19.9 C
São Paulo
sexta-feira, janeiro 21, 2022

Tropa de Choque bateu continência para os manifestantes?

- Publicidade -

Vídeo mostra policiais do batalhão da Tropa de Choque da Polícia Militar batendo continência para os manifestantes em sinal de respeito! Será verdade?

As imagens apareceram na web na segunda quinzena de março de 2016 e mostram cenas do momento em que a Tropa de choque teria sido chamada para conter manifestantes na avenida Paulista (no centro de São Paulo) – durante os protestos contra e/ou a favor do Governo – e, ao invés de confrontarem os manifestantes, os policiais teriam prestado continência para a população.

O vídeo foi amplamente compartilhado através das redes sociais, além de ter sido publicado em inúmeros sites e blogs! No entanto, o ato gerou muitas dúvidas entre os leitores do E-farsas!

Será que isso é verdade mesmo?

 

Verdadeiro ou falso?

O vídeo é real, mas apesar das imagens terem sido publicadas como se os policiais estivessem batendo continência para a população, a verdade é que o gesto teve outra finalidade!

De acordo com o Decreto Nº 88.513/1983, os Policiais Militares devem prestar continência em sinal de respeito e apreço a seus superiores, pares, subordinados e símbolos. O policial pode “bater” continência a um civil se quiser. Não há problema nisso!

O problema é que, nesse caso, quem espalhou o vídeo deu entender que a PM estaria tomando um lado nas manifestações e a verdade (pelo menos, até onde averiguamos) não é bem essa.   

A página do Terceiro Batalhão de Choque da Polícia Militar do Estado de São Paulo explicou, no dia 14 de março de 2016, que o ato foi uma homenagem a um policial militar que morreu em serviço.

O blogue da Polícia Militar de São Paulo explica que o policial falecido é o Cabo Ernaldo Cesar Marcondes Junior, do 23º Batalhão de Policiamento do Interior, em Lorena. A PM conta que o policial não resistiu aos ferimentos causados por um acidente de trânsito ocorrido durante patrulhamento pela Estrada Colônia do Piagui, Guaratinguetá, no dia 12 de março.

- Publicidade -

No dia 13, a PM de São Paulo divulgou mais fotos da homenagem feita pelo policiais ao colega morto.    

PMs estavam prestando uma homenagem a um colega morto no dia anterior! (foto: PMSP)
PMs estavam prestando uma homenagem a um colega morto no dia anterior! (foto: PMSP)

Não conseguimos identificar a origem desse boato, mas alguém pegou um trecho do vídeo que mostra os policiais prestando continência em respeito ao PM falecido e tirou o fato de contexto, distorcendo toda a história.

Conclusão

A Tropa de Choque da PM do Estado de São Paulo não estava “batendo” continência para os manifestantes da avenida Paulista! Na verdade, os policiais estavam homenageando um colega que havia morrido um dia antes em serviço!

- Publicidade -
Gilmar Lopes
Gilmar Henrique Lopes é Analista de Sistemas. Trabalha com PHP e banco de dados Oracle e é especializado em criação de ferramentas para Intranet. Em 2002, criou o E-farsas.com (o mais antigo site de fact checking do país!) que tenta desvendar os boatos que circulam pela Web. Gilmar também tem um espaço semanal dentro do programa “Olá, Curiosos!” no YouTube e co-apresenta o Fake em Nóis ao lado do biólogo Pirulla!

Últimas Atualizações

- Publicidade -

Ajude a Manter o E-farsas

Checagens Relacionadas

33 COMENTÁRIOS

      • Gilmar, isso não é desculpa para escrever o termo errado. Muito menos para espalhar um termo usado de forma errônea. Colocasse “bater” nas tags da notícia. Melhor admitir o erro, fica mais bonito. No mais, parabéns pelo trabalho. Abraço.

        • Não foi erro! coloquei “bater” no título apenas para facilitar as buscas! Sei que muita gente busca por “bater continência” ao invés de “prestar continência”.
          Faça um teste no Google, por favor!
          Note que no conteúdo do artigo coloquei o termo errado entre aspas!
          Abração!

          • Quantos pascoales por aqui hoje não e mesmo? Olha o ser usando numa mesma frase: intenção de corrigir um erro bobo e falando de bater punheta! O que esperar? hehe

          • Pelo amor de deus, como se alguém desse a mínima pra esses termos militares. Cidadão comum fala tanque e não blindado, cidadão comum fala bala, não fala munição, cidadão comum não presta continência, nem bate.

