18.2 C
São Paulo
quarta-feira, outubro 27, 2021

Excesso de leitura leva a óbito estudante no Paraná! Será?

- Advertisement -spot_imgspot_img
- Advertisement -spot_imgspot_img

Texto afirma que um estudante paranaense de 25 anos teria literalmente morrido de tanto estudar! Será que essa história é real?

Em março de 2012, uma notícia começou a tomar destaque em vários blogs, sites e também nas redes sociais. O estudante Carlos Camacho Espíndula, de 25 anos e morador de Francisco Beltrão, no Paraná, teria entrado em convulsão e morrido após 12 horas de estudos para a finalização de seu Trabalho de Conclusão de Curso[bb].

Ainda, de acordo com o texto, Arnaldo da Rocha Trigueiro, que seria responsável pela delegacia de homicídios de Curitiba, teria afirmado que o professor praticava uma modalidade de “bullying acadêmico” com seus alunos. “Ele humilhava alunos com comentários obscenos e desumanos que marcavam negativamente a psique dos seus orientandos”, teria dito Rocha Trigueiro. O professor seria investigado por homicídio culposo por causa das cobranças em relação a leituras e correções na redação do TCC do garoto.

A matéria vem acompanhada da foto do rapaz, morto de tanto estudar:

Estudante teria morrido depois de estudar por 12 horas seguidas
Estudante teria morrido depois de estudar por 12 horas seguidas! Verdadeiro ou falso?

 

Mas será que essa história e verdadeira ou falsa?

O texto tem todas as características de mais hoax:

  • Cita nomes de pessoas que não existem
  • Chama a atenção para um assunto que interessa a muita gente
  • Cita fontes falsas
  • O fato ocorreu longe, para que o leitor tenha mais dificuldade de averiguar

Em primeiro lugar, a noticia diz que o rapaz teria morrido depois de estudar por 12 horas seguidas. Ora, muita gente estuda bem mais do que isso e não há relatos de morte por causa disso!

Os nomes citados

As buscas por cada um dos nomes dos 03 personagens dessa notícia só retornam sites e blogs que reproduziram a história.

Diferente do que afirma o autor da notícia, o responsável pela delegacia de homicídios de Curitiba, de acordo com essa matéria do G1 é o delegado Rubens Recalcatti.

Quanto ao Professor Helvécio Dias Barroso, também não o encontramos como funcionário em nenhuma das faculdades[bb]do município citado.

O rapaz da foto

A foto é de um estudante mesmo, só que ele não tem nada a ver com a notícia. O garoto que aparece na fotografia que ilustra a notícia se chamava Cameron Dabaghi.

Infelizmente, Cameron Dabaghi virou notícia depois de cometer suicídio aos 21 anos de idade se jogando do 86° andar do Empire State Building. Estudante da Universidade de Yale – EUA -, o jovem estava se formando em estudos do Leste Asiático e iria se formar em 2011. O fato ocorreu em março de 2010.

Origem do boato

Essa falsa notícia do aluno paranaense que morreu de tanto estudar saiu da cabeça do professor, radialista e humorista Fabio Flores. No dia 11 de março de 2012, Fabio postou a brincadeira no blog humorístico Enfu. Foi uma questão de dias para que a sua história engraçada se espalhasse pela rede. E o pior é que muita gente acreditou!

Já pesquisamos aqui no E-farsas outras histórias inventadas por Fabio Flores. Em fevereiro de 2012, publicamos uma pesquisa a respeito de uma notícia de uma adolescente que teria ganhado R$ 63.000,00 em um leilão virtual para fazer sexo. Notícia, igualmente, falsa!

[update: 26/03/2012]

Em entrevista ao E-farsas.com, o professor Fabio Flores explica que “o ‘Jornalismo Mentira’ uma modalidade de humor que é a extrapolação da realidade a limites absurdos. De maneira geral, os fatos que invento possuem exageros homéricos para levar o leitor ao riso.”, diz ele.

Fabio Flores também nos contou que fica surpreso quando vê órgãos da imprensa reproduzir seus textos como se fosse verdade e que sua maior diversão é ler os comentários sobre as matérias. “Os comentários são a sobremesa do meu humor no Jornalismo Mentira. Também rio muito escrevendo. O texto antes de tudo precisa ser engraçado para mim.”, se diverte o humorista.  

Com muita simpatia, Flores se despede da gente e pede para o E-farsas parar de ficar desmentindo suas notícias! Não vai dar, não! Rsrsrsrs!

[/Update]

Conclusão

História falsa. Ninguém morreu por ter estudado demais!

Sites citados

- Advertisement -spot_imgspot_img
Gilmar Lopes
Gilmar Henrique Lopes é Analista de Sistemas. Trabalha com PHP e banco de dados Oracle e é especializado em criação de ferramentas para Intranet. Em 2002, criou o E-farsas.com (o mais antigo site de fact checking do país!) que tenta desvendar os boatos que circulam pela Web. Gilmar também tem um espaço semanal dentro do programa “Olá, Curiosos!” no YouTube e co-apresenta o Fake em Nóis ao lado do biólogo Pirulla!
Latest news
- Advertisement -spot_img
Related news
- Advertisement -spot_img

7 COMENTÁRIOS

  1. Bom, para mim, a história já morreu quando surgiu delegado de Curitiba.

    Que diabos um delegado de Curitiba estaria encarrega de uma morte natural em Francisco Beltrão que fica a 490km da Capital?

    Francisco Beltrão não é pequenininha, tem delegacia para. Imagina se o delegado iria pensar em sair de Curitiba para investigar a morte por causas naturais de um jovem.

  2. Essa foi fácil desvendar, mas mesmo que alguém morra enquanto está estudando, necessariamente não quer dizer que o excesso de estudo tenha sido responsável.

  3. É cara… brincar com morte não é engraçado. ‘-‘
    E usar a foto do rapaz que teve uma morte trágica dessas, é menos ainda. O famoso humor negro… -.-”

    Eu até tenho um humorzinho negro, mas tem um limite. =/

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui