Conecte com a gente

E-farsas – Desvendando fake news desde 2002!

E-farsas – Desvendando fake news desde 2002!

Árvores cobertas com teias de aranha no Paquistão

Árvores cobertas de teias de aranha no Paquistão - Foto 1

Animais

Árvores cobertas com teias de aranha no Paquistão

Fotos mostram árvores cobertas com teias de aranha depois de enchente no Paquistão. Será verdade?

Essas incríveis imagens começaram a circular em 2011 e nelas podemos ver várias árvores com seus galhos totalmente cobertas por um tipo de película branca. O texto que acompanha as fotos afirma que milhões de aranhas fugindo da água da enchente, acabaram se refugiando no topo das árvores.

Separamos algumas das fotos para análise. Dê uma olhada e depois veja o que descobrimos:

Árvores cobertas de teias de aranha no Paquistão - Foto 1

Árvores cobertas de teias de aranha no Paquistão - Foto 2

Árvores cobertas de teias de aranha no Paquistão - Foto 3

 Por incrível que pareça, as fotos são reais!

Em 2010, enchentes atingiram várias regiões no Paquistão e acabaram gerando esse fenômeno: teias de aranha em árvores.

Como a água estava tomando conta de tudo, as aranhas não tiveram outra opção senão subir ao topo das árvores e lá em cima fazer as suas moradas.

Como afirma a matéria da BBC Brasil, o nível da água levou vários meses para baixar e isso fez com que a quantidade de mosquitos até diminuísse. Moradores acreditam que os mosquitos tenham ficado presos nas teias, diminuindo o risco de malária entre a população.

Entre em contato com o E-farsas via WhatsApp: (11) 96075-5663

O jornal britânico Daily Mail conta que as enchentes custaram a vida de mais de 2.000 moradores daquele país.

As fotos foram feitas pelo fotógrafo Russel Watkins em dezembro de 2010 na província de Sindh, no sudeste do Paquistão, perto de Karachi.

Nesse vídeo, um fenômeno semelhante ocorrido em 2009:

[iframe: width=”425″ height=”349″ src=”http://www.youtube.com/embed/QyL8ab3k8qE” frameborder=”0″ allowfullscreen]

 

Conclusão:

A história e real e as fotos também são verdadeiras!

 

Sites Pesquisados:

Continue lendo
10 Comentários

Comente

10 Comments

  1. Carlos

    4 de agosto de 2011 em 14:28

    Gilmar
    Aprecio muito o seu trabalho!
    O que desejo é que você investigue uma denúncia contra o PARACETAMOL:
    “Pessoal… Mais uma Informação,ou contra Informação… vamos aguardar se haverá contestação!!!

    “DR. RENAN MARINO – Médico, pesquisador e professor da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto e mestre em Ciências da Saúde.

    VISUALIZAR O PERFIL COMPLETO

    Repassando

    Segundo o Prof. Dr. RENAN MARINO, professor de Pediatria na FAMERP (FACULDADE DE MEDICINA DE S. J. RIO PRETO-SP), a dengue é uma doença virótica, parente da hepatite C, e, sempre foi benigna, isto é, nunca matou.
    E NÃO MATA!
    Isso até 1957, quando surgiu no mercado a droga chamada PARACETAMOL.
    Imediatamente indicada como tratamento para dengue, pelo Ministério da Saúde Brasileiro, embora não exista nenhum trabalho NO MUNDO TODO, que comprove eficácia deste veneno no tratamento da dengue.
    A partir de 1957, a dengue começou a matar.
    O PARACETAMOL é uma droga que destrói o fígado do paciente.
    O vírus da hepatite C, já detona o fígado e com o veneno do PARACETAMOL, esse fígado é destruído o que leva o paciente à morte.
    A dengue hemorrágica, nada mais é que a reação do organismo quando o fígado, destruído pelo PARACETAMOL, provoca a morte do doente.
    Segundo ainda o Professor Doutor, se o paciente NÃO TOMAR PARACETAMOL, ele terá todos os sintomas da dengue:
    mal estar, febre, dores nas juntas, vômitos, coceiras e dor nos fundos dos olhos, mas, após uma ou no máximo duas semanas, estará VIVO e bem.
    MAS, SE TOMAR PARACETAMOL, corre o risco de morrer.
    Nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha, esse veneno é proibido.
    Na Grã-Bretanha, é usado como forma de suicídio.
    Tomando 10 comprimidos do veneno chamado PARACETAMOL, em cinco dias, seu fígado é destruído e se não fizer transplante, morre.
    Por isso, se você ama alguém, informe-o disso.
    Segundo o médico Prof.Dr. RENAN MARINO, pode-se tomar DIPIRONA, nunca PARACETAMOL”.

    Desde já agradeço pelo que possa apurar!

    Carlos

    ET – Não encontrei outro meio de comunicar-me.

  2. sávio wanderley

    5 de agosto de 2011 em 7:23

    sr.gilmar desculpe a minha de educação que nas postagens de antes eu não mencionei o seu nomed e também sem sequer dizer bom dia mas eu queria saber sobre o cachorrinho morto pelo fogo cadê? é veridica ou não,´pelo menos devia responder se ta pesquisando, que leva tempo,aguardando etc,eu já enviei o video para http://www.e-farsas.com abraços!

    • Gilmar Lopes

      5 de agosto de 2011 em 8:23

      Já estou verificando! Valeu

  3. Luis

    5 de agosto de 2011 em 9:10

    Essa do paracetamol tb me interessa!

  4. Raphaella

    27 de agosto de 2011 em 3:30

    Fui só eu que associei essas árvores a algodão doce?

  5. Pingback: E-farsas entrevista Antonio Mier autor do livro TV Trash | E-farsas.com - 9 anos desvendando as farsas da web!

  6. Douglas

    6 de outubro de 2011 em 21:05

    Essas arvores com teias de aranha eu tambem vi aqui no Brasil, mais precisamente em uma região perto da cidade de Bom Jesus – PI, na BR 135 que liga Teresina a Brasilia, essas arvores ficam em um lugar próximo a uns jorrantes (agua que sai da terra). Se alguem da região tiver fotos, compartilhe conosco. Abraços.

  7. Claudio

    16 de dezembro de 2013 em 13:16

    Há também um caso que não é causado por enchente, mas sim pela espécie de aranha. Há relatos dessas aranhas também nas regiões do Sul (Paraná), Norte (Rondônia) e Nordeste (Piauí, como o leitor Douglas aponta). Segue referência sobre o caso do Paraná, mas não encontrei sobre o Piauí e Rondônia.

    http://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2013/04/teia-de-aranha-gigante-em-arvore-vira-atracao-turistica-em-curitiba.html

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Populares

Ajude a Manter o E-farsas!

Categorias

Voltando a Circular

Publicidade

Topo