Conecte com a gente

E-farsas – Desvendando fake news desde 2002!

E-farsas – Desvendando fake news desde 2002!

Cliente insatisfeito com automóvel da JAC Motors vandaliza próprio carro!

Foto que circula pela web mostra carro da JAC vandalizado pelo próprio dono! Será?

Correntes

Cliente insatisfeito com automóvel da JAC Motors vandaliza próprio carro!

Em e-mail que circula há um tempinho, proprietário de um automóvel da JAC Motors reclama da qualidade do veículo e acaba pichando o próprio carro. Será verdade?

Esse texto surgiu na web em julho de 2011 e cont

a a revolta de um consumidor que, depois de ser muito mal atendido em uma das concessionárias da montadora de veículos JAC Motors, ainda teria levado para casa um automóvel em péssimas condições.

Ainda, para piorar, o cliente não conseguiu resolver os problemas que vieram de fábrica.

De acordo com a foto que acompanha o texto, o dono do carro teria escrito na lataria de seu próprio veículo:

JAC J3 NÃO VALEU A PENA!

Será que isso é real?

Foto que circula pela web mostra carro da JAC vandalizado pelo próprio dono! Será?

Foto que circula pela web mostra carro da JAC vandalizado pelo próprio dono! Será?

Aparentemente, a história é falsa!

O texto não é assinado. O autor diz que comprou o veículo em uma concessionária de Curitiba a pouco mais de 1 mês. Se a história começou a circular em julho, já se passaram 3 meses. É claro que, em razão do texto não ser datado, daqui 1 ano teremos de volta esse mesmo texto afirmando que tudo teria acontecido há 1 mês (mesmo tendo se passado mais de 12!).

Os boatos da internet são como ioiôs: vão e voltam e nesse caso não será diferente!

Nos primeiros parágrafos, o autor do texto não consegue explicar corretamente:

…Ele foi entregue sem bateria, sem gasolina, com problema na injeção eletrônica, com a luz do painel que indica (segundo o manual do usuário) problema grave no motor e com o porta-luvas sem fechar corretamente.

Não estamos defendendo nenhuma empresa aqui. Tampouco estamos ganhando nada para falar isso ou aquilo. O E-farsas apenas analisa o conteúdo dos textos que circulam pela web. Ok?

Um carro sem bateria não anda! Um carro sem gasolina também não anda!

Quem já comprou um carro sabe que a maioria das revendas de veículos deixa apenas a quantidade de combustível necessária para se chegar até o primeiro posto de gasolina. Mais do que isso é só em promoção.

Talvez o autor do texto quisesse dizer que o carro teria sido adquirido com pouca gasolina, ou com a bateria bem baixa. Mas, como já dissemos, estamos analisando o que está escrito e não tentar adivinhar o que se queria dizer.

Entre em contato com o E-farsas

(11) 96075-5663 - t.me/efarsas

Nesse comecinho de texto também não fica claro qual seria o “problema grave no motor”.

Logo em seguida, o consumidor descontente diz em seu texto que 2 dias depois do conserto, o espelho retrovisor quebrou. Ou seja, o autor admite que houve um atendimento (ainda que precário) por parte da concessionária. Isso entra em contradição várias vezes dentro do texto.

Outra dúvida: O retrovisor teria quebrado assim “do nada”?

É de se imaginar que seja realmente um transtorno ter que levar seu carro zero quilômetro diversas vezes à concessionária para reparos. Ainda mais em um produto que “acabou de sair da fábrica”.

Acontece que o autor não se identifica em nenhum momento. A placa do carro não aparece na foto e, segundo o site Carplace – que é especializado em automóveis -, o celular citado no texto não existe.

Saber que os nomes dos funcionários são Rosemeire e Marco também não ajuda em nada. Imagino que um cliente, ao deixar um produto de alto valor nas mãos de outra pessoa, o mais sensato seria saber o nome completo e/ou o numero de cadastro do funcionário. Isso vem na ordem de serviço.

No caso desse texto, o proprietário teria agido de maneira muito diferente da usual: como o funcionário (o tal Marco) não estava, o cliente simplesmente teria deixado o veículo com o diretor (sem nome) da JAC.

Ao invés do consumidor colocar na internet uma foto de seu automóvel, seria mais verossímil se disponibilizasse a tal carta protocolada pela JAC Motors, não é?

Entramos em contato com o SAC da JAC Motors do Brasil, que nos redirecionou para a assessoria de imprensa da empresa. Quem nos atendeu explicou que já conhece o texto, mas não tem nem como contatar esse cliente insatisfeito, pois – como já mencionamos – o telefone citado não funciona e tampouco é possível localizar o proprietário do veículo pela placa, pois ela não aparece na foto.

De acordo com a assessoria de imprensa da JAC Mortors, um automóvel modelo J3 realmente apresentou um problema no pedal de freio, como foi mostrado em reportagem da revista Quatro Rodas. Mas esse caso não tem nada a ver com o boato que circula na web.

De fato, durante os testes de longa duração feitos pela a revista Quatro Rodas em um dos modelos da JAC, surgiram alguns problemas no veículo testado como, por exemplo, os vidros elétricos pararam de funcionar. Segundo a reportagem, bastou a troca dos fusíveis queimados para que os vidros voltassem a funcionar normalmente.

A foto que vem junto com o texto mostra apenas a lateral de um carro da JAC Motors com vários dizeres colados na lataria. Uma montagem desse tipo pode ser facilmente produzida com programas de edição de imagem. Notem que até agora nenhuma outra fotografia semelhante surgiu.

Se o caso fosse real, outras fotos apareceriam na internet.

Atualização 27/01/2014

O leitor Renato afirma nos comentários que foi ele o autor dessa fotografia e que o carro de fato existiu e era de uma mulher. Renato diz que tirou a foto em uma rua de Belo Horizonte (MG) e que a fotografia depois de cair na internet ganhou várias versões e que nenhuma delas foi criada por ele.

Conclusão

A história é falsa. É quase certo que alguns clientes insatisfeitos com essa marca (que é nova no Brasil) ou com outras marcas já tenham passado por apuros na hora de solicitar reparos em seus veículos, mas não é o caso desse e-mail. A dica é, quando o consumidor for mal atendido ou quando não consegue fazer valer os seus direitos, o ideal é procurar um órgão competente de defesa do consumidor. No caso, procure o Procon.

Sites pesquisados:

Continue lendo
111 Comentários

Mais Populares

Ajude a Manter o E-farsas!

Categorias

Parceiros

Voltando a Circular

Publicidade

Apoio técnico!

Topo