          • Bater continência entre aspas.Qual o problema neste termo idiomático ? Quanto mimimi…
            Parabéns pela pesquisa e pelo ótimo trabalho, Gilmar Lopes !!!
            Obrigado pelos esclarecimentos.

          • Obrigado! Pelo que tenho acompanhado aqui nos relatórios fornecidos pelo Google, muita gente chega até esse artigo procurando por “bater continência” e poucos chegam através de buscas do tipo “prestar continência”.

  1. Ponto negativo para o e-farsas que sempre foi descritivo. A explicação é uma opinião, verve criativa de uma longa história de 48h onde a Av. Paulista foi fechada por guardas de trânsito e soldados da PM à serviço da FIESP.

  2. Leiam o artigo todo, caras. Olhem o uso das aspas. Poxa, rs comentam primeiro sem ler, preguiça do caramba, só pra aparecer.
    Site muito bom, visito quase que diariamente. Valeu Gilmar!

  3. Como o pessoal desvia o foco da noticia por um detalhe. Hehehehehe.

    Se a continência foi para os manifestantes ou em homenagem ao falecimento do policial é duvidoso, mas uma coisa é certa. O Prefeito de São Paulo mandou a polícia remover os manifestantes contrários ao governo para que a manifestação dos petralhas pudessem entrar na Av. paulista.

    Isto está correto? Remover a força um grupo de manifestantes para que outro possa entrar no mesmo local?

    E se o argumento de remover os manifestantes era para desbloquear a via pública, porquê não removeram da mesma maneira os manifestantes lulistas?

    • Jessé, a remoção foi porque o protesto dos favoráveis ao governo já estava marcado com antecedência. Da mesma forma que no dia 13 houve o protesto dos anti-governo e a polícia não deixou grupos contrários se aproximarem, desta vez fizeram o mesmo para evitar confrontos.

    • Mandou retirar pelo mesmo motivo que não permitiu a entrada de manifestantes contrários dia 13. Porque ambas foram notificadas com antecedência e a nossa constituição diz :

      DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS
      XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

    • Por causa de um negócio chamado Constituição
      DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS
      XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

  4. Tudo bem, mas tinha que escolher logo o dia das manifestações pra homenagear o colega morto? Não podia ser numa situação menos polêmica? Ou será que a intenção era causar ambiguidade mesmo?

    E sobre bater ou prestar, gente, por favor, “sejem” menos chatos e parem de desviar do assunto com minúcias sem importância.

  5. Acesso raramente este site e-Farsas. Lendo alguns assuntos hoje, observo que as pessoas que o administram são claramente simpatizantes de um determinado partido e lamentavelmente se empenha mais em justificar atos em favor do “seu” partido e deixam de lado o principal objetivo da publicação, que é esclarecer sem paixões politicas as noticias veiculadas nas redes sociais.
    Lamentável. Pra mim perdeu toda credibilidade.

  6. Aconselho o senhor pesquisar mais sobre isso. Quem estava lá viu que prestaram continência para a população e os oficias estão distorcendo o ocorrido. Basta assistir o monte de vídeo na net.

  7. Senhores, uma tropa da polícia “bater” continência em homenagem ao soldado morte em dia anterior, numa situação totalmente adversa, num momento totalmente inoportuno, em uma ocasião totalmente fora do contexto é, no mínimo duvidoso.
    O Comandante, questionado, deu sua resposta para justificar (ou tentar justificar) a atitude, porém acreditar no que foi dito, seria um insulto à nossa inteligência.
    Há inúmeros relatos dessa mesma atitude em todo o pais.
    O e-Farsas publicou o que foi dito pelo Comandante, o que está correto, mas sabemos que não é bem assim. Por exemplo: https://www.youtube.com/watch?v=tgenFTxGa_Y em vários outros exemplos.

  8. Se os policiais estão “batendo continência ” para a população , significa que os tempos estão mudando mesmo. Porque até outro dia eles batiam era os cassetetes, nas manifestações dos professores por melhores salários, da população contra o aumento das passagens e etec.., lamentável significa que deixaram de cumprir com seu papel e tomaram partido de um dos lados nesse jogo político.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui