16.8 C
São Paulo
domingo, abril 18, 2021

A verdade sobre a “fábula” das formigas vermelhas e pretas que viralizou nas redes sociais!

- Publicidade -

Muito provavelmente, você já deve ter se deparado com uma publicação, que vem viralizando no Facebook, sobre a briga de formigas vermelhas e pretas num jarro de vidro.

Inúmeros usários vêm copiando e colando essa história em seus perfis e obtendo um número expressivo de compartilhamentos.

Diversas publicações no Facebook disseminando a história sobre formigas vermelhas e pretas num jarro.

Somente uma dessas publicações já obteve mais de 16 mil compartilhamentos nas últimas 48 horas (arquivo)! Uma outra bem semelhante já obteve cerca de 7 mil compartilhamentos também nesse mesmo período de tempo (arquivo)!

Portanto, se trata de algo que vem sendo amplamente disseminado.

Somente uma dessas publicações já obteve mais de 16 mil compartilhamentos nas últimas 48 horas!

Uma outra bem semelhante já obteve cerca de 7 mil compartilhamentos também nesse mesmo período de tempo!

Interessante destacar nesse ponto, que essa história circula com algumas variantes aqui no Brasil. Em algumas publicações, as formigas vermelhas são chamadas de formigas de fogo. Já em outras são feitas estranhas e exóticas correlações entre negros e brancos, pessoas “pró-máscara” e “anti-máscara”, liberais e conservadores, direita e esquerda, e assim por diante.

Resumindo, essa história tenta buscar uma espécie de inimigo comum, que estaria manipulando externamente as pessoas e fazendo-as brigar. Nos comentários dessas publicações há quem tenha eleito a mídia (mais especificamente a Rede Globo) e a “Nova Ordem Mundial” como os principais vilões dessa manipulação externa.

Uma História Importada

Essa história não nasceu aqui no Brasil, visto que antes de chegar aqui já estava circulando em outros idiomas, a exemplo do inglês e do espanhol!

- Publicidade -

Essa história já estava circulando em outros idiomas, a exemplo do inglês e do espanhol.

Enfim! Descubra a verdade agora, aqui, no E-Farsas!

Essa História é uma Tremenda Farsa!

Falso! Se você compartilhou essa história saiba que, além de enganado, você disseminou desinformação para seus amigos e demais usuários! A história pode até ser “bonitinha” para algumas pessoas (embora esteja bem claro para nós que seja uma peça de ataque enviesada), mas biologicamente uma tremenda farsa!

E para falar sobre esse assunto convidamos três pessoas, as quais ficamos muito felizes de tê-las neste artigo.

A Análise de Bruno Uehara (@ObsNaturalistas no Twitter)!

Particulamente, essa história não fazia nenhum sentido, visto que sempre me recordo de uma frase do Alex Wild, um biólogo e fotógrafo norte-americano, que uma vez disse: “Os piores inimigos das formigas são outras formigas“, ou seja, essa tentativa de equiparar um comportamento humano e animal não soava nada correto. Portanto, grosso modo, não precisaria agitar um jarro para uma briga entre formigas de diferentes espécies começar.

Então, inicialmente consultamos o Bruno Uehara, naturalista e divulgador científico no Japão, que provavelmente vocês conhecem como “Observações Naturalistas” no Twitter!

Sim, com certeza! E eu diria até mais: não precisa nem ser formigas distintas. Formigas da mesma espécie, mas de formigueiros diferentes, podem brigar caso sejam confinadas. A história é bonitinha, mas não creio que tenha muita base não

A Análise do Dr. Pedro Augusto da Pos Rodrigues, Entomólogo, Mirmecólogo e Doutor em Entomologia pela Universidade do Arizona, nos Estados Unidos!

E foi através do Bruno que chegamos ao Dr. Pedro A P Rodrigues, entomólogo e mirmecólogo, mestre em Ecologia (UNICAMP, Brasil), e doutor em Entomologia pela Universidade do Arizona, EUA). Pedro Rodrigues estuda formigas e outros insetos desde a graduação, visto que ele é bacharel em Biologia pela USP! Diga-se de passagem, sua resposta foi uma verdadeira e enriquecedora aula!

Segundo o Dr. Pedro Rodrigues, o texto que circula em inglês se refere as formigas vermelhas como “red fire ants“, que é o nome comum dado às formigas do gênero Solenopsis, que no Brasil conhecemos também como formiga lava-pés. Contudo, a foto que circula na absoluta maioria dessas publicações mostra uma formiga de outro gênero! São formigas arborícolas tecelãs do gênero Oecophylla, da Ásia!

A Origem da Foto que Circula na Absoluta Maioria das Postagens que Disseminam Essa História

E, de fato, ele está correto, visto que essa foto foi tirada pelo fotógrafo Luke Chua Hwa Yong, num parque de Singapura. Embora não saibamos a data exata da foto, sabemos que ela apareceu como destaque, em junho de 2010, na página de um projeto colaborativo da National Geographic chamado “Your Shot”.

A foto foi tirada pelo fotógrafo Luke Chua Hwa Yong, num parque de Singapura.

Segundo Pedro, essas formigas são territoriais e seu comportamento de atacar qualquer “intruso” (outras formigas e insetos, por exemplo) é muito típico dessas formigas. É provavelmente isso que a foto está mostrando: uma formiga de cor preta sendo atacada por estar nas redondezas do território de uma colônia de Oecophylla.

Assim sendo, já daria para saber que essa história de que as formigas atacarão apenas se perturbadas por alguém que as chacoalhe dentro de um pote já pode ser desmentida pela própria foto que ilustra a mensagem!

E se Fossem Formigas do Gênero Solenopsis?

De acordo com Pedro, ainda que fossem formigas do gênero Solenopsis, o mesmo resultado poderia ser previsto: pise perto de um ninho de formiga lava-pés e é muito possível que você seja atacado, porque é um comportamento natural de defesa dessas formigas.

Foto mostrando formigas conhecidas como lava-pés (Solenopsis saevissima).

Voltando ao Texto em Inglês: A Região Sudoeste dos Estados Unidos

A mensagem é extremamente confusa, visto que ela faz uma mistura bem grande entre lugares e espécies de formigas. No texto em inglês, por exemplo, é citada a região sudoeste dos Estados Unidos.

Segundo Pedro, poderíamos estar falando das icônicas “harvester ants”, dos gêneros Pogonomyrmex e Messor, que tem espécies de cor vermelha e preta. Elas são também conhecidas por serem muito territoriais, e pode acontecer de elas atacarem umas às outras simplesmente por estarem no mesmo lugar, como uma mecanismo de defesa territorial e luta por recursos escassos no deserto (neste caso, sementes que essas formigas coletam como alimento).

Segundo Pedro, poderíamos estar falando das icônicas “harvester ants”, dos gêneros Pogonomyrmex e Messor, que tem espécies de cor preta…

…e vermelha.

As Formigas Muito Provavelmente se Atacariam ao Serem Colocadas num Jarro em Nenhuma Ação Externa!

Ainda segundo Pedro, outro erro é dizer que as formigas vão “pensar” que a outra é inimiga e então somente assim irão se atacar! Na realidade, ao colocar as formigas no pote é muito provável que elas iriam se atacar imediatamente, pela disseminação de feromônios de alarme.

Além disso, conflitos em sociedades de insetos acontecem o tempo todo, fora e dentro da colônia. Companheiras de ninho (isto é, formigas da mesma espécie que moram na mesma colônia) podem atacar umas às outras, por exemplo, ao disputar hierarquia de reprodução dentro da colônia isso é muito comum em algumas espécies da subfamília Ponerinae, onde várias fêmeas competem entre si para ter o direito de se reproduzir.

Portanto, formigas se atacarem é um fenômeno natural, e acontece tanto dentro da mesma espécie como entre espécies diferentes.

Dito Tudo Isso…

Para finalizar, Pedro Rodrigues nos disse que formigas de espécies diferentes podem atacar umas às outras em diversos contextos. Esse fenômeno de ataque é independente da cor das espécies envolvidas, envolvem mecanismos de defesa instintivos e que também aconteceriam se você fosse chacoalhar as formigas em um pote com sua mão dentro, ou com objetos inanimados como um pano ou bolas de algodão.

As formigas provavelmente vão atacar pois este é o seu mecanismo de defesa. Contudo, elas também atacam umas às outras por outras razões como explicado anteriormente, mesmo sem a “força exterior” que as chacoalhou, mas como resultado de seleção natural sobre melhor aptidão para sobrevivência e sucesso reprodutivo.

A Análise do Professor Dr. Rodrigo Feitosa do Departamento de Zoologia da Universidade Federal do Paraná, e Um dos Maiores Pesquisadores em Mirmecologia do Brasil!

E foi através do Dr. Pedro Rodrigues que chegamos ao professor Dr. Rodrigo Machado Feitosa, do Departamento de Zoologia da Universidade Federal do Paraná, e um dos maiores pesquisadores em Mirmecologia (ciência que se ocupa do estudo específico das formigas) do Brasil!

Ele possui Bacharelado em Ciências Biológicas pela Universidade São Judas Tadeu, Mestrado em Entomologia pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto e Doutorado pela mesma instituição. Ele também é editor-chefe da Revista Brasileira de Entomologia.

Rodrigo Feitosa rasgou elogios a resposta que o Pedro Rodrigues nos forneceu via email, e completou:

O início da história ‘classificando’ as formigas em ‘pretas e vermelhas’ já anuncia o que está por vir, e ao olhar a foto, a coisa deixa imediatamente de ser passível de crédito. A foto mostra simplesmente as formigas-tecelãs do gênero Oecophylla fazendo o que todas as formigas territorialistas fazem, ou seja, protegendo seu território de invasões, mesmo que os invasores sejam outras formigas.

Colocar formigas dentro de um jarro, independentemente de quantas e de que espécies sejam, geralmente vai iniciar um conflito entre elas, pois ao serem submetidas ao estresse a reação natural é a agressividade. Então a história é ‘bonitinha’, mas biologicamente uma tremenda farsa

Não Compartilhe Essa Bobagem!

Enfim, acredito que já devem ter percebido que toda essa história é um tremendo engodo, tem um viés extremamente conspiracionista, e compartilhá-la ao acreditar que seja apenas uma história inocente acaba disseminando não somente desinformação, mas ainda mais ódio contra segmentos da sociedade que se tornam alvos de tais publicações.

Conclusão

Falso! Se você compartilhou essa história saiba que, além de enganado, você disseminou desinformação para seus amigos e demais usuários! A história pode até ser “bonitinha” para algumas pessoas (embora esteja bem claro para nós que seja uma peça de ataque enviesada), mas biologicamente uma tremenda farsa!

Formigas de espécies diferentes podem atacar umas às outras em diversos contextos. Esse fenômeno de ataque é independente da cor das espécies envolvidas, envolvem mecanismos de defesa instintivos e que também aconteceriam se você fosse chacoalhar as formigas em um pote com sua mão dentro, ou com objetos inanimados como um pano ou bolas de algodão. As formigas provavelmente vão atacar pois este é o seu mecanismo de defesa.

Contudo, elas também atacam umas às outras por outras razões conforme explicado ao longo deste artigo, mesmo sem a “força exterior” que as chacoalhou, mas como resultado de seleção natural sobre melhor aptidão para sobrevivência e sucesso reprodutivo.

- Publicidade -
Marco Faustinohttp://www.e-farsas.com/author/marco
Jornalista e colaborador do site de verificação de fatos E-farsas entre janeiro de 2019 e dezembro de 2020. Entre junho de 2015 e abril de 2018, trabalhei como redator do blog AssombradO.com.br, além de roteirista do canal AssombradO, no YouTube, onde desmistificava todos os tipos de engodos pseudocientíficos e casos supostamente sobrenaturais.

Últimas Atualizações

- Publicidade -

Ajude a Manter o E-farsas

Checagens Relacionadas

- Publicidade -spot_img

16 COMENTÁRIOS

  1. O intuito da postagem foi válido. O ódio entre classes, raças, níveis sociais são continuamente incentivados por aqueles que querem destruir a ordem existente, para colocar a sua “ordem”. Só o exemplo usado é que foi falho. Mas isso não anula a mensagem passada pela postagem.
    Os esclarecimentos de vcs foi muito válido, no sentido de adquirirmos mais conhecimentos sobre os hábitos das formigas. Obrigado!

  2. Impressionante, então animais não falam e podem ser mortais uns para os outros. Mesmo assim não faltam desenhos e animações com animais falando e com espécies inimigas interagindo, tudo falso, menos o detalhe que é o desconhecimento do que é uma fábula para o analista do e-farsas

    • Caso não tenha percebido, Altair coloquei “fábula” entre aspas como ironia. Isso não viralizou como fábula, no sentido literal da palavra, mas como ataque enviesado, principalmente contra a imprensa. Tentaram fazer isso parecer uma fábula como se tivesse, inclusive, validade científica, mas não tem. Se você disseminou isso foi claramente enganado, o que também é uma ironia considerando o suposto “objetivo” do texto em abrir os olhos das pessoas. Continuam fechados, como era de se esperar.

      • Farsa, para mim, está nessa análise do É-FARSAS referente a fábula das formigas. Os próprios entrevistados do Site afirmaram que há, sim, a possibilidade das formigas brigarem umas com as outras e de se matarem entre si, para defenderem o seu território, independentemente de estarem ou não dentro de uma jarra de vidro e de quem tenha sacudido. A publicação que viralizou na internet, como o próprio nome já afirma, trata-se de uma fábula e, neste caso, não há a necessidade de comprovação científica quando a intenção do autor foi a de ilustrar uma situação que, com certeza, retratou muito bem o momento de incertezas em que estamos vivendo. Uma geração de porra louca que se doe e reclama de tudo e que, na verdade, não passa de marionete e de massa de manobra nas mãos de personagens malignos.

        Uma minoria está ditando as regras do jogo no lugar da maioria e impondo, para ela, como o jogo deve ser jogado, conforme os seus interesses demoníacos. As formigas, neste caso, representa a sociedade atual e, jarra de vidro, o mundo em que vivemos. Já a pessoa que sacudiu a jarra de vidro, está representada pela esquerda e por aqueles que sonham em dominar o mundo. Daí a importância do povo abrir os olhos e lutar contra quem realmente é inimigo dele, de fato.

  3. O intuito da postagem foi válido. O ódio entre classes, raças, níveis sociais são continuamente incentivados por aqueles que querem destruir a ordem existente, para colocar a sua “ordem”. Só o exemplo usado é que foi falho. Mas isso não anula a mensagem passada pela postagem.
    Os esclarecimentos de vcs foi muito válido, no sentido de adquirirmos mais conhecimentos sobre os hábitos das formigas. Obrigado!

  4. Impressionante, então animais não falam e podem ser mortais uns para os outros. Mesmo assim não faltam desenhos e animações com animais falando e com espécies inimigas interagindo, tudo falso, menos o detalhe que é o desconhecimento do que é uma fábula para o analista do e-farsas

    • Caso não tenha percebido, Altair coloquei “fábula” entre aspas como ironia. Isso não viralizou como fábula, no sentido literal da palavra, mas como ataque enviesado, principalmente contra a imprensa. Tentaram fazer isso parecer uma fábula como se tivesse, inclusive, validade científica, mas não tem. Se você disseminou isso foi claramente enganado, o que também é uma ironia considerando o suposto “objetivo” do texto em abrir os olhos das pessoas. Continuam fechados, como era de se esperar.

  5. A história pode não ser real no mundo das formigas, mas entre as pessoas é tão claro quanto a luz do dia que o povo tem sido sistematicamente colocado uns contra os outros, sobretudo por políticos que defendem o separar para conquistar, o senhor deve saber bem do que estou falando. Portanto ainda que a história das formigas não seja real, a analogia aos homens é.

  6. A história pode não ser real no mundo das formigas, mas entre as pessoas é tão claro quanto a luz do dia que o povo tem sido sistematicamente colocado uns contra os outros, sobretudo por políticos que defendem o separar para conquistar, o senhor deve saber bem do que estou falando. Portanto ainda que a história das formigas não seja real, a analogia aos homens é.

  7. Porque por toda nossa vida pudemos crescer e viver nos iludindo e a atual geração é impedida de viver isto?

    “Temos por volta de 60 anos e já vimos uma negra como âncora do Fantástico (Glória Maria).

    Crescemos vendo um nordestino, um negro, um galã de circo e um caipirinha (Didi, Mussum, Dedé e Zaca) formando um dos maiores grupos de humor do Brasil, Os Trapalhões, fazendo piadas e críticas ao sistema que hoje jamais seriam aceitas pela sociedade, como homossexualidade e problemas de dependência química com o álcool.

    Também vimos um grupo heterogêneo como o Casseta & Planeta, que tinha negro, branco e homossexual, fazendo piadas de mesmas temáticas que os trapalhões, serem referência de humor; detalhe: ambos na globo (na época com “G”).

    Crescemos vendo um travesti participando de todos os programas da família brasileira sem nenhum problema (Rogéria).

    Crescemos vendo um negro gay (Jorge Lafond) ser um dos grandes nomes do humor e da propaganda nacional.

    Crescemos vendo uma transexual ser padrão de beleza feminina e capa de revista masculina (Roberta Close).

    Crescemos vendo um gay, com roupas nada ortodoxas, ser um dos maiores cantores e voz do Brasil (Ney Matogrosso).

    Aliás, por falar em música, crescemos tendo ídolos gays na música, como Cazuza e Renato Russo, fazendo críticas duras ao sistema.

    Crescemos vendo uma banda muito engraçada, fazendo músicas e zoando tudo que hoje é considerado impróprio, fazendo maior sucesso e criticando, de forma bem humorada essas situações (Mamonas Assassinas).

    Quase todos os nossos ídolos do esporte são negros.

    Crescemos vendo um negro como maior ídolo desse país (Pelé) e uma das figuras mais populares do Mundo.

    Testemunhamos um cantor gago, ex-garçom, se tornar a voz romântica mais famosa desse país (Nelson Gonçalves).

    Por falar em Nelson, vimos um outro, um anão, fazer tanto sucesso quanto (Nélson Ned).

    Crescemos vendo um negro e um nordestino serem referências culturais da MPB (Gil e Caetano).

    Crescemos vendo um homem gordo, zoando sua própria gordura, se tornar o apresentador mais bem pago do país (Faustão).

    Crescemos vendo um homossexual extremamente requintado, inteligente, em programas da família brasileira ser amado por muitos e ainda ter virado um dos políticos mais bem votados desse país (Clodovil), explicando que a sexualidade é um direito de cada um, e isso não tem nada a ver com o seu valor como ser humano.

    Crescemos vendo que a melhor maneira de defender seus direitos é abertamente expressá-los de forma *educada e inteligente*.

    Crescemos entendendo que preconceitos são estupidez, pois toda a nossa formação foi com exemplos de representantes de todas as classes, em um país, que normalizou a presença de todos em programas de televisão, onde tudo era discutido sem nenhum pudor.

    Crescemos entendendo de verdade o que era liberdade de expressão. Infelizmente, hoje com esse _mimimi da porra_, não temos mais liberdade de expressão. Tudo que citei acima seria execrado por essa “nova” sociedade *chata pra caralho!!*

    Hoje a “resistência” luta contra “monstros” e rótulos que ela mesma criou e tudo tornou-se proibido e preconceituoso.”

    *Geração chata do caralho!!!*

    Queria aquele Brasil, em que crescemos, de volta.

    Ah, quase esqueci do Chico Anysio, o incomparável, com sua Escolinha do Professor Raimundo, onde havis todas as classes representadas… gay, evangélica, malandro, marombeiro, etc.

    Autores: _*os sexagenários de 2.021*_

    Onde estava o E-farsas para desmentir o que vivemos no decorrer de nossas vidas?
    Porque nós pudemos crescer com ilusões e a geração atual é proibida de passar por isso?

    “Temos por volta de 60 anos e já vimos uma negra como âncora do Fantástico (Glória Maria).

    Crescemos vendo um nordestino, um negro, um galã de circo e um caipirinha (Didi, Mussum, Dedé e Zaca) formando um dos maiores grupos de humor do Brasil, Os Trapalhões, fazendo piadas e críticas ao sistema que hoje jamais seriam aceitas pela sociedade, como homossexualidade e problemas de dependência química com o álcool.

    Também vimos um grupo heterogêneo como o Casseta & Planeta, que tinha negro, branco e homossexual, fazendo piadas de mesmas temáticas que os trapalhões, serem referência de humor; detalhe: ambos na globo (na época com “G”).

    Crescemos vendo um travesti participando de todos os programas da família brasileira sem nenhum problema (Rogéria).

    Crescemos vendo um negro gay (Jorge Lafond) ser um dos grandes nomes do humor e da propaganda nacional.

    Crescemos vendo uma transexual ser padrão de beleza feminina e capa de revista masculina (Roberta Close).

    Crescemos vendo um gay, com roupas nada ortodoxas, ser um dos maiores cantores e voz do Brasil (Ney Matogrosso).

    Aliás, por falar em música, crescemos tendo ídolos gays na música, como Cazuza e Renato Russo, fazendo críticas duras ao sistema.

    Crescemos vendo uma banda muito engraçada, fazendo músicas e zoando tudo que hoje é considerado impróprio, fazendo maior sucesso e criticando, de forma bem humorada essas situações (Mamonas Assassinas).

    Quase todos os nossos ídolos do esporte são negros.

    Crescemos vendo um negro como maior ídolo desse país (Pelé) e uma das figuras mais populares do Mundo.

    Testemunhamos um cantor gago, ex-garçom, se tornar a voz romântica mais famosa desse país (Nelson Gonçalves).

    Por falar em Nelson, vimos um outro, um anão, fazer tanto sucesso quanto (Nélson Ned).

    Crescemos vendo um negro e um nordestino serem referências culturais da MPB (Gil e Caetano).

    Crescemos vendo um homem gordo, zoando sua própria gordura, se tornar o apresentador mais bem pago do país (Faustão).

    Crescemos vendo um homossexual extremamente requintado, inteligente, em programas da família brasileira ser amado por muitos e ainda ter virado um dos políticos mais bem votados desse país (Clodovil), explicando que a sexualidade é um direito de cada um, e isso não tem nada a ver com o seu valor como ser humano.

    Crescemos vendo que a melhor maneira de defender seus direitos é abertamente expressá-los de forma *educada e inteligente*.

    Crescemos entendendo que preconceitos são estupidez, pois toda a nossa formação foi com exemplos de representantes de todas as classes, em um país, que normalizou a presença de todos em programas de televisão, onde tudo era discutido sem nenhum pudor.

    Crescemos entendendo de verdade o que era liberdade de expressão. Infelizmente, hoje com esse _mimimi da porra_, não temos mais liberdade de expressão. Tudo que citei acima seria execrado por essa “nova” sociedade *chata pra caralho!!*

    Hoje a “resistência” luta contra “monstros” e rótulos que ela mesma criou e tudo tornou-se proibido e preconceituoso.”

    *Geração chata do caralho!!!*

    Queria aquele Brasil, em que crescemos, de volta.

    Ah, quase esqueci do Chico Anysio, o incomparável, com sua Escolinha do Professor Raimundo, onde havis todas as classes representadas… gay, evangélica, malandro, marombeiro, etc.

    Autores: _*os sexagenários de 2.021*_

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui