Conecte com a gente

E-farsas – Desvendando fake news desde 2002!

E-farsas – Desvendando fake news desde 2002!

Será verdade que uma foto tirada na Mar Morto mostra um flagrante de racismo?

Fotos

Será verdade que uma foto tirada na Mar Morto mostra um flagrante de racismo?

Será verdade que uma foto tirada na Mar Morto mostra um flagrante de racismo?

Muito provavelmente, vocês já devem ter visto essa foto circulando em alguma página do Facebook ou em perfis no Twitter. Muitas vezes, essa foto é publicada sem maiores informações, apenas indicando que estaríamos diante de um flagrante ou um autêntico caso de racismo.

Entretanto, será mesmo que essa foto mostra um ato de racismo? Será que o autor da foto realmente flagrou um caso de racismo em uma praia do Mar Morto? Descubra agora, aqui, no E-Farsas!

Será mesmo que essa foto mostra um ato de racismo? Será que o autor da foto realmente flagrou um caso de rascimo?

O Autor da Fotografia

Essa foto viralizou aqui no Brasil, entre os meses de novembro e dezembro de 2018, através de uma página no Facebook classificada como “entretenimento”. Basicamente, era mais uma entre tantas páginas, que publicam fotografias sem mencionar o contexto em que elas ocorreram e, muitas vezes, sem mencionar que possa ter havido uma manipulação digital (inserção ou retirada de elementos da foto original). Em quase 2 meses, a publicação obteve cerca de 40.000 compartilhamentos, e quase 5 mil interações. Infelizmente, o responsável pela página apagou a publicação assim que comentamos sobre essa foto em nosso grupo no Facebook (convidamos a todos que participem). De qualquer forma, a publicação não indicava onde a foto tinha sido tirada e, tampouco, o autor.

Quando nos deparamos com esse tipo de situação, e se tivermos um verdadeiro interesse em buscar a realidade por trás de uma imagem ou fotografia, o primeiro passo é fazer uma busca reversa em mecanismos como o Google, Bing e Yandex. Porém, nem sempre é tão fácil desmistificar uma imagem quanto pensamos. Esse é mais um daqueles casos que requer uma pequena dose de paciência para podermos cravar uma explicação que tenha pelo menos 99,9999% de certeza sobre o que estamos falando.

Quando nos deparamos com esse tipo de situação, e se tivermos um verdadeiro interesse em buscar a realidade por trás de uma imagem ou fotografia, o primeiro passo é fazer uma busca reversa em mecanismos como o Google, Bing e Yandex.

Imbuídos dessa dose de paciência, conseguimos encontrar o autor da fotografia: Sagi Kortler , fotógrafo israelense, atualmente com 46 anos, nascido e morador da cidade de Netanya (localizada a 30 km ao norte de Tel Aviv), em Israel. Sagi começou a fotografar em 2009, embora tenha dito em uma entrevista recente, que sua paixão pela fotografia vem desde a infância. Sagi é um fotógrafo de rua, acostumado a capturar situações do cotidiano, ou seja, dos meios urbanos.

Nessa mesma entrevista, Sagi disse que morou em Tel Aviv por 10 anos, amava a cidade, e era o local onde ele tirava a maior parte de suas fotos. Segundo ele, Tel Aviv era uma cidade vibrante, principalmente devido às pessoas que moravam nela, uma vez que seria muito diversificada. Ainda segundo ele, Israel é composto por pessoas que vieram de todas as partes do mundo, e o estado ainda era relativamente jovem. Em outras palavras, havia uma grande diversidade de culturas, religiões, status econômicos, preferências sexuais etc… Resumindo? Um lugar perfeito para fotografias de rua.

Sagi Kortler , fotógrafo israelense, atualmente com 46 anos, nascido e morador da cidade de Netanya (localizada a 30 km ao norte de Tel Aviv), em Israel

Ao ser questionado se ele podia compartilhar uma história por trás de uma foto, Sagi se esquivou dizendo que registrava imagens, que simplesmente aconteciam diante dos seus olhos. Curiosamente, ele disse que era raro esperar para que algo acontecesse, ou seja, que formasse aquele momento perfeito para a foto, mas que isso acontecia de tempos em tempos. Para ele, a fotografia de rua era uma forma de arte surrealista, e muitas vezes o enquadramento da imagem tirava a história do contexto, ou seja, do que realmente estava acontecendo no mundo real. Às vezes, ele achava decepcionante conhecer a verdadeira história por trás de uma imagem.

Citando a entrevista de um fotógrafo australiano chamado Trent Parke, Sagi disse que uma boa foto era uma imagem que levantava mais perguntas do que respostas, então, se ele desse todas as respostas, isso estragaria a experiência daqueles que veem as fotos que ele tira.

O Histórico da Fotografia

Um dos primeiros locais que essa foto foi publicada na internet, pelo próprio Sagi, foi no site “1x.com”, em 2015. Diga-se de passagem, esse site se autodenomina como “uma comunidade fotográfica para os melhores fotógrafos do mundo selecionados por curadores profissionais.” Nos comentários é possível notar que muitos o parabenizaram pelo belo registro de um “caso de racismo na praia”.

Já um outro usuário chamado “Ben Colorblind”, que também é fotógrafo profissional, disse que não gostou da fotografia, visto que era maliciosamente mal-intencionada. Ben disse que já havia casos suficientes de racismo, e considerava de péssimo gosto usar uma situação falsa para obter fama na internet. O motivo? A foto dá a impressão de ser um caso de racismo, quando, na verdade, o real problema da ausência de pessoas brancas no lado direito é devido a ausência de chuveiros disponíveis.

O próprio fundador do site “1x.com”, Ralf Stelander, chegou a comentar na foto de Sagi, dizendo: “Muito boa a história e o contraste, bem sacado! Parabéns!“. Como resposta, Ben replicou: “Dê uma olhada melhor Ralf, e você verá que não há história alguma… Desculpe, mas isso não ajuda na causa.” Sagi, no entanto, não comentou sobre a história por trás da fotografia, mas disse que ela havia sido tirada no Mar Morto.

Entre em contato com o E-farsas via WhatsApp: (11) 96075-5663

Já um outro usuário chamado “Ben Colorblind”, que também é fotógrafo profissional, disse que não gostou da fotografia, visto que era maliciosamente mal-intencionada. Ben disse que já havia casos suficientes de racismo, e considerava de péssimo gosto usar uma situação falsa para obter fama na internet.

A foto dá a impressão de ser um caso de racismo, quando, na verdade, o real problema da ausência de pessoas brancas no lado direito é devido a ausência de chuveiros disponíveis.

Naquele mesmo ano, essa foto sagrou-se vencedora de uma das categorias de um concurso chamado “Lens Culture Street Photography Awards 2015“, e isso deu um certo destaque e prestígio ao até então pouco conhecido, ao menos internacionalmente, Sagi. Curiosamente, ele enviou a foto para o concurso com o seguinte título: “Untitled” (“Sem título”, em português). Novamente, Sagi não fez nenhuma questão de explicar a história por trás da foto.

No ano seguinte, em 2015, essa foto sagrou-se vencedora de um concurso chamado “Lens Culture Street Photography Awards 2015”, e isso deu um certo destaque e prestígio ao até então pouco conhecido, ao menos internacionalmente, Sagi.

Assim sendo, a foto sempre gerou uma certa discussão, ou seja, se estamos diante ou não de um caso de racismo. Exemplo disso, foi um texto escrito por um brasileiro, o fotógrafo Carlos Alexandre Pereira, em 2016, comentando sobre a “complexidade dessa foto”, e que “a interpretação racista também seria válida, porque as pessoas brancas poderiam ter preferido se espremer no chuveiro da esquerda para não ter que interagir com o rapaz negro no chuveiro da direita.”

Verdade ou Mentira? A Realidade Por Trás da Fotografia nas Palavras do Próprio Sagi Kortler

A história por trás dessa foto poderia alvo de questionamento até hoje se não fosse por um único detalhe: um imbróglio que Sagi teve com o cientista político norte-americano Norman Gary Finkelstein, em novembro de 2015, logo após a divulgação do resultado do concurso “Lens Culture Street Photography Awards 2015.Aparentemente, houve uma troca de mensagens particulares entre Norman e Sagi, e cientista político acabou expondo a realidade por trás da foto, nas próprias palavras do fotógrafo.

A história por trás dessa foto poderia alvo de questionamento até hoje se não fosse por um único detalhe: um imbróglio que Sagi teve com o cientista político norte-americano Norman Gary Finkelstein, em novembro de 2015

Vejam o que Sagi inicialmente disse:

“Ninguém na foto é israelense… todos são turistas… e não há nada racial acontecendo, apenas uma coincidência de uma justaposição, que transmite uma mensagem por conta própria, independentemente da realidade (falta de chuveiros funcionando)”

Norman soou um pouco agressivo e atacou Sagi, interpretando sua mensagem como se israelenses não fossem ou pudessem ser racistas. Sagi replicou dizendo:

“Há racismo em Israel, assim como em todos os outros lugares, não estou tentando negar isso, mas isso não representa Israel. Eu poderia ter tirado essa foto em qualquer lugar do mundo”

Norman continuou expondo a discussão entre ambos, até que houve uma publicação final sobre esse assunto, onde Sagi esclareceu diversas questões sobre essa fotografia:

  • A foto foi tirada em um SPA no Mar Morto (não foi mencionado o nome do SPA e nem sua localização exata, mas provavelmente é no território de Israel). Isso é algo que se sabia parcialmente desde 2015, visto que Sagi disse o local em sua publicação no site “1x.com” (muitas páginas e perfis, no entanto, divulgam essa foto até hoje sem indicar a origem e o contexto). Porém, intencionalmente ou não, Sagi não colocou essa foto em meio a tantas outras tiradas na série sobre um SPA no Mar Morto em seu próprio site;
  • Nenhuma das pessoas na foto é israelense. O grupo de pessoas “brancas” é composto de turistas da Europa Oriental. Já a pessoa “negra” é um turista de um país africano;
  • No chuveiro à direita há apenas uma ramificação funcionando, enquanto à esquerda há cinco chuveiros em funcionamento;
  • Não há nada de cunho racial acontecendo na foto. Sagi mencionou, que a justaposição teria sido apenas uma coincidência, que ele usou para criar uma mensagem, uma mensagem sobre o racismo, não apenas em Israel, mas em todo o mundo;
  • De acordo com Sagi, a imagem não é fotojornalismo, mas apenas arte. Algo que aconteceu diante dos seus olhos, e ele usou para criar uma mensagem;
  • Sagi disse que sua arte é global, e não é restrita ao país em que vive;
  • Ainda de acordo com Sagi, isso não significa que não haja racismo em Israel. Infelizmente existe em Israel como em qualquer outro lugar do planeta. O que ele estava tentando salientar é que essa imagem não representa uma norma em Israel, onde pessoas que não são judias precisam usar chuveiros diferentes.

Conclusão

Diante do conjunto probatório que temos, podemos dizer que Sagi não registrou um ato de racismo, mas encontrou, talvez, uma ocasião perfeita (considerando que ele não tenha induzido para que tal cenário ocorresse artificialmente, visto que uma justaposição pode ocorrer no momento da captura ou ser criada na etapa de pós-produção) para registrar essa justaposição. A foto acaba induzindo, em um primeiro momento, as pessoas acreditarem que se trata de um ato de racismo, porém, na realidade, é a ausência de mais chuveiros no lado direito, o principal fator para que não haja mais pessoas naquele lado. Por outro lado, embora não tenha registrado um ato de racismo, Sagi alega ter tirado a foto para transmitir uma mensagem sobre o racismo, e que a imagem falava por si própria.

Não adicionar a origem ou o contexto de uma fotografia ou vídeo, é uma forma muito comum para que uma publicação seja viralizada nas redes sociais. Quanto menos informação você der ao seu seguidor sobre um assunto, maior a chance que ele acredite e repasse o que foi publicado por mero viés de confirmação, ou seja, se ele acredita tanto em algo, e nunca questiona isso, ele acaba aceitando qualquer coisa nesse sentido e repassando sem pensar no que está fazendo. Para o proprietário da página isso é ótimo, mas totalmente prejudicial para quem compartilha. Enfim, muitos dizem que uma imagem vale mais do que mil palavras, porém, às vezes, são necessárias muito mais do que mil palavras para explicar uma imagem.

Continue lendo
12 Comentários

12 Comments

  1. Pingback: Será verdade que uma foto tirada na Mar Morto mostra um flagrante de racismo? - Nitro News Brasil

  2. Claudio Tavares

    25 de janeiro de 2019 em 14:13

    O E-farsas ganhou um colaborador de peso com os textos do Marco Faustino. Parabéns!

    • Marco Faustino

      25 de janeiro de 2019 em 17:39

      Agradeço pelo carinho, Claudio! Ficamos felizes que esteja nos acompanhando! De qualquer forma, ainda estou como colaborador voluntário por aqui! 😀

  3. João Paulo

    25 de janeiro de 2019 em 18:30

    Não é novidade que o racismo existe é patente e evidente. Mas tbm pode ser provocado, induzido e manipulado basta querer

  4. Sueli santos

    25 de janeiro de 2019 em 18:35

    No momento ele se deparou com as pessoas do lado ,so restou apenas aquele vazio

  5. Lihak Olinak

    26 de janeiro de 2019 em 8:43

    Por que não tem fila no chuveiro onde está o negro? A imagem é clara e o preconceito implícito!

    • Professor Vete

      26 de janeiro de 2019 em 9:45

      Agora volte uma casinha e leia o texto, não venha comentar antes de fazer isso. Ok? OK?

  6. Carmen Luchetta

    26 de janeiro de 2019 em 17:25

    Pessoas racistas vêem racismo em tudo, pois estão atentas a esse assunto. Uma foto do cotidiano de uma praia, só.

    • Alan Souza

      5 de fevereiro de 2019 em 11:36

      Então o que faz uma pessoa ser não-racista é nunca enxergar racismo em momento algum?

  7. Raissa Chaves

    29 de janeiro de 2019 em 10:51

    ME desculpem mas ainda assim vejo alguma forma de preconceito sim. Porque tanto um lado quando o outro estavam sem chuveiros disponíveis e a mulher que está à espera preferiu esperar 5 brancos desocuparem do que um negro desocupar entendem? Não seria mais fácil ela esperar onde obviamente desocuparia primeiro?

    • MP

      30 de janeiro de 2019 em 20:35

      As cincos pessoas brancas não podem ser da mesma família e estarem todas juntas?

  8. Adriano Rosa

    4 de fevereiro de 2019 em 19:58

    O contexto é tãããão importante, mas tããããão ignorado!! Pode ser um ato racista? Sim! Pode ser que o homem esteja sozinho e as outras pessoas em um grupo de conhecidos? Sim! Pode ser que sejam familiares (há uma criança entre as pessoas e, me parece que uma mulher está ‘cuidando’ dela) e, por isso, preferiram ficar juntos onde havia mais chuveiros disponíveis? Sim! Existem muitas formas de interpretar uma imagem. Aí vai de cada um enxergar aquilo que os olhos permitem, não é mesmo? Uma pena que a beleza do lugar, mostrada na foto, seja ofuscada por discussões que, no fundo, não levam a nada! Não é nem uma reflexão. Só serve pra causar confusão essas coisas. Quem vê racismo, vê racismo e ponto final. Quem não vê, não vê e ponto final!! Vida que segue..

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Populares

Ajude a Manter o E-farsas!

Categorias

Parceiros

Voltando a Circular

Publicidade

Topo