Conecte com a gente

E-farsas – Desvendando fake news desde 2002!

E-farsas – Desvendando fake news desde 2002!

Analisamos as principais provas apresentadas pelo Pavão Misterioso!

Crimes

Analisamos as principais provas apresentadas pelo Pavão Misterioso!

Analisamos as principais provas apresentadas pelo Pavão Misterioso!

Parceria inédita do E-farsas com diversos voluntários resultou na maior análise dos documentos apresentados pelo hacker chamado Pavão Misterioso até agora!

Surgido no dia 16 de junho de 2019, um perfil criado no Twitter sob o nome de Pavão Misterioso começou a publicar inúmeros documentos que, segundo ele, provaria que o ex-deputado federal Jean Wyllys teria vendido seu cargo a seu suplente, David Miranda, além de receber uma mesada mensal para continuar fora do país.

O perfil afirmou que teria conseguido tais provas através de invasão aos computadores do jornalista Glenn Greenwald e de seu marido, David Miranda, e que o mundo iria ter acesso a tudo isso.

Após um dia de publicações amplamente compartilhadas no Twitter, o perfil se calou até o dia 07 de julho, quando voltou a publicar prints de – entre várias coisas – supostas conversas entre o jornalista Leandro Demori, Jean Wyllys e David Miranda sobre crimes que teriam sido cometidos por eles.

O E-farsas se uniu a diversos voluntários (alguns pediram para não serem identificados) para analisar os principais pontos das provas publicadas pelo Pavão Misterioso.

O perfil do “hacker” chamado Pavão Misterioso foi criado em junho de 2019 no Twitter! (foto: Reprodução/Twitter)

O Documento de Transferência

Em uma das primeiras publicações, o “Pavão Misterioso” (a conta foi suspensa pelo Twitter) postou um documento, que – segundo ele – teria sido roubado do computador do jornalista Glenn Greenwald a partir de uma invasão hacker e mostraria supostas transações em criptomoedas (que, segundo o Pavão, não são rastreáveis) que teriam sido feitas por Greenwald a um hacker para invadir o celular do promotor de justiça e coordenador da Operação Lava Jato  Deltan Dallagnol.

O hacker que invadiu o computador de Glenn Greenwald teria comprovado que o jornalista teria enviado 84 Bitcoins ao Panamá que depois foi convertido para a Rússia, onde novamente foi convertido em rublos e enviado novamente para a China, onde teria ido para a conta de Viktor Pollson, nome de um conhecido hacker russo. Analise a “prova” na imagem a seguir:

Acontece que o “documento” possuía uma série de erros grosseiros que foram rapidamente desmascarados por usuários do Twitter.

O escritor e youtuber Izzy Nobre foi um dos primeiros a levantar alguns dos erros do documento: A grafia está errada em vários pontos!

https://twitter.com/izzynobre/status/1140395859743404032

Segundo Izzy, quem escreveu isso [os dados do “documento”] é brasileiro tentando forjar um documento para que fique parecido como se tivesse sido feito por um americano. Erro simples como a troca da vírgula pelo ponto decimal seria o primeiro indício de fraude.

No fundo de uma das linhas do “documento” há um pedaço de um símbolo apontado por alguns como sendo o logotipo da Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal) e isso validaria de alguma forma os dados ali contidos. Acontece que, como mostrado no vídeo abaixo, esse logotipo não é usado pela Interpol:

O perfil Tesoureiros do Jair no Twitter também ajudou a identificar outras falhas no principal documento apresentado pelo Pavão Misterioso. Dentre elas, a transação que teria ocorrido às 08:02 do dia 13/02/2019 no valor de 84 BTC (bitcoins) de Greenwald ao hacker russo, a uma cotação de US$ 3.624,54 daria 85 BTC:

https://twitter.com/tesoureirosdoJB/status/1140513205057462273

Além disso, a cotação do bitcoin na hora e no dia apresentado no documento é diferente da do que realmente foi operado:

https://twitter.com/tesoureirosdoJB/status/1140501801097150465

Mais um detalhe: a operação deveria aparecer no blockchain (que é uma sequência de todas as operações realizadas com bitcoin no mundo todo), o que não acontece:

https://twitter.com/tesoureirosdoJB/status/1140501836945862658

Não há nenhuma transação no valor citado pelo Pavão no dia e horário citados.

Diferente do que o tal hacker Pavão Misterioso afirma, a criptomoeda é rastreável, sim, e é isso que a torna tão segura. Não é possível de se saber quem são os donos das carteiras virtuais, mas todas as transações feitas através dessas moedas eletrônicas são públicas. Como podemos demonstrar com a ajuda do perfil Tesoureiros do Jair, se a transação de fato existisse com certeza estaria no meio dessas transações.

O filósofo Henry Bugalho também fez um apanhado de erros dessa primeira aparição do Pavão Misterioso:

Isso tudo sem falar na grafia do documento que (como já mostramos lá em cima), além de escrever as casas decimais com pontos (como fazemos aqui no Brasil), ainda tem o nome do dinheiro russo foi escrito metade em inglês metade em português. O “Russian Rublos” em inglês, seria “Russian Rubles”. 

Leitores do E-farsas também avisaram que no início do documento a palavra “transfered” aparece no final como “transferred”. Um tipo de erro considerado grave em um documento de transferência de valores. 

Endereço da Polícia Federal

Como apurado pelo jornalista Andrew Fishman, o endereço da Delegacia de Imigração da PF no Rio não fica na Rua Rodrigues Alves, 1 – como mostrado pelo Pavão Misterioso, mas no aeroporto Santos Dumont:

Entre em contato com o E-farsas

(11) 96075-5663 - t.me/efarsas

https://twitter.com/AndrewDFish/status/1147499960981688320?s=19

Segunda aparição do Pavão Misterioso

Entre os dias 5 e 8 de julho de 2019 o perfil Pavão Misterioso voltou a twittar uma série de novas imagens que seriam prints de conversas de contas Telegram envolvendo o ex-deputado Jean Wyllys, dos jornalistas Glenn Greenwald e Leandro Demori, e dos deputados David Miranda e Marcelo Freixo. Segundo o Pavão Misterioso, os dados teriam sido roubados das contas do Telegram por meio de uma invasão hacker aos smartphones das vítimas e comprovariam que Glenn e David teriam mesmo comprado o cargo de Jean Wyllys.

Para provar que estaria falando a verdade, o Pavão Misterioso divulgou prints dos celulares (expondo os números de telefone de Demori e de Jean Wyllys), e que isso – segundo ele – seria uma prova de que ele não estava mentindo.

No entanto, os espertos usuários do Twitter desmascararam rapidamente esse embuste com um simples teste. Como o Twitter possui – assim como toda boa rede social – um sistema para recuperação de senha (para o caso do usuário que esquece a sua senha) onde basta colocar seu nome de usuário ou de telefone para que o Twitter envie um link para restauração de senha. E foi isso o que muitos usuários fizeram:

https://twitter.com/JooVito97903906/status/1147598150456217600

Em resumo, ao tentar colocar o número de telefone que supostamente seria do jornalista Leandro Demori, o usuário é avisado pelo Twitter que irá enviar um reset de senha para o e-mail do… Pavão Misterioso!

Ou seja, o criador do perfil Pavão Misterioso criou sua conta usando o número de telefone que ele alegou ser de Leandro Demori.

O usuário @cu_ack mostrou o processo de verificação e restauração de senha em vídeo:

https://twitter.com/cu_ack/status/1147601189388898306

Além disso, uma informação exclusiva que nos foi enviada por um leitor revela que o número do telefone que o Pavão Misterioso insiste em dizer que é de propriedade de Leandro Demori, na verdade, foi cadastrado na operadora no dia 06 de julho de 2019, mas – como podemos ver na foto abaixo – foi cancelado no mesmo dia por falta de documentação (no bom português, por fraude):

Imagem exclusiva mostra que o número de telefone atribuído ao jornalista Leandro Demori foi ativado no dia 06 de julho de 2019 e cancelado no mesmo dia por falta de comprovação documental! (foto: Arquivo pessoal)

Ao ser confrontado pelos usuários do Twitter, o Pavão disse que o uso do chip em nome de Leandro Demori foi puro sarcasmo:

As fotos dos usuários do Telegram

Os prints das conversas de Telegram apresentadas pelo Pavão Misterioso mostram que as fotos de Jean Wyllys, Leandro Demori e David Miranda são fáceis de se encontrar na internet e foram postadas no Telegram no mesmo dia 07 de julho de 2019. Além disso, as fotos de Demori e Wyllys são as únicas que eles teriam no Telegram, o que torna curioso o fato de nunca terem trocado.

Novamente, quem mostra essa “curiosidade” pra nós é o usuário @Cu_ack, mostrando o histórico de alterações de imagens do Telegram:

https://twitter.com/cu_ack/status/1147649421938692096

Fuso Horário Errado

O usuário do Twitter Lucas Mourão nos mostra outro erro grave encontrado nos prints das supostas conversas obtidas pelo “hacker” Pavão Misterioso. Como Jean Wyllys está morando na Europa, o Pavão tomou o cuidado de inserir as diferenças de fuso horário nas imagens e muitos de seus seguidores acreditaram que isso seria uma prova irrefutável da autenticidade dos dados apresentados.

No entanto, o Pavão errou, pois a Europa tem fuso horário de 4 horas à frente do Brasil, ou seja, se agora no Brasil são 10h30min, na Espanha, por exemplo, são 15h30min (4 horas do fuso horário mais uma hora de horário de verão – que vai até o mês de outubro na Europa). Como podemos ver na imagem das supostas conversas entre Jean Wyllys (que está na Europa) e Leandro Demori e David Miranda (que estão no Brasil), Wyllys aparece como se estivesse com fuso horário de 4 horas a menos que seus os interlocutores:

Na imagem acima, podemos ver que as supostas mensagens que teriam sido enviadas de David Miranda para Jean Wyllys indicariam que a conversa estaria acontecendo a partir das 6h22min (no celular de David). Ou seja, pelos prints divulgados pelo Pavão Misterioso, David Miranda, no Brasil, estaria 4 horas à frente de Jean Wyllys, que está na Europa.

Conta Suspensa

Atualmente, a conta do Pavão Misterioso está suspensa devido a uma punição do próprio Twitter. A empresa não dá maiores detalhes do motivo da suspensão e explica apenas que o usuário “violou as regras do Twitter”:

É fácil invadir o Telegram?

Até hoje, segundo o que diz a empresa, não houve nenhuma invasão em seus servidores! Em uma publicação feita no dia 13 de junho de 2019 na conta brasileira do Telegram no Twitter, a companhia debocha de quem afirma ter conseguido invadir o seu sistema:

https://twitter.com/telegram_br/status/1139203167265153026

O Telegram já chegou a oferecer R$1,1 milhão para quem conseguir invadir os seus sistemas e, até hoje, ninguém foi reclamar o prêmio! O Pavão Misterioso, se tivesse provas reais mesmo de invasão, poderia estar milionário a essa hora… No entanto, ele parece se satisfazer apenas com postagens mensais no Twitter!

Conclusão

Todas as supostas provas publicadas pelo perfil Pavão Misterioso sobre supostos crimes cometidos por Jean Wyllys, Leandro Demori, Glenn Greenwald e David Miranda foram desmentidas por usuários no próprio Twitter através de simples checagens feitas na própria internet. Esse artigo foi escrito com a inestimável contribuição de diversos parceiros. Dentre eles, os amigos Henry Bugalho e Tesoureiros do Jair, além de inúmeros leitores que ajudaram com várias verificações. Alguns trechos desse artigo se basearam em um documento elaborado pelo advogado Lucas Mourão (OAB 187.504).    

Obs.: Acrescentada a informação do horário de verão na Europa.

Continue lendo
321 Comentários

Mais Populares

Ajude a Manter o E-farsas!

Categorias

Publicidade

Parceiros:

Voltando a Circular

Publicidade

Topo