or ruddy-faced, and constantly makes references both to weekend barbecues at the presidential residence at which the liquor flows freely and to state events at which Mr. da Silva never seems to be without a drink in his hand.

    ”I’ve got a piece of advice for Lula,” the gadfly columnist Diogo Mainardi wrote in late March in Veja, the country’s leading newsmagazine, reeling off a list of articles containing such references. ”Stop drinking in public,” he counseled, adding that the president has become ”the biggest advertising spokesman for the spirits industry” with his very conspicuous consumption of alcohol.

    A week later, the same magazine printed a letter from a reader worrying about ”Lula’s alcoholism” and its effect on the president’s ability to govern. Though some Web sites have been complaining for months about ”our alcoholic president,” it was the first time the mainstream national press had referred to Mr. da Silva in that manner.

    Historically, Brazilians have reason to be concerned at any sign of heavy drinking by their presidents. Jânio Quadros, elected in 1960, was a notorious tippler who once boasted, ”I drink because it’s liquid”; his unexpected resignation, after less than a year in office during what was reported to be a marathon binge, initiated a period of political instability that led to a coup in 1964 and 20 years of a harsh military dictatorship.

    Whether or not Mr. da Silva really has a drinking problem, the issue has seeped into the public consciousness and become the subject of gibes. When the government spent $56 million early this year to buy a new presidential plane, for instance, the columnist Claudio Humberto, a sort of Matt Drudge of Brazilian politics, sponsored a contest to give a tongue-in-cheek name to the aircraft.

    One winning entry, recalling that the United States president’s plane is called Air Force One, suggested that Mr. da Silva’s jet should be designated ”Pirassununga 51,” which is the name of the most popular brand of cachaça. Another suggestion was ”Powered by Alcohol,” a pun referring to a government plan to encourage cars to use ethanol as fuel.

    Speculation about the president’s drinking habits has been fed by various gaffes and faux pas that he has made in public. As a candidate, he once offended residents of a city regarded as a haven for gays by calling it ”a factory that manufactures queers,” and as president, his slips in public have continued and become part of Brazilian political folklore.

    At a ceremony here in February to announce a large new investment, for example, Mr. da Silva twice referred to the president of General Motors, Richard Wagoner, as the president of Mercedes-Benz. In October, on a day honoring the nation’s elderly, Mr. da Silva told them, ”when you retire, don’t stay at home bothering your family, find something to do.”

    Abroad, Mr. da Silva has also stumbled or spoken ill-advisedly. On a visit to the Middle East last year, he imitated an Arab accent in speaking Portuguese, mispronunciations and all; and in Windhoek, Namibia, he said the city seemed to be so clean that it ”hardly seems like Africa.”

    Mr. da Silva’s staff and supporters respond that such slips are only occasional, are to be expected from a man who likes to speak off the cuff and have nothing to do with his consumption of alcohol, which they describe as moderate in any case. As they see it, he is being held to a different and unfair standard than that of his predecessors because he is Brazil’s first working-class president and received only a sixth-grade education.

    ”Anyone who has been at a formal or informal reception in Brasília has witnessed presidents sipping a shot of whiskey,” the columnist Ali Kamel wrote in the Rio de Janeiro daily O Globo recently. ”But you’ll have read nothing in that respect about other presidents, just about Lula. That smacks of prejudice.”

    Mr. da Silva was born into a poor family in one of the country’s poorest states and spent years leading labor unions, a famously hard-drinking environment. Brazilian press accounts have repeatedly described the president’s father, Aristides, whom he barely knew and who died in 1978, as an alcoholic who abused his children.

    Stories about drinking episodes involving Mr. da Silva are legion. After one night on the town when he was a member of Congress during the late 1980’s, Mr. da Silva got off the elevator at the wrong floor of the building where he lived at the time and tried to batter down the door of an apartment he mistakenly thought was his own, according to politicians and journalists here, including some who are former residents of the building.

    ”Under Lula, the capirinha has become the national drink by presidential decree,” the daily Fôlha de São Paulo said last month in an article about Mr. da Silva’s association with alcohol and referring to a cocktail made with sugar-cane liquor.

  15. O jornalista é quem devia desculpas ao nosso presidente, e não o contrário. É o que faltava. Um correspondente se metendo na vida pessoal do presidente, além de ser uma mentira. Ele estava aqui não era para isso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui