Conecte com a gente

E-farsas – Desvendando fake news desde 2002!

E-farsas – Desvendando fake news desde 2002!

O que é um hoax (parte 3) – Marketing Viral

Correntes

O que é um hoax (parte 3) – Marketing Viral

Conheça um recurso usado pelas agências de publicidades aproveitando a repercussão que uma notícia falsa pode gerar para vender produtos ou serviços: O Marketing Viral

Na nossa série de artigos sobre o hoax, podemos mostrar alguma coisa sobre as características de um boato virtual e dos perigos do phishing. Agora, vamos falar um pouco sobre o marketing viral e como as agências de publicidade aproveitam a internet para lançar campanhas que se espalham pela rede em pouquíssimo tempo a um custo mínimo.

Antes de prosseguir com o texto, é preciso que fique bem claro aqui que o marketing viral não tem a ver necessariamente com o hoax. Muitas campanhas bem sucedidas na web não foram criadas com base em rumores.

Marketing Viral

Algumas notícias fazem sucesso nas redes sociais e, algum tempo depois, descobrimos que tudo não passou de uma propaganda de algum novo produto.

Foi o caso da campanha da Nokia para a divulgação de seu novo aparelho de celular. Para mostrar que seu novo smartphone possui uma excelente câmera digital, uma agência de publicidade postou um vídeo no YouTube mostrando um jovem rapaz triste por ter perdido o numero de telefone de uma moça que ele havia conhecido na balada dias antes.

O vídeo ficou conhecido como “perdi meu amor na balada” e rendeu mais de um milhão de visualizações no site de vídeos, além de centenas de compartilhamentos e curtidas no Facebook. Dias depois, foram divulgados outros filmes explicando que tudo não passou de um golpe publicitário.

“Perdi meu amor na balada” era uma propaganda de celular!

As pessoas (que não sabiam de nada e ficaram sensibilizadas com a história do romântico rapaz) acabaram fazendo propaganda do celular ao repassar o vídeo adiante. Esse é o princípio do marketing viral.

No marketing viral (o termo vem de “vírus” mesmo, como se o que está tentando ser divulgado se espalhe como acontece em uma epidemia), as empresas montam estratégias de guerrilha (sim, o termo é esse, “guerrilha”) para tentar “viralizar” alguma campanha, como por exemplo:

  • São criados perfis fakes em redes sociais
  • Alguns blogs e sites também são criados para começarem a divulgar determinadas informações
  • Pessoas influentes na internet podem ser contratadas para ajudar a espalhar o “vírus”

O mais interessante no marketing viral é que a campanha pode ser extremamente barata, uma vez que, como foi mencionado lá em cima, quando alguém compartilha algum vídeo ou postagem desse tipo, acaba (mesmo sem saber) fazendo propaganda gratuita.

Entre em contato com o E-farsas via WhatsApp: (11) 96075-5663

Algumas empresas se especializaram nesse tipo de propaganda, como a Agência Espalhe e a Worm.

O hoax pode surgir quando apenas uma parte da campanha faz sucesso e o usuário acaba não sabendo o desfecho daquela história. Um exemplo clássico é o vídeo da baleia que ataca um turista na praia:

[iframe: width=”420″ height=”315″ src=”http://www.youtube.com/embed/florDTkHdtU” frameborder=”0″ allowfullscreen]

O vídeo acima fez enorme sucesso na web (foram mais de 2 milhões de views!), mas não se sabia ao certo se aquilo era verdadeiro ou falso. Algumas semanas depois, o filme completo foi publicado no YouTube, mostrando que a produção era parte de uma promoção para uma rede de supermercados na Republica Dominicana. Muitas das pessoas que repassaram o primeiro vídeo acabaram ficando sem saber que aquilo era fake.

Nem sempre dá certo

Carta enviada pela Nike aos torcedores rivais do Corinthians! (foto: Reprodução/internet)

Por mais que sejam feitos estudos para se atingir determinado alvo com as campanhas, muitas vezes o tiro sai pela culatra e o que era para ser um sucesso acaba sendo um enorme fracasso. Alguns virais acabam não pegando, ou não saem como esperado:

Durante a Copa Santander Libertadores, a Nike criou uma campanha para provocar os anticorintianos. Em uma carta enviada a vários torcedores rivais do Timão, a empresa incitava a ira de quem torcia contra o Corinthians. Era quase certo que os corintianos gostariam da zoeira, não fosse a Nike ter feito uma brincadeira similar na Argentina (país que seria rival do Brasil na final). Pegou mal pra empresa torcer para os dois lados!

Outra que não pegou bem foi uma ação publicitária promovida para a P&G no Rio de Janeiro. Em novembro de 2010, várias caixas enormes de madeira foram colocadas em vários pontos da cidade sem qualquer explicação. Os moradores locais desconfiaram dos caixões e a polícia e Esquadrão Antibombas foram acionados e o que era pra ser uma bela divulgação de sabe-se-lá-o-que acabou virando um pesadelo para a população!

Caixões espalhados na cidade do Rio de Janeiro geraram polêmica!

Caixões espalhados na cidade do Rio de Janeiro geraram polêmica!

Leia a primeira parte desse artigo aqui!

Leia a segunda parte desse artigo aqui!

 

Continue lendo
3 Comentários

Comente

3 Comments

  1. Tiago Silva

    3 de dezembro de 2016 em 22:45

    O que as empresas não fazem para vender seus serviços ou produtos hein. Depois que viraliza é que vão descobrir a verdade!

    Ótimo artigo, parabéns!

  2. Daniel Lima

    17 de dezembro de 2016 em 13:23

    hahahahahahah, gostei bastante do artigo…

    Parabéns

  3. adailton

    20 de abril de 2017 em 14:25

    Nossa, adorei o artigo sobre Marketing Viral. Poucos palavras e explicou muita coisa de forma fácil e simples e com muita criatividade.Parabéns! Conteúdo foi simples, rápido e objetivo

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Populares

Ajude a Manter o E-farsas!

Categorias

Voltando a Circular

Publicidade

Topo