9.1 C
São Paulo
sexta-feira, agosto 19, 2022

Um político chinês colocou fogo no próprio corpo ao ser descoberto em esquema de propina?

- Publicidade -

É verdade que um político chinês colocou fogo no próprio corpo por vergonha ao ser descoberto em um suposto esquema de propina?

As imagens fortes surgiram nas redes sociais na segunda semana de abril de 2022 e mostram um homem dando uma entrevista coletiva quando, de repente, joga um líquido no corpo e ateia fogo em si mesmo!

As pessoas ao redor correm para socorrê-lo, enquanto tudo é filmado e o vídeo ganhou espaço em compartilhamentos também em grupos do WhatsApp e do Telegram, juntamente com a alegação de que o homem seria um político chinês que se puniu ao ser descoberto em suposto esquema de corrupção.

Será que isso é verdade?

Texto de uma das versões compartilhadas com o vídeo: “Parlamentar chinês põe fogo no próprio corpo ao ser descoberto por propina… uma atitude dessa no Brasil seria um incêndio continental…” (foto: Reprodução/WhatsApp)

Verdade ou mentira?

O vídeo é real, mas a história que se espalhou junto com ele é falsa!

Através de uma busca reversa das imagens, chegamos ao fato ocorrido em novembro de 2015, na Mongólia, quando um líder sindical se incendiou em protesto contra a proposta de venda da indústria de mineração de carvão do país para a China.

O homem, que não teve seu nome revelado na ocasião, disse as poucas palavras a seguir antes de derramar um líquido no seu terno e jogar fogo em si mesmo:

“O governo não apoia mais nossa empresa, as famílias dos trabalhadores são forçadas a morrer de fome, é por isso que vou me queimar pelo povo da Mongólia e nossos filhos.”

O site Asia News identificou o homem do vídeo. Segundo eles, trata-se do presidente do Conselho do Sindicato de Solidariedade da Mongólia, Sr. Erdene Sambuu, que foi levado às pressas para o Centro Nacional de Pesquisa em Trauma e Ortopedia da Mongólia, onde ficou em estado crítico depois de sofrer queimaduras em mais de 40% do corpo.

Aqui tem fotos do homem sendo levado para o hospital após o incidente.

- Publicidade -

A desinformação compartilhada no Facebook!

O que ele queria?

Segundo reportagens da época, o líder sindical queria discutir uma recente mudança no contrato para os trabalhadores da mina Tavan Tolgoi da Mongólia, uma das maiores minas de carvão no mundo:

“As declarações de S. Erdene referem-se à decisão de Tavan Tolgoi de transferir os contratos de 200 trabalhadores para a empresa chinesa TTJVCO, com o objetivo de reduzir os custos de operação. As demissões em mineração têm sido muito comuns na Mongólia nos últimos anos, com o megaprojeto de mineração de cobre Oyu Tolgoi demitindo aproximadamente 2.000 pessoas em 2013.”

Em entrevista ao jornal mongol Ikon, um CEO da mineradora Tavan Tolgoi disse que as despesas médicas do sindicalista foram cobertas pela companhia e que a empresa também atendeu a outras demandas sindicais, prometendo a mesma carga horária e garantia de contrato de 33 meses para os 200 trabalhadores transferidos. 

A Tavan Tolgoi também concordou em distribuir pensões e bônus salariais para alguns trabalhadores, além de fornecer uma tradução do contrato para o mongol (os contratos estavam originalmente escritos em inglês).

Segundo reportagens de sites da Mongólia, o Sr. Erdene foi para a Coréia do Sul para receber tratamento médico em dezembro de 2015, após receber 130 milhões de MNT (algo em torno de 45 mil dólares no câmbio atual) da empresa para o seu tratamento:

O Sr. Erdene em entrevista coletiva após o protesto em que ele ateou fogo no próprio corpo! (Foto: Reprodução/News.mn)

Conclusão

O homem que aparece em um vídeo colocando fogo no seu próprio corpo não é um político chinês que teria sido pego em um esquema de corrupção. Trata-se de um líder sindical mongol que protestou contra as mudanças no contrato que desfavoreceram os trabalhadores de uma mineradora em seu país!

- Publicidade -
Gilmar Lopes
Gilmar Henrique Lopes é Analista de Sistemas. Trabalha com PHP e banco de dados Oracle e é especializado em criação de ferramentas para Intranet. Em 2002, criou o E-farsas.com (o mais antigo site de fact checking do país!) que tenta desvendar os boatos que circulam pela Web. Gilmar também tem um espaço semanal dentro do programa “Olá, Curiosos!” no YouTube e co-apresenta o Fake em Nóis ao lado do biólogo Pirulla!

Últimas Atualizações

- Publicidade -

Ajude a Manter o E-farsas

- Publicidade -

Checagens Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui