Conecte com a gente

E-farsas – Desvendando fake news desde 2002!

E-farsas – Desvendando fake news desde 2002!

Maju Coutinho foi a primeira negra a apresentar o Jornal Nacional?

Cinema / TV

Maju Coutinho foi a primeira negra a apresentar o Jornal Nacional?

Maju Coutinho foi a primeira negra a apresentar o Jornal Nacional?

A jornalista Maju Coutinho foi a primeira mulher negra a apresentar o Jornal Nacional ou outras já sentaram à frente do telejornal da Rede Globo?

No dia 16 de fevereiro de 2019, a jornalista Maria Júlia Coutinho Portes – ou Maju Coutinho, como ficou conhecida na TV – finalmente estreou como âncora do Jornal Nacional, na Rede Globo de Televisão. A estreia da repórter no telejornal foi um dos assuntos mais comentados nas redes sociais, gerando comemorações de um lado e um certo ceticismo e desdém por parte de alguns.

O que se espalhou nas redes sociais é que Maju Coutinho não seria a primeira mulher negra a apresentar o Jornal Nacional, visto que outras jornalistas negras como Glória Maria e Zileide Silva já teriam apresentado o programa de notícias.

Será que Maju Coutinho foi mesmo a primeira apresentadora negra do Jornal Nacional?

Maju Coutinho foi a primeira mulher negra a apresentar o Jornal Nacional? (foto: Divulgação/TV Globo)

Verdade ou mentira?

Até o ano de 1989, somente homens apresentaram o Jornal Nacional:

  • Cid Moreira – de 1969 a 1996
  • Hilton Gomes – de 1969 a 1971
  • Sérgio Chapelin – de 1971 a 1983 e, depois, de 1989 a 1996
  • Celso Freitas – 1983 a 1989
  • Fernando Vannucci – entre 1983 e 1989

Nessa matéria do BOL há uma relação dos 32 apresentadores que passaram pela bancada fixa do Jornal Nacional! 

Somente em 1992 é que Valéria Monteiro se tornou a primeira mulher a apresentar o Jornal Nacional. No vídeo abaixo, Valéria Monteiro explica que – antes dela – apenas uma mulher havia sentado na bancada do principal jornal da TV Globo: a jornalista Márcia Mendes. Mas Márcia havia apresentado o programa por apenas um dia, enquanto que Valéria viria a ser a primeira âncora do telejornal:

Maju Coutinho foi a primeira negra a apresentar o Jornal Nacional?

Sim! Muita gente compartilhou fotos das jornalistas Zileide Silva e Glória Maria como se elas já tivessem apresentado o Jornal Nacional, mas a verdade é que nenhuma das duas foram âncoras daquele telejornal.

De acordo com o site Memória Globo, Glória Maria foi a primeira repórter negra da televisão brasileira e a primeira a aparecer ao vivo em uma matéria no Jornal Nacional. Não há registros dela como apresentadora do telejornal.

Quanto à Zileide Silva, ela é repórter especial do Jornal Nacional e apresentadora eventual do Jornal Hoje.  

Além disso, o verbete no Wikipedia referente ao programa jornalístico mostra que nenhuma das apresentadoras eventuais são negras.  

Entre em contato com o E-farsas via WhatsApp: (11) 96075-5663

No final da sua edição de estreia na frente do Jornal Nacional – no dia 16 de fevereiro de 2019 – Maju Coutinho desceu junto com seu parceiro de apresentação, Rodrigo Bocardi, até a redação do programa para comemorarem a conquista:

Trinca de negros no jornalismo da Globo

O dia 16 de fevereiro de 2019 foi considerado histórico pela TV Globo por ter em sua grade 3 negros apresentando os telejornais da emissora. Zileide Silva começou o dia participando do programa É de Casa, Thiago Oliveira apresentou a edição paulista do “Globo Esporte” na hora do almoço e passou o bastão na programação para Zileide Silva, no Jornal Hoje. À noite, Maju estreou no Jornal Nacional como âncora, ao lado de Rodrigo Bocardi,.

Maju Coutinho é a primeira negra a apresentar um telejornal?

Não! Outras âncoras negras são destaque nos telejornais brasileiros. Abaixo, algumas delas:

Luciana Barreto (TV Brasil) (foto: Divulgação)

Joyce Ribeiro (Jornal da Cultura) (foto: Divulgação)

Dulcinéia Novaes (Rede Paranaense de Comunicação) (foto: Divulgação)

Luciana Camargo (Rede TV) (foto: Divulgação)

Graça Araújo (TV Jornal) (foto: Divulgação)

Eliana Victório (foto: Reprodução/TV Tribuna)

Conclusão

Maju Coutinho é, sim, a primeira mulher negra a apresentar o Jornal Nacional!  

Continue lendo
40 Comentários

40 Comments

  1. Amauri Angelino

    17 de fevereiro de 2019 em 19:27

    CORREÇÃO: a APRESENTAR, não foi a primeira. A alçar o posto de ÂNCORA, sim.

  2. Rodrigo de Albuquerque

    17 de fevereiro de 2019 em 20:11

    Aqui em Pernambuco também tem a apresentadora Eliana Victório, que é âncora de telejornais locais da TV Tribuna.

    • Gilmar Lopes

      17 de fevereiro de 2019 em 20:15

      Excelente! Vou acrescentar no artigo!

  3. Pedro Haddad

    17 de fevereiro de 2019 em 23:48

    Francine Haddad, ex âncora do BOM DIA TOCANTINS, também é negra.

  4. Xanda

    18 de fevereiro de 2019 em 10:11

    Isso deveria der algo normal e ñ notícia…

    • Dick

      19 de fevereiro de 2019 em 11:25

      Foi isso que pensei também. Poxa… Porque essas coisas relacionadas a cor, religião, condição social e opção sexual entram tanto em voga hoje em dia? Não estou me referindo ao Gilmar pois ele apenas está comentando uma notícia. Mas, esse tipo de notícia não contribui em nada para ninguém pois ela não fala da competência, da humanidade da pessoa e sim simplesmente da cor da pele. Isso é patético. Eu sou gordo e não gostaria de ganhar uma competição esportiva e no outro dia ver no jornal a manchete “gordo vence a prova tal. Apesar do sobrepeso fulano ganha o prêmio”. O excesso de peso não deveria se a notícia. Pode até ser o comentário das mentes mais pequenas, mas jamais uma notícia oficial. Difícil isso. Tá ficando chato já. Ela tá lá pela competência e isso sim deveria ser notícia. Obs: não sou racista. Minha esposa é negra, meu avô era mulato, meu filho mais novo é mulato e eu sou marrom escuro. Só pra constar…

      • Gabriel

        19 de fevereiro de 2019 em 13:07

        Quando vc diz isso você está sendo racista e machista ou você está com dificuldade intelectual de entender a situação. Deixa eu tentar te explicar: ou vc considera que existe machismo e racismo e por isso só em 2019 temos uma mulher negra apresentando o JN, ou você considera que mulheres negras não são competentes, por isso nunca apresentaram o JN. Entendeu? Então te pergunto, você acha que Maju é a primeira mulher negra com competência para apresentar o Jornal Nacional que surgiu no Brasil ou você acha que sempre existiram mulheres negras e competentes, mas por causa do machismo e racismo não tiveram oportunidade?

      • Alcinei Alves

        21 de fevereiro de 2019 em 21:41

        Sua linha de raciocínio Dick ta certa. Para a própria mídia, ser negro parece ser sinal de falta de competência e eles acabam vitimando de uma forma excessiva a condição de ser negro e isso, para essas mídias, parece ser um problema. É verdade que o contexto histórico revela o quanto pessoas negras foram privadas da acessão ao meio social, porém, vivemos em outro contexto histórico. As oportunidades de acesso à informação e a construção de informação não se limita mais a cor de pela, mas isso ainda é motivo de grande audiência. Está na hora de pararmos de dividir os grupos sociais por cor de pela, pois quem permite a acessão é a competência e não a cor da pele.

        • Rei Martinho Lutero

          22 de fevereiro de 2019 em 10:17

          …disse um homem, branco, que nunca sofreu na pele qualquer tipo de preconceito. Tá certo.

          • phelipe sorreano

            24 de fevereiro de 2019 em 10:01

            paraben pelo brancofobismo kkkk

          • Rei Martinho Lutero

            25 de fevereiro de 2019 em 17:13

            paraben pelo brancofobismo kkkk
            Disse outro homem, branco, que nunca sofreu na pele qualquer tipo de preconceito. E ainda por cima, não sabe escrever. Tá certo².

      • Sandra Ávila

        9 de março de 2019 em 23:06

        Dick. Quem separou as pessoas por cor, gênero, religião, raça foi a esquerda. Separando as pessoas, cria_se o preconceito, faz_se notar que as pessoas são diferentes. Então a mesma esquerda que chama os outros de preconceituosos é a que cria a diferenciação. Isso deveris ser tranquilo entre pessoas normais. Ela não é a primeira negra nem s primeira mulher a… Ela é a próxima pessoa que vai fazer o jornal. Essa “diferença” não deveria fazer parte da notícia. Isso cria uma animosidade nogenta e tóxica.

        • Generalista

          10 de março de 2019 em 19:24

          Quem separou as pessoas por cor, gênero, religião, raça foi a esquerda
          Não, não foi. Deixe de ser idiota, idiota. Vai dizer que “racismo é vitimismo” também? Jumento.

        • Rainha Martinha Luterana

          10 de março de 2019 em 19:25

          Ela não é a primeira negra nem s primeira mulher a… Ela é a próxima pessoa que vai fazer o jornal.
          Ela É a primeira MULHER NEGRA, jegue. Racista de bosta.

        • Professor Vete

          10 de março de 2019 em 19:26

          animosidade nogenta e tóxica.
          NOJENTO é escrever NOGENTA. Reprovado!

        • Vaneide

          26 de março de 2019 em 22:56

          Excelente comentário. Estudei em escola que atendia a maior parte de pessoas negras. Também tem negros que discriminam brancos. Acham que pq vc é branco, é racista. Passei por isso pois sou uma PESSOA branca, mas tiveram PESSOAS negras que me trataram com naturalidade e carinho. Penso que não tenho obrigação de gostar de PESSOAS brancas ou negras pq são brancas ou negras, tenho obrigação de respeita-las e trazer para o meu convívio pessoas que eu quiser, seja ela branca ou negra. Daqui uns tempos vão exigir que tenhamos porcentagem de amigos de cores diferentes, de religiões diferentes…

  5. Raquel

    18 de fevereiro de 2019 em 11:48

    Desculpa discordar, mas não entendo dessa forma, porque a Maju não foi a primeira mulher negra no JN, pois é desta forma que está sendo disseminado nos jornais/internet, o seu artigo já comprova isso, uma porque apesar da Glória Maria ter feito apenas uma reportagem no JN já se classifica como primeira mulher negra, segundo, a Zileide Silva também tem a mesma condição que a Maju Coutinho, segundo a sua reportagem, pois ambas são eventuais, cobrindo folgas, férias e FDS. Por isso, entendo que divulgar dessa forma desmerece as duas. A Maju é maravilhosa, o que deveria ter sido divulgado é que por total competência ela foi promovida do rodízio do JN, assim como ela estava no Jornal Hoje aos sábados.
    Sou muito fã dela.
    Acho uma mega hipocrisia da Globo e um preconceito velado, como está na moda agora.

    • Gilmar Lopes

      18 de fevereiro de 2019 em 12:18

      A Zileide Silva e a Glória Maria nunca foram eventuais do Jornal Nacional! Não sei de onde tiraram isso, mas nenhuma das duas apresentaram o JN! Pode procurar!

      • Ralph

        18 de fevereiro de 2019 em 13:14

        O que galera não entende é que ela é Âncora do JN.
        Âncora é quem senta ali na frente, não quem faz matéria. E é o jornal nacional da Globo, gente. Nunca teve outra ÂNCORA negra.
        Parem de desmerecer essa conquista e aprendam o mínimo de interpretação de texto.

      • Giovana

        18 de fevereiro de 2019 em 22:35

        Que loucura isso, gente. Eu tinha uma imagem perfeita da Zileide na bancada do JN. Devo ter confundido com o Jornal Hoje. A dúvida mesmo é com relação a posição que a Maju (e até o Bocardi e o Heraldo, por exemplo) ocupam no Jornal. Bocardi e Heraldo são classificados como âncoras ou eventuais?

        No mais, adoro o site, sempre venho conferir notícias. Parabéns pelo trabalho 🙂

        • Franklin

          24 de fevereiro de 2019 em 23:55

          O Bocardi (é titular no Bom Dia SP) e o Heraldo (que está na Globonews) são ancoras eventuais. O Bonner continua titular no JN.

          Ps: A Luciana Barreto saiu da TV Brasil a cerca de 1 mês.

    • Juma

      18 de fevereiro de 2019 em 13:14

      Apresentar uma matéria não é apresentar o telejornal, jegue.

  6. Claudio Santos

    18 de fevereiro de 2019 em 23:18

    Trabalho excelente do Gilmar como sempre.Parabéns também à Malu!

    Mas me dá muita tristeza ver a Globo se passando por revolucionária quando na verdade deveria estar pedindo desculpa à população por ter usado por tanto tempo de preconceito de gênero (30 anos até a primeira mulher) e raça (50 anos até a primeira mulher de pele negra) para selecionar os apresentadores de seu principal telejornal.

    Documentário – A negação do Brasil
    https://www.youtube.com/watch?v=PrrR2jgSf9M

  7. Edna

    18 de fevereiro de 2019 em 23:25

    Com toda a certeza a Majur é uma ótima profissional, não tiro isso dela. Mas a Globo fez um papel ridículo não tendo colocado antes uma pessoa negra mesmo tendo muitas outras competentes igual. E está fazendo isso só por estão com uma má reputação, e ficam tentando a todo modo fazer manobras, mas ficou feio! Pq a intenção foi outra. NA MINHA OPINIÃO.

    • Gilmar Lopes

      19 de fevereiro de 2019 em 8:34

      A Maju, além de profissional, também tem um carisma jovial que muita gente tenta ter e não consegue! Meus pais, por exemplo, são fãs dela como garota do tempo desde a sua estreia. Meu pai manda todo mundo calar a boca quando a Maju aparece e comemorou muito a estreia dela na bancada do jornal!

  8. Julio César

    18 de fevereiro de 2019 em 23:42

    Se considerar apresentadora eventual, então a primeira mulher a apresentar o JN foi Márcia Mendes em 1970, segundo essa reportagem do Bol.

    • Gilmar Lopes

      19 de fevereiro de 2019 em 8:32

      Como eventual, a primeira mulher foi mesmo a Marcia Mendes, como dissemos no artigo!

  9. Almanakut Brasil

    19 de fevereiro de 2019 em 15:00

    No final da década de 1980, a Glória Maria apresentou uma edição do JN e depois foi para o Fantástico.

    E a Dulcinéia Novaes, a gente lembra do primeiro dia em que ela entrou no ar, como repórter da TV Coroados de Londrina, Paraná, no início da década de 1980.

    E apresentadores negros em telejornais já existiam no mesmo Paraná, na década de 1970, ao qual eram formados sem políticas de cotas.

    • Gilmar Lopes

      19 de fevereiro de 2019 em 15:14

      Não encontrei nenhum registro que confirme que Glória maria tenha apresentado o JN (nem por um dia). Ela começou no fantástico só em 1998.

  10. Francisco Moroni

    21 de fevereiro de 2019 em 22:14

    Gilmar como é difícil explicar as pessoas que Heraldo Pereira é homem, Zileide Silva participa de um rodízio no Jornal Hoje (Telejornal da Globo exibido de segunda a sábado, às 13:15hs) e que Glória Maria entrar na década de 70 ao vivo no Jornal Nacional não quer dizer que ela invadiu o estúdio e sentou na cadeira do Cid Moreira. Complicado demais as pessoas entenderem isso,,,, aff

  11. Gomes Mrt

    26 de fevereiro de 2019 em 14:45

    Conforme algumas pessoas disseram, também acho que a moça ser negra nem deveria ser tema de tanta euforia nas redes, afinal, ser negro ou ser branco é a mesma coisa, indiferente da cor, o que vale é caráter, se tem condição profissional para realizar determinada atividade profissional e coisas do tipo.
    Teve até gente dizendo que, por exemplo, se alguém falar algo do tipo igual eu falei acima, isso seria racismo. Racismo??? Que piada é essa? Racismo é justamente o oposto do que foi dito, racismo seria julgar com base na cor, só que o que foi dito é que cor não importa, o que vale é caráter.

  12. luiz

    2 de março de 2019 em 21:11

    A questão nem deveria ser comemorada por ela ser negra. O que deveria ser celebrado é o mérito que ela conseguiu. Será que ela conseguiu isso por ser negra ou mulher? Eu acho que não. E depois os outros que são racistas/sexistas.

  13. Luciano

    3 de março de 2019 em 8:01

    Eu só não entendo o pq estão tentando endeusar a Globo com essa matéria, quando ao certo seria mostrar o quanto são preconceituosos de só agora estarem dando a oportunidade pra pessoas negras, quando um descendente de outro país irá apresentar?
    Hipocrisia da Globo e de quem vai na onda dela.

    • Maria

      4 de março de 2019 em 0:42

      @Luciano , “endeusar” e “preconceituosos” são apenas, por enquanto, meras OPINIÕES PESSOAIS suas. Tenha em mente que quando fizer uma alegação e/ou denúncia, você deve ter PROVAS CONCRETAS ROBUSTAS para sustentá-las e, de preferência, provas MATERIAIS e em FLAGRANTE. Caso contrário, você NÃO TEM NADA e suas alegações não passarão de meras ESPECULAÇÕES e/ou TEORIAS CONSPIRATÓRIAS.

  14. José Brasil

    18 de março de 2019 em 21:02

    E Farsas propagando a mentira, panfletagem barata! Site caiu em descredito!

    • Gilmar Lopes

      19 de março de 2019 em 8:25

      O que significa panfletagem e como se aplica nesse caso especificamente?

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Populares

Ajude a Manter o E-farsas!

Categorias

Parceiros

Voltando a Circular

Publicidade

Topo