A lenda da caixa de pasta de dentes vazia e o ventilador!

Share Button

Descubra com o E-farsas se essa bela história das caixas de pasta de dentes vazias contadas inúmeras vezes em palestras motivacionais é verdadeira ou falsa!

Algumas historias são contadas por aí e a gente acaba repassando adiante sem ao menos dar uma verificada se são reais ou não, né?

Uma ocasião bem propícia pra encontrarmos histórias falsas é em palestra motivacional. Alguns palestrantes usam de histórias cheias de lições valiosas de persistência, uso da inteligência a nosso favor e casos que nos enchem de esperança, mas muitas delas são falsas!

Nesse vídeo que preparamos para vocês, vamos analisar uma dessas histórias, que é contada em quase toda palestra motivacional que você vai.

Descubra conosco:

  • Uma caixa de pasta de dentes sendo enviada vazia para os fornecedores causa tanto estrago?
  • O que uma multinacional teria feito para tentar sanar um problema na linha de produção
  • Como um simples ventilador de R$500 teria resolvido um problema de R$8 milhões?
  • Multinacionais contratam engenheiros terceirizados?
  • É possível fazer uma palestra motivacional falando só verdade?

Essas e outras questões a respeito dessa lenda poderão ser respondidas se você der um PLAY aí embaixo:

 

Encontre o E-farsas nas redes sociais:

Share Button
E-farsas TV, Lendas Urbanas
, , , , , , , , , , , , ,

Comente pelo Facebook

18 comentários

  1. Comentário muito bom e esclarecedor, eu tinha um amigo que tinha uma agencia de propaganda, infelizmente já falecido, e que me contou uma estória ou historia parecida com essa, inclusive era sobre pasta de dente a empresa em questão contratou um engenheiro com alto custo para alavancar a venda da pasta de dente., e ele conseguiu isso simplesmente alargando a boca do tubo que era fina ou seja., a pessoa na hora de colocar a pasta na escova ela coloca o tubo em uma extremidade da escova aperta e puxa até a outra, se a boca do tubo é mais larga obviamente o consumo aumenta., abraço….

  2. ana paula

    Tão triste saber a quantidade de gente que acredita nestas ESTORINHAS com ” E” . Adoro vcs. Quase todo dia preciso usá-los p mostrar p uns amiguinhos meio burrinhos.

  3. Marcelo

    Conheci essa história muito antes da internet. Por volta de 1982 contada por um professor, na época de faculdade de engenharia que, segundo ele, aconteceu com a Colgate. Os engenheiros eram da própria empresa e pela demora de desenvolverem a máquina, os funcionários resolveram o problema com o ventilador.

  4. Fico impressionado como palestrantes motivacionais falam merda. E o pior é que essas palestras custam uma fortuna. E enchem. Bem, trouxa tem mais que se desfazer do seu dinheiro.

    Aproveitando o gancho, uma história que eu gostaria que fosse analisada. A história do carro e o sorvete de baunilha.

  5. Jeferson B. Ceraso

    Essa história é real, só que não com toda aquela ilustração de um bom palestrante. Trabalho nessa empresa há mais de 24 anos e isso aconteceu na minha época, e tem duas pessoas que ainda estão no quadro de funcionários que estava envolvido com essa engenhoca…. Vou ver com um deles para dar o depoimento, mas posso adiantar que não era um ventilador, mas sim um processo mais barato, onde a linha tinha um sistema de ar comprimido e aproveitando desse sistema levaram o ar (via tubo) até o final da linha, acoplado a um cano fino e com regulagem, pois a linha fazia tubos de 50g, 90g e 130g. Também não foi na cidade de Valinhos como diz um dos palestrantes, mas sim em Vinhedo S.P. O restante da história vou deixar para o meu colega de trabalho comentar….

  6. Valdecir Antonio da SIlva

    Confome meu amigo Jeferson B. Ceraso disse, esse fato ocorreu de verdade na fábrica de Vinhedo e o creme dental que produzia nessa linha era Signal, Gessy e Clouse-up ((a kolinos era da concorrente) e foi com minha equipe na linha de produção que trabalhavamos chamada C-6 (“C” de creme dental), trabalhavamos em 03 pessoas, era uma linha nova na fábrica, automática, alemã e a balança era novidade, de última geração que pesava e registrava a pesagem caixa por caixa a uma velocidade de 117 unidades por minuto.
    Foi dificil regular pelo fato de ser novidade e num idioma diferente (alemão) mas em pouco tempo ela ficou desregulada de novo e o mecãnico da oficina e minha equipe fizemos um “palhativo” que solucionou o problema com menor custo e eficiência que foram instaladas em todas linhas novas que chegaram depois.
    Isso faz uns 24 anos atrás.

  7. Daniel Gimemes

    Olá Gilmar!

    Acho super válida a iniciativa de esclarecer que a história não se passa de uma ilustração e não é real, afinal, este é o propósito do site.

    Mas eu queria deixar claro uma coisa: Você conhece algum humorista que conta piadas? Eu gosto muito de humor, stand up comedy , etc e nunca conheci um único humorista que contasse uma piada. Eles só contam “casos reais” que aconteceram com o filho da prima do vizinho…Isso “faz parte” da coisa toda! Se o cara avisar que vai contar uma piada já perdeu a graça….

    O palestrante é a mesma coisa…ele conta uma parábola/ilustração e não vai dizer que não é verdade…é parte do processo…claro, tem os besta que acredita que é real, aí entra o seu trabalho de explicar a piada pra quem é mais lerdo…mas eu só queria deixar claro que isso não é “mentira”, é apenas a regra de ouro de como se deve contar uma boa história fictícia: Nunca admitindo ser fictícia.

    Grande abraço!

    • Gilmar Lopes
      Author

      Ótima explicação!
      Isso só se torna um problema quando as pessoas começam a repassar como sendo verdade. Fora isso, o entretenimento é valido!

  8. Mauro

    Acho que o pessoal não entende o que é uma metáfora.
    A ideia não é passar a história como verdade, mas sim mostrar que a solução pode ser mais simples do que o imaginado.
    Assim como a também conhecida história do ônibus de 2 andares que foi construido na garagem e no momento final não passava pela porta. Então chamam várias pessoas para resolver e o faxineiro rindo, sugere que se esvaziem os pneus.
    Metáfora não precisa ser uma história real.

  9. Ricardo S. Santos

    Sou engenheiro com MBA em Gestão Industrial, conheço bem o ambiente fabril, nunca engoli tb essa história, genial vocês terem destrinchado, contribuo com mais um motivo pra ser falsa:

    – Um sistema que pesasse cada embalagem, uma a uma, não custaria 8 milhões, até porque essa história eu ouço desde 2000 e pouco, e 8 milhões valia hoje muito mais, com esse valor da pra fazer uma fábrica inteira! kkkkk.
    Nas indústrias a gente ouve cada besteira, e essa é a mais famosa mesmo!

  10. Neotupi

    O melhor engenheiro seria o que convencesse o departamento de marketing a eliminar a embalagem de papelão. Inclusive explorando a imagem de ganho ambiental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Digite esse numeros *