Formulário para doutorado na UFPB não tem opção Masculino/Feminino?

Share Button

É verdade que a Universidade Federal da Paraíba criou um formulário para o curso de doutorado sem apenas com opção de transgêneros?

A imagem começou a se espalhar através das redes sociais na primeira semana de outubro de 2017 e rapidamente se tornou um dos assuntos mais comentados no Facebook. De acordo com uma imagem que teria sido retirada de um formulário de edital, a UFPB teria colocado opções de identidade de gênero: “Mulher Trans”, “Mulher Cis”, “Homem Cis”, “Travesti”, “Homem Trans” e “Não-Binário”, deixando de lado o simples “Masculino” e “Feminino”.

A publicação indignada de uma usuária do Facebook ganhou milhares de compartilhamentos, mas será que essa imagem é verdadeira ou falsa?

Cadê o Masculino/Feminino?

Verdade ou farsa?

A imagem que se espalhou pelas redes sociais é verdadeira! Aliás, outras versões dessa imagem também foram amplamente compartilhadas por aí, e podemos ver no formulário real que pode ser visto na página da Universidade Federal da Paraíba, no anexo II, página 12:

Reprodução/UFPB

Atualização 08/10/2017

Como muito bem observado pelos brilhantes e atentos leitores desse site, alguns navegadores exibem o documento sem algumas opções no quesito “identidade de gênero”. As opções completas podem ser verificadas no histórico que salvamos aqui:

Na versão do histórico podemos ver que havia mais 3 opções nesse quesito!

Envie suas dúvidas e sugestões de pauta através do nosso WhatsApp pelo número (11) 96075-5663!

O edital se refere ao processo seletivo para o ingresso no curso de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI/UFPB).

Obs.: A designação “CIS” exibida no formulário significa cisgênero, termo utilizado para se referir às pessoas cujo gênero é o mesmo que o designado em seu nascimento. A terminologia é referência ao fenômeno social, e não se trata de uma das identidades de gênero, mas sim o seu alinhamento.

Saiba mais sobre o Decreto Nº 8.727, de 28 de abril de 2016, sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais no âmbito da administração pública federal direta, autárquica e fundacional.

Conclusão

A imagem de um formulário da UFPB com várias opções de identidade de gênero é falsa verdadeira, mas as opções “masculino” e “feminino” estão lá (como “Mulher Cis” e “Homem Cis”)!

*Contribuição de Marcio Antunes

*Esse artigo foi atualizado para corrigir a informação sobre a imagem (que é real, mas é exibida diferente em alguns navegadores).

Share Button
Conspirações, Falso
, , , , , , , , , , , , , , , ,

Comente pelo Facebook

6 comentários

  1. Marcelo

    Na boa, eu não consigo entender porque eu tenho que me adequar as modinhas, e não um órgão público que deveria ser claro, pois não somos obrigados a saber de todas as mudanças que fazem simplesmente para agradar um grupo ou outro.

    Realmente acho discriminatório não ter um HOMEM ou MULHER simplesmente. E antes que os metidos a sabidôes venham me ofender e dizer que não entendi, reclamo o meu direito de não ter que ver um CIS na frente de tudo, só por conta de homossexuais.

    Continuo a ter meus direitos, assim como eles os deles.

    • Paola

      Finalmente alguém sensato por aqui. Concordo plenamente com suas palavras. Agora temos que nos adequar aos novos modismos senão estaremos discriminando. Pois é, a discriminação so existe no Homem ou mulher. E ainda acham que todos são obrigados a entender. Ê mundo bom!

  2. Joop Kiefte

    Marcelo, homossexual também pode ser seja cis seja trans. Cis simplesmente indica o que você considera a norma, que é “não trans”. Trans sendo “do outro lado”, cis indica “desse lado”. Da mesma forma eu como autista chamo o mundo “normal” de “neurotípico” que quer dizer mais ou menos “aqueles que somente podem pensar dessa forma limitada que chamamos de normal”.

    • Sonya

      Pelo que eu saiba, só existe “cis” e trans” na química orgânica. O uso para justificar anomalias é novidade para mim.
      E o que difere o normal da anomalia é justamente a capacidade de manter a função dentro dos parâmetros para os quais o órgão/estrutura foi projetado(a). Homossexualismo,assim como autismo, é desvio grave da função mental.
      Gritem à vontade, esperneiem, batam os pezinhos no chão: é DOENÇA MENTAL incurável (assim como a depressão, o TOC e o transtorno bipolar) e só vai haver controle quando a Medicina parar de tapar o sol com a peneira e pesquisar de verdade.

  3. Se Froide Aí

    “Homossexualismo,assim como autismo, é desvio grave da função mental.”

    Ok. E provar o que afirma, vai quando? Por quê teríamos que acreditar em você?

  4. Alfasilas

    O termo CIS/TRANS nada tem a ver com sexo, e sim com isomeria de forma. O pior a se marcar, seria o que a primeira vista pensei em marcar: Não binario(binario é masculino ou feminino).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Digite esse numeros *