22.1 C
São Paulo
sexta-feira, julho 1, 2022

Milagre: Papa faz sangue de santo liquefazer!

- Publicidade -

É verdade que o papa Francisco fez o milagre de transformar o sangue coagulado de São Januário em liquido durante uma cerimônia na Itália?

A notícia se espalhou em vários jornais online na terceira semana de março de 2015, além de ser compartilhada inúmeras vezes nas redes sociais. De acordo com a reportagem, o papa Francisco teria conseguido reproduzir o milagre de São Januário, fazendo com que o sangue sólido do santo da Igreja Católica voltasse a ser liquido novamente!

O milagre teria ocorrido em Nápoles (Itália), durante a festa de São Januário, padroeiro da cidade, no dia 21 de março de 2015 e, conforme publicado, não ocorria desde 1848.

Será que isso é verdade mesmo?

papa-san-genaro
Papa teria transformado o sangue coagulado de São Januário em liquido novamente! Milagre? (foto: Reprodução/YouTube)

 

Verdadeiro ou falso?

De fato, o papa Francisco celebrou uma missa em Nápoles, no dia 21 de março de 2015 – uma das épocas do ano em que os devotos fazem festas em homenagem a São Januário – e fez com que o conteúdo da ampola virasse liquido (ou meio-líquido). Mas não se trata de nenhum milagre!

Aliás, o papa Francisco – bem humorado como sempre – quando percebeu que apenas metade do conteúdo do relicário se liquidificou, disse aos fiéis:

“O bispo disse que o sangue foi dissolvido pela metade, isso significa que é preciso uma boa metade para sermos melhores. Nós temos que ser melhores e converter-nos (mais) ainda “

Milagre explicado pela ciência

Acredita-se que o sangue – que fica guardado a sete chaves em um cofre na Catedral de Nápoles – se liquefaça milagrosamente duas vezes por ano: na festa em 19 de setembro, e no primeiro sábado de maio. Exatamente nessas ocasiões, uma ampola, que muitos acreditam conter o sangue seco do santo, é levada em procissão pelas ruas da cidade.

O povo local acredita que quando o conteúdo dessa ampola não se liquefaz durante essas festas, talvez isso seja um aviso de que alguma catástrofe está para ocorrer!

- Publicidade -

Conteúdo que seria o sangue de São Januário guardado pela Igreja se liquefaz duas vezes por ano! (foto: Divulgação)
Conteúdo que seria o sangue de São Januário guardado pela Igreja se liquefaz duas vezes por ano! (foto: Divulgação)

Conforme explicado aqui, O ritual costumava ser realizado no dia 16 de dezembro, mas a ocorrência da liquefação era muito rara nessas ocasiões, aparentemente devido às temperaturas mais baixas, por isso, e esse costume foi descontinuado e as datas das festividades mudaram para dias com as temperaturas um pouco mais altas.

Muitos jornalistas atribuíram o “milagre” ao papa Francisco e ainda afirmaram que isso não ocorre desde 1848, no entanto, há vários relatos de que o “sangue” de São Januário tenha virado liquido em outras ocasiões, como em 2012, por exemplo. O que virou notícia foi que isso não ocorria nas mãos de um papa há mais de um século (o último papa a reproduzir o feito foi o Pio XI, em 1848).

O fato é até a Igreja prefere se posicionar neutra em relação a esse suposto milagre e é cautelosa ao afirmar que não se trata de milagre, mas de um “evento milagroso”. Apesar dos cientistas nunca terem sido autorizados a retirar uma amostra da ampola (o que acabaria de vez – ou não – com o mistério), em 2009 foram feitos testes espectroscópicos no líquido.

Com os resultados dessas análises, John F. Fischer e Joe Nickell recriaram algo semelhante ao que seria o suposto sangue do santo, usando cera de abelha derretida em azeite colorido com pigmento vermelho (ingredientes que já eram bem conhecidos na época em que o “sangue” apareceu). A mistura criada pelo dupla de cientistas se comporta da mesma maneira: Era sólida quando ficava em repouso e se liquidificava com apenas um pouco de calor (ajudado pelo agitar do recipiente). O nome dessa propriedade é tixotropia e podemos ver isso ocorrendo em piscinas de água com amido de milho:

[iframe: width=”600″ height=”338″ src=”https://www.youtube.com/embed/QPg2XkGXF1I” frameborder=”0″ allowfullscreen]

 

Estudos anteriores

Em 1991, uma equipe de cientistas Italianos conduziu uma série de experimentos, mostrando que os químicos medievais poderiam facilmente ter criado a imitação sangue que teriam as mesmas propriedades do sangue de Nápoles.

O estudo foi publicado na prestigiada revista científica britânica Nature por um grupo liderado pelo Dr. Luigi Garlaschelli, químico da Universidade de Pavia (Itália). Eles também concluíram que a liquefação do sangue pode ser explicada pela tixotropia. Parte do ritual da verificação do sangue milagroso de São Januário consiste em inverter a posição do relicário onde está lacrada a mistura sólida, e esse simples movimento já é suficiente para liquefazer certos géis tixotrópicos.

Em laboratório, a equipe Italiana preparou uma imitação do sangue usando uma solução de cloreto férrico e carbonato de cálcio. E em outra experiência feita no mesmo estudo, os cientistas trataram materiais extraídos das tripas de animais com óxido de ferro e cloreto de sódio e chegaram a um gel acastanhado, que coagulado quando fica em repouso e se liquefazia facilmente ao mais suave movimento.

Mais estudos sobre o sangue de São Januário podem ser lidos aqui, aqui, aqui também e aqui.

Conclusão

Cada um tem a sua fé (ou a falta dela) e não estamos aqui para criticar ou questionar a crença de ninguém, mas é preciso explicar que um fenômeno não pode ser considerado milagre quando há explicação científica para aquilo. O papa esteve mesmo em uma cerimônia em Nápoles e fez o ritual de liquefação do conteúdo de um relicário considerado sagrado por muitos, mas apesar de vários jornais afirmarem que o papa fez um milagre, a própria Igreja prefere não se posicionar quanto a isso e prefere chamar o fato de um “evento milagroso”.

- Publicidade -
Gilmar Lopes
Gilmar Henrique Lopes é Analista de Sistemas. Trabalha com PHP e banco de dados Oracle e é especializado em criação de ferramentas para Intranet. Em 2002, criou o E-farsas.com (o mais antigo site de fact checking do país!) que tenta desvendar os boatos que circulam pela Web. Gilmar também tem um espaço semanal dentro do programa “Olá, Curiosos!” no YouTube e co-apresenta o Fake em Nóis ao lado do biólogo Pirulla!

Últimas Atualizações

- Publicidade -

Ajude a Manter o E-farsas

- Publicidade -

Checagens Relacionadas

26 COMENTÁRIOS

  1. O erro principal, no entanto, está em dizer que o Papa fez o milagre. Nenhum Papa faz mediação por Santos. Se fosse de fato um milagre reconhecido (o que leva anos de estudo), não seria por intervenção do Pontífice, e sim do próprio sangue no relicário. Trabalhos como o seu, Gilmar,são importantes também pra nós, Católicos, porque, ao contrário do que a maioria acredita, nós não nos apegamos no “é assim porque Deus quis”.

    • No caso, a Igreja classificou o ato como um “evento milagroso” no sentido de que foi reproduzido o que (em algum momento) pode ter sido considerado um milagre. Para a Igreja, o que o papa fez foi uma representação do milagre, como o ato de comer a hóstia representa comer o corpo de Cristo. São coisas distintas, apesar de significar quase a mesma coisa!

      • Perdão a correção, mas está errado do ponto de vista Católico suas definições.
        A Hostia não representa Cristo para os católicos. A Hóstia consagrada É Cristo (Baseada na Hostia que Jesus falava na Santa Ceia conforme o Evanelho de João: “Isto é Meu Corpo”)
        Não representa, é. O estudo do Evangelho de São João 6, dirá que o corpo de Cristo é verdadeira comida e bebida.
        Mas não se altera as aparências, cremos na transubstânciação – o Pão torna-se vivo, mesmo que não o percebamos com os sentidos. Muda-se a substancia principal graças ao Espírito que age pela Palavra.

        É doido, por isso, Missa para católicos é milagre velado e evento milagroso ao mesmo tempo.

        Sobre essa distinção, ter cuidado ao usar o termo milagre é prudencia. Difere muito EVENTO MILAGROSO, porque a partir de tal fato, a fé das pessoas pode gerar muitos bens e milagres.

        Na Biblia, os lenços do Apostolo Paulo curavam, pela fé que as pessoas tinham de aproximar-se dele

        Gosto do trabalhoo do E-farsas
        Grato

  2. Sempre é bom ressaltar que a Igreja é muito criteriosa com os assim chamados “milagres”. Normalmente procede-se a toda espécie de exames, incluindo minuciosos exames laboratoriais. Se a Igreja for chamada a se pronunciar, a ciência é sempre consultada, como por exemplo, no já autenticamente comprovado milagre de Guadalupe no México. Agora, acreditar nisso, ou não, a Igreja deixa livre para cada católico aceitar ou não. Mesmo quanto aos milagres aceitos pela Igreja. Os milagres extra-bíblicos não são necessariamente verdadeiros. O que torna altamente questionável qualquer evento considerado milagroso por pessoas ou grupos religiosos. Até que haja um pronunciamento do Magistério da Igreja.

  3. Igreja católica e seus rituais… sangue no relicário, água benta, rezar o terço, etc etc. Igrejas evangélicas e seus saquinhos com sal, sabonetinhos, tijolinhos, etc etc. Costumes sem nenhum embasamento bíblico.

    “Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. Em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens.”
    Mateus 15:9

    • Sem polemizar e já polemizando: Cristo também, em sua época, foi hostilizado por várias correntes religiosas (fariseus, saduceus, etc.). Chamaram-no de louco recorrendo ao mesmo argumento: “o que vc afirma não tem base na Lei (dos Profetas)”. “Onde está escrito?”. Pois bem. Desde 1517, quando ocorreu a reforma protestante, proliferou no mundo várias correntes, todas contrárias à doutrina Católica. O que questionamento é o mesmo: “Onde está escrito na Bíblia?”. Ou seja, novamente temos o mesmo cenário. De um lado a Igreja Católica, de outro, as Igrejas Protestantes. A primeira começou com os apóstolos e discípulos de Cristo. Consulte a História para comprovar. Não sou eu que estou afirmando isso. A segunda, aparece depois de 1.500 anos!! Questiono: com quem ficar? (deixo a resposta com cada um. Quanto a mim, já tenho a minha). Em cenários como este prefiro ficar com o ensinamento da Gamaliel: “Se esta obra é de homens, não triunfará. Mas se é de Deus, não a combatais, pois estreis combatendo o próprio Deus” (Atos 5: 38 – 39). Desde quando começou, a Igreja Católica está de pé até hoje, passados, dois milênios de existência. Reflita sobre isso!!

  4. “Para os que tem fé, nenhuma prova é necessária. Para o que não tem, nenhuma será suficiente”.

    Para os céticos, tudo o que eles não podem explicar é “farsa”. Bem já surgiram muitas tentativas de “explicação” para o milagre do sangue de São Januário, e até afora todas elas foram derrubadas pela própria pesquisa científica. Continuem tentando, homenzinhos arrogantes…

    • Se a Igreja deixasse que se fizessem exames no conteúdo da ampola os cientistas teriam uma resposta definitiva!
      Acontece é que a própria instituição não confirma o milagre, chamando-o de “ato prodigioso”.

  5. Parabéns pela honestidade da matéria. Achei bem transparente. Tenho fé neste milagre. Existem milagres. Conheço muitos outros dentro da Igreja e muito maiores também. Deus fez a natureza com leis naturais mas não está aprisionado por elas. Nem tudo pode ser comprovado cientificamente: “Se toda verdade nasce apenas da experimentação, de onde surgiu essa verdade? Ora, é evidente que a proposição de Kant não se sustenta, dada a incongruência de seu raciocínio.” (Olavo de Carvalho)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